Zona Azul: quem tiver créditos no aplicativo poderá migrá-los para o da Estapar até o dia 28 de fevereiro
Tribunal de Contas do Município - TCM
Zona Azul: quem tiver créditos no aplicativo poderá migrá-los para o da Estapar até o dia 28 de fevereiro


Se encerra na próxima segunda-feira (15) o prazo para os que os usuários dos antigos aplicativos da Zona Azul de São Paulo gastem os seus créditos. Nesta data, o app " Estapar Nova Zona Azul - SP " passa a ser o único autorizado a operar as cerca de 51 mil vagas de estacionamento do serviço nas ruas da capital paulista.


A princípio, a mudança para o usuário vai ser pequena. Apesar da troca na plataforma de compra do Cartão Azul Digital , com as cerca de 15 empresas credenciadas dando lugar a apenas uma, o valor dos créditos da Zona Azul de São Paulo continua em R$ 5 por hora, com o tempo máximo de permanência em uma mesma vaga variando entre 2h ou 3h dependendo da localização.

Segue também a punição para os motoristas que não ativarem a Zona Azul, com multa de R$ 53,20 e 3 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Você viu?

Além do celular, segue sendo possível fazer a compra dos créditos em estabelecimentos autorizados, como bancas de jornal. Como já acontece atualmente, não é necessário deixar um comprovante no painel do veículo, já que todo o controle de vaga é feito de maneira eletrônica.

Quem não gastar os créditos nos antigos aplicativos autorizados até o dia 15 terá os valores remanescentes migrados automaticamente para o app da Estapar até o dia 28 de fevereiro.

Sem cartão no painel, nova Zona Azul de SP segue com fiscalização eletrônica
Futura Press
Sem cartão no painel, nova Zona Azul de SP segue com fiscalização eletrônica


Enquanto esse prazo não acaba, os antigos operadores do serviço estão dando aos seus clientes a opção de utilizar os seus créditos de outra maneira. É o caso do Zul+ , um dos principais aplicativo de créditos no modelo antigo da Zona Azul de SP, que está permitindo que os clientes da Zona Azul utilizem o seu saldo em outro serviços, como o pagamento de multas, abastecimentos e em um serviço de pagamento automático de estacionamento e pedágio.

"É uma pena a perda de uma cidade importante como São Paulo. Mas com a nossa base de usuários, percebemos a oportunidade de atuar em outras frentes. O usuário descobriu que temos um serviço maior que a Zona Azul e hoje manifesta a intenção de permanecer com o aplicativo. Agora que o sistema está sendo migrado, vemos que foi uma estratégia acertada", destaca André Brunetta, CEO da Zul+.

Atualmente, a Zul+ oferece além dos serviços citados acima a venda de créditos da Zona Azul em nove cidades brasileiras. Mesmo com a perda da Zona Azul da capital paulista, Brunetta espera fechar 2021 com a empresa oferecendo os seus serviços de créditos para estacionamento em 70 cidades brasileiras.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários