Alpine A110: esportivo atualmente vendido nas lojas europeias com motor de 250 cv para fazer de 0 a 100 km/h em 4,5 s
Divulgação
Alpine A110: esportivo atualmente vendido nas lojas europeias com motor de 250 cv para fazer de 0 a 100 km/h em 4,5 s


A temporada 2021 da Fórmula 1 começa oficialmente nesta sexta-feira (26), com os primeiros treinos livres para o GP de Bahrein. E entre as equipes, uma que faz a sua estreia este ano é a Alpine , que tem longo histórico em competições e inclusive uma ligação com o Brasil.


O nome Alpine , que foi adotado pela antiga equipe Renault, surgiu nos anos 1950 como uma empresa que construía carros esportivos de fibra de vidro usando a mecânica do fabricante francês. Um desses carros, o Alpine A108, acabou sendo produzido sob licença no Brasil, onde virou o Willys Interlagos , modelo que fez sucesso nas pistas brasileiras nos anos 1960.

Você viu?

Fazendo sucesso com esportivo A110 em provas de rali, foi incorporada em 1973 pela Renault e se tornou a divisão esportiva da empresa. Pouco tempo depois, a Alpine participou do desenvolvimento do primeiro Renault de Fórmula 1, que estreou em 1977, e ganhou as 24 Horas de Le Mans em 1978 com o protótipo Renault Alpine A442B. Nas décadas seguintes, além dos famosos Renault 5 Turbo, o braço esportivo produziu cupês esportivos até 1995, quando o uso da marca foi abandonado.

Willys Interlagos, o Alpine nacional

Willys Interlagos 1961: até a cor azul segue o padrão do Alpine A108  original fabricado na França
Divulgação
Willys Interlagos 1961: até a cor azul segue o padrão do Alpine A108 original fabricado na França


Renascida em 2013, a marca conta atualmente com um modelo de produção, o cupê A110, que utiliza um motor 1.8 turbo de até 292 cv. A partir deste ano, além da Formula 1, o nome Alpine passa a substituir a Renault Sport em outras categorias e fará a sua estreia na classe LMP1 do Campeonato Mundial de Endurance, além de já estar com a presença confirmada nas 24 Horas de Le Mans, programada para agosto.

Apresentado em 1961, o esportivo nacional baseado no Renault 4CV tinha como trunfo o baixo peso, já que a carroceria era feita de fibra de vidro. O carro também chamava atenção pelo desenho arrojado para a época e era bem divertido de dirigir por ter tração traseira, mesmo com o modesto motor 1.0, com dupla carburação e 70 cv, o suficiente para ir de 0 a 100 km/h em longos 14,1 segundos e atingir 160 km/h.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários