O ano de 2021 está sendo tão inusitado que é quase impossível acompanhar todos os seus desdobramentos. Este período turbulento ficará marcado para sempre na história da indústria automotiva brasileira , que luta com bravura para sobreviver em meio a tantas ameaças.

Partindo disso, a reportagem do iG Carros elege 5 fatores que tornam este ano mais inusitado do que 2020. Acompanhe os fatos:

1 - Carros por assinatura estão bombando

Mitsubishi lançou nesta semana o novo programa de carro por assinatura, que inclui Pajero Sport blindada
Divulgação
Mitsubishi lançou nesta semana o novo programa de carro por assinatura, que inclui Pajero Sport blindada

O novo modelo de negócio da indústria promete grandes mudanças em hábitos que já possuem mais de 100 anos. O hábito de escolher um modelo pela internet, ir até a concessionária para assinar toda a papelada e escolher o financiamento ideal para o seu bolso pode estar próximo do fim.

Os carros por assinatura ganharam força nos últimos meses. Volkswagen, Fiat, Jeep, Renault e até a Tesla já disponibilizam seus veículos por períodos entre 12 e 24 meses, com revisões, seguro e assistência 24 horas para a manutenção. Ainda nesta semana, a Mitsubishi revelou seu novo serviço de carros por assinaturas Mit4You, com planos a partir de R$ 3,5 mil para o Eclipse Cross.

Segundo o diretor comercial da Mitsubishi, Julio Fiorin, o programa é mais vantajoso por contar com parcelas mensais mais atrativas no lugar do financiamento com juros ou da descapitalização de uma aplicação. Ou seja, as fabricantes e concessionárias já estão buscando outras formas de ganhar dinheiro que não seja vendendo automóveis.

2 - Ford é a décima fabricante mais vendida

Marca abandona segmentos populares para apostar em veículos mais lucrativos, como Territory, Bronco Sport e Ranger
Divulgação
Marca abandona segmentos populares para apostar em veículos mais lucrativos, como Territory, Bronco Sport e Ranger

O mercado nacional sempre foi dominado por quatro fabricantes: Volkswagen, Chevrolet, Fiat e Ford. Apesar das três primeiras continuarem bem posicionadas no ranking geral de vendas, a Ford mudou seu modelo de negócio e retirou do catálogo os três modelos de maior volume.

Hoje a Ford ocupa a décima colocação no ranking de vendas , atrás de Renault, Jeep, Toyota, Nissan e Honda. O volume deixou de ser importante para a marca, que pretende focar em produtos mais lucrativos, como Ranger, Territory e Mustang.

Nos próximos dias, a marca terá o novo SUV Bronco Sport nas concessionárias. Importado do México, ele terá benefícios fiscais para oferecer pacote de equipamentos de modelos premium por um valor mais em conta. Acompanhem os próximos episódios.

Você viu?

3 - Faltam chips semicondutores

Um automóvel pode ter entre 200 e 400 microchips semicondutores, dependendo de sua categoria
Divulgação
Um automóvel pode ter entre 200 e 400 microchips semicondutores, dependendo de sua categoria

Se hoje os automóveis mais modernos contam com sistema de frenagem de emergência, condução semi-autônoma e câmera 360° para manobras, agradeça aos desenvolvedores e fornecedores de microchips semicondutores . A peça é tão pequena que cabe na ponta dos dedos de uma criança, mas está causando um estrago ainda imensurável na indústria automotiva.

Um automóvel pode ter entre 200 e 400 microchips semicondutores, dependendo de sua categoria. Um estudo americano aponta que a falta de microchips semicondutores impactou na venda de 1,3 milhão de veículos no mundo apenas no primeiro trimestre de 2021. Mas por que eles estão em falta no mercado? Confira o motivo neste episódio do iG Carros Podcast .

4 - Onix na quinta colocação

Chevrolet paralisou produção do Onix em São Caetano do Sul (SP) pela falta de componentes na indústria
Divulgação
Chevrolet paralisou produção do Onix em São Caetano do Sul (SP) pela falta de componentes na indústria

Quem poderia imaginar que o Chevrolet Onix , líder absoluto do mercado por quase seis anos, perderia a liderança por causa do novo coronavírus? Segundo a Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores), o modelo vendeu menos que VW Gol, Jeep Renegade, Hyundai HB20 e Fiat Mobi no mês de abril, apesar de ainda ser líder isolado no acumulado.

A falta de componentes para sua produção, além do completo descontrole da pandemia, fez a marca paralisar a produção do modelo em São Caetano do Sul (SP). Vale lembrar que a Chevrolet é rigorosa nos protocolos sanitários contra o coronavírus, não apenas produzindo as próprias máscaras para os funcionários como também auxiliando o governo de São Paulo no reparo de respiradores para UTIs. 

5 - Usado está mais caro que modelo novo

Desequilíbrio na indústria faz alguns modelos ficarem mais caros no mercado de veículos seminovos
Divulgação
Desequilíbrio na indústria faz alguns modelos ficarem mais caros no mercado de veículos seminovos

A KBB Brasil, empresa especializada na precificação de veículos, identificou que alguns dos modelos mais vendidos do Brasil já apresentam tendência de inversão de valorização dos seminovos frente aos zero quilômetro . Segundo a empresa, trata-se de um impacto claro do descontrole da pandemia.

O início de 2021 está sendo marcado por um desequilíbrio entre oferta e demanda, tanto para veículos novos quanto usados. A pandemia forçou a paralisação da fabricação de algumas montadoras, provocando um descompasso generalizado na oferta de automóveis nas concessionárias. O assunto também foi tema do iG Carros Podcast, que você pode conferir clicando aqui .

Tomando como base os valores negociados no estado de São Paulo, metade dos veículos presentes entre os mais vendidos do Brasil já apresentam alta nos preços dos seminovos na comparação com os novos:

Desde 2020, modelos com até três anos de uso tiveram acréscimo médio de preço de 2% a 4%, segundo a KBB. Entre os usados com 4 a 10 anos de idade, os modelos 2012 tiveram aumento médio de 6,31%, seguidos pelos modelos 2010 (5,74%), 2011 (5,11%) e 2013 (4,84%). 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários