Fabricantes precisam do apoio do governo  entre outras questões, para acabar com os gargalos de energia
Divulgação
Fabricantes precisam do apoio do governo entre outras questões, para acabar com os gargalos de energia


Diferente da Europa e da China, mercados onde o  carro elétrico  já figura nas listas de automóveis mais vendidos, no Brasil os veículos de emissão zero ainda são coisa de rico, com poucas (e caras) opções disponíveis. Mas a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) quer levar o tema para o governo, com o objetivo de acelerar a eletrificação da frota brasileira.


"Daqui para frente não podemos trabalhar isoladamente. Setor privado e público precisam trabalhar juntos. Somente lançar o produto carro elétrico não vai resolver o problema. Temos uma matriz enérgética limpa, com hidrelétricas e usinas solares e eólicas. Mas ainda temos gargalos na energia", destacou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, durante coletiva realizada na última quinta-feira (4).

De acordo com um estudo da consultoria Bain & Company, cerca de 12% de todos os carros novos vendidos no mundo serão elétricos em 2025. O que demonstra o potencial desses veículos no mercado brasileiro. Moraes ressalta que a associação que reúne os fabricantes de automóveis prepara atualmente um estudo sobre os gargalos e as alternativas para impulsionar a venda de veículos elétricos no Brasil.

Você viu?

O objetivo é que esse material seja apresentado ao governo, com o objetivo de colaborar para o desenvolvimento de um plano estratégico para o tema. "É necessário ter uma visão de estado. Não podemos perder o ativo que nós já temos, para que possamos ter uma capacidade de exportação desses veículos", completou.

Alternativas

Nissan trabalha no desenvolvimento de uma célula de combustível a etanol
Divulgação
Nissan trabalha no desenvolvimento de uma célula de combustível a etanol


O presidente da Anfavea destacou que caberá a cada fabricante definir qual caminho que irá seguir no mercado brasileiro. Na falta de um plano claro, algumas empresas já seguem pela rota intermediária dos híbridos. A Toyota já produz por aqui o Toyota Corolla Hybrid , enquanto a Nissan também já demonstrou interesse em fazer por aqui o Kicks híbrido .

Recentemente, o presidente da Volkswagen Brasil e América Latina, Pablo Di Si, defendeu durante uma live organizada pelo site Valor Econômico que o desenvovimento da célula de combustível a etanol é uma alternativa interessante para o contexto brasileiro.

Para o executivo, essa tecnologia teria potencial inclusive em mercados maduros como os do Estados Unidos e da China, onde veículos elétricos com célula de combustível já existem, mas utilizando o hidrogênio líquido como combustível para gerar energia.

Um dos fabricantes que trabalham atualmente no desenvolvimento desta tecnologia é a Nissan, que desde 2016 investe no projeto e-Bio Fuel Cell, que utiliza etanol ou uma mistura de etanol e água para alimentar a célula de combustível. De acordo com a empresa japonesa, a tecnologia permitiria ao carro elétrico obter uma autonomia de mais de 600 km.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários