O Volkswagen Santana foi lançado no mercado brasileiro em 1984. Variação local do Passat europeu de segunda geração (1981-1988), o modelo não substituía o Passat pioneiro, sendo posicionado numa faixa superior do mercado para disputar a clientela de modelos como o Ford Del Rey e Chevrolet Opala .


Produzido nas versões sedã e também na variação perua Quantum, o Santana manteve o seu posto de modelo mais caro da Volkswagen no Brasil até o final da primeira metade dos anos 1990, quando a marca começou a trazer da Alemanha o Passat de 4ª geração. Mesmo assim, seguiu em produção por mais uma década e saiu de cena só em 2006, tendo passado por três reestilizações.

Descontinuado por aqui, o Volkswagen Santana  original seguiu vivo na China até 2012, quando a montadora alemã resolveu criar um novo sedã aproveitando o mesmo nome. Confira a seguir algumas versões do Santana que não tivemos por aqui.

1 - "Nissan" Santana

Volkswagen Santana 2000 Xi5 Autobahn DOHC, com 140 cavalos com ajuda do cabeçote com duplo comando de válvulas
Divulgação
Volkswagen Santana 2000 Xi5 Autobahn DOHC, com 140 cavalos com ajuda do cabeçote com duplo comando de válvulas


Em 1984, a japonesa Nissan fechou um acordo com a Volkswagen para a produção no Japão do Passat de 2ª geração, modelo que por lá também ganhou o nome de Santana. Os carros chegavam importados da Alemanha em kits CKD e eram apenas montados pelos japoneses, que preservavam inclusive os emblemas da montadora com sede em Wolfsburg.

Mesmo assim, tinham uma configuração mecânica bem distinta dos Passat e Santana oferecidos pela Volkswagen no restante do planeta. A versão topo de linha era a 2000 Xi5 Autobahn DOHC, que trazia um motor 2.0 de cinco cilindros e 20V, que desenvolvia 140 cv. A produção local seguiu até 1989, quando a Nissan optou por importar o Passat de 3ª geração diretamente da Alemanha.

2 - Quantum 4x4

VW Passat Variant Syncro: perua com tração integral, feita para enfrentar os pisos escorregadios por causa da neve do continente europeu
Divulgação
VW Passat Variant Syncro: perua com tração integral, feita para enfrentar os pisos escorregadios por causa da neve do continente europeu


Na Europa, a perua Santana Quantum era vendida com o nome de Passat Variant . E tinha uma opção Syncro, lançada em 1984 e equipada com tração 4x4 permanente, que exigia diversas modificações para comportar a tração também nas rodas traseiras.

Você viu?

Com componentes vindos do Audi Quattro de rali, o seu sistema de tração dividia a tração igualmente entre os eixos dianteiro e traseiro. Para enfrentar terrenos mais difíceis, os diferenciais central e traseiro podiam ser bloqueados manualmente. O motor era um 2.0 de cinco cilindros de 115 cv.

3 - Santana 2000 (China)

Volkswagen Santana 2000: versão chinesa era quase igual a que foi vendida no Brasil, exceto por detalhes , como as rodas
Divulgação
Volkswagen Santana 2000: versão chinesa era quase igual a que foi vendida no Brasil, exceto por detalhes , como as rodas


A história do Santana na China é até mais longa que no Brasil. As primeiras unidades do modelo foram montadas no país asiático em 1983, mas a produção local só começou em 1985, numa joint-venture entre a Volkswagen e a montadora local SAIC . Foi um dos primeiros carros de marcas ocidentais a serem produzidos para o mercado chinês.

Em 1995, os chineses receberam uma segunda geração do Santana, que ganhou o nome de 2000. Diferente do Brasil, onde a sigla 2000 era utilizada nos carros equipados com o motor 2.0, na China isso significava um modelo com entre-eixos alongado em 10 cm, chegando a 4,68 m de comprimento. Apesar das dimensões avantajadas, tinha como única opção de motorização o 1.8 da família AP .

4 - Santana Vista

Volkswagen Santana Vista: tentaram dar um ar mais sofisticado do sedã na China, até com painel imitando madeira
Divulgação
Volkswagen Santana Vista: tentaram dar um ar mais sofisticado do sedã na China, até com painel imitando madeira


A produção do Santana no Brasil foi encerrada em 2006. Mas o modelo seguiu vivo na China, onde em 2008 ganhou a sua última reestilização. Conhecido como Santana Vista, trazia dianteira e traseira remodelados, mas conservando as laterais vistas no carro brasileiro.

O interior também seguia as linhas do carro feito no Brasil, mas com sofisticações como airbag do motorista, revestimento imitando madeira, couro claro e até ar-condicionado automático.

5 - Novo Santana

Volkswagen Santana feito sobre a plataforma PQ25 não fo vendido no Brasil, onde o Jetta acabou tomando o lugar no segmento
Divulgação
Volkswagen Santana feito sobre a plataforma PQ25 não fo vendido no Brasil, onde o Jetta acabou tomando o lugar no segmento


Icônico na China, o nome Santana foi reaproveitado em um novo modelo compacto, lançado em 2012 pela Volkswagen exclusivamente para o país asiático e que se aproxima em tamanho do Virtus produzido no Brasil. 

Usando uma variação modernizada da plataforma PQ25 (usada na Europa no Volkswagen Polo de 5ª geração), o New  Santana está disponível na carroceria sedã e também numa variante hatch (Gran Santana) e aventureira (Cross Santana).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários