Estepe temporário
Reprodução
Estepe temporário limita velocidade a 80 km/h, mas ocupa menos espaço que uma roda convencional


O Projeto de Lei n° 5098/20, de autoria do deputado federal Gervásio Maia (PSB-PB), quer obrigar fabricantes de veículos a equiparem os carros comercializados no mercado brasileiro com o estepe na mesma medida das outras rodas do veículo.



Caso seja aprovada, a mudança na legislação afetaria principalmente os carros equipados com o chamado estepe temporário (com pneu bem mais fino que o normal), que hoje é visto até em alguns modelos populares, como o Chevrolet Onix Joy . Eles podem ser utilizados por uma distância de no máximo 80 km, a uma velocidade máxima de 80 km/h. São um paliativo, já que afetam bastante o comportamento dinâmico do veículo.

Outros prejudicados são os carros que trazem rodas convencionais mas de dimensões diferentes, como o Toyota Corolla , muitas vezes por conta de limitação no espaço da caixa de estepe. Já os veículos equipados com pneus do tipo run flat, que podem rodar sem ar e por este motivo trazem um kit de reparo no lugar do estepe tradicional, não são citados na proposta.

Ford EcoSport
Divulgação
Ford EcoSport usa pneus run flat e trazem um kit de reparo no lugar do estepe


"Este comportamento dos fabricantes de veículos prejudica o desempenho do veículo e caracteriza uma prática abusiva por parte do fornecedor em relação ao consumidor, pois o correto é que se utilizem pneus da mesma marca nas quatro rodas e que sejam de acordo com as especificações descritas pelo fabricante do veículo", destaca o parlamentar na justificativa do projeto de lei.

Pela proposta, em caso de descumprimento, os fabricantes seriam punidos com uma multa. O projeto precisa se aprovado inicialmente pela Câmara dos Deputados antes de passar pela análise do Senado . Vale destacar que essa não é a primeira vez que um projeto para a proibição do estepe temporário é colocado na pauta do Legislativo. Nos últimos cinco anos, outras duas propostas do tipo já foram analisadas pelos parlamentares, mas acabaram rejeitadas pela Câmara.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários