Descubra o que apontam os dados estatísticos sobre o novo fenômeno do universo automotivo
Divulgação
Descubra o que apontam os dados estatísticos sobre o novo fenômeno do universo automotivo

O que antes era uma questão de sustentabilidade, agora começa a virar uma questão de necessidade. Com a alta dos combustíveis a preços nunca imaginados, o consumidor começa agora a pensar que realmente o carro elétrico pode vir a ser uma possibilidade não tão remota.

De acordo com a análise digital da Similarweb , empresa de inteligência de mercado global,  parece que o consumidor entrou na onda dos carros elétricos e não vê a hora de adquirir o seu. Apesar dos preços altos, 62% dos brasileiros preferem veículos elétricos e 50% planejam adquirir um no futuro próximo, de acordo com outra pesquisa feita pelo Itaú Unibanco em janeiro deste ano. 

A Similarweb constatou que as buscas orgânicas por “ carro elétrico ” e palavras-chave similares cresceram nos últimos dois anos e alcançaram um pico entre outubro e novembro de 2021, enquanto o Senado discutia a superação de obstáculos legais e tributários para um aumento no tamanho do mercado de veículos elétricos no Brasil.

No mesmo período, a ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico) , divulgou um relatório informando um novo recorde de vendas de veículos eletrificados no primeiro semestre de 2021, apontando um aumento de 70% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No total, 368 unidades de veículos elétricos foram fabricados, vendidos e licenciados somente no mês de janeiro. O número de emplacamentos de modelos eletrificados tiveram o melhor mês de fevereiro da série histórica.

Foram 3.435 emplacamentos de carros elétricos e híbridos , número que equivale a um aumento de 147% sobre fevereiro de 2021 (1.389) e de 34% sobre janeiro de 2022 (2.558). Esse total corresponde a 2,8% das vendas domésticas totais de automóveis e comerciais leves no Brasil, que foram de 120.192 unidades, segundo a Fenabrave .

Leia Também

Esse movimento é impulsionado pela indústria automotiva no mundo todo, que pretende avançar com o número de veículos elétricos nas rodovias até 2030. Jac Motors, Volvo, Mercedes já estão no páreo, recentemente a Ford e a Volkswagen anunciaram uma parceria para entrar neste mercado.

O Grupo Stellantis, dono das marcas Fiat, Jeep, Citroën e Peugeot, tem previsto sete lançamentos de carros híbridos e elétricos até 2025 na região e espera que 20% de suas vendas na América do Sul e Brasil sejam de modelos eletrificados até 2030.

Incentivos e preços 

Carros elétricos: O Brasil ainda conta com incentivos fiscais do governo e iniciativas para atrair os consumidores
Divulgação
Carros elétricos: O Brasil ainda conta com incentivos fiscais do governo e iniciativas para atrair os consumidores

A ideia de ter um carro elétrico fica mais próxima também por conta da movimentação política. Recentemente, o Senado aprovou a criação da Frente Parlamentar Mista pela Eletromobilidade. O PRS (Projeto de Resolução) 64/2021, criado pelo senador Rodrigo Cunha tem o intuito de discutir iniciativas para o incentivo do uso de carros elétricos no Brasil .

O avanço no Congresso pode ajudar na redução de custos e aproximar o brasileiro ainda mais de um futuro elétrico. Atualmente, os valores de veículos eletrificados e híbridos ultrapassam os R$ 150 mil no Brasil. 

Por outro lado, os custos de propriedade e manutenção são bem mais baixos em modelos elétricos. Afinal, não há óleo para ser trocado ou velas, bobinas, bicos injetores e centenas de outras peças móveis que se desgastam e quebram com o tempo.

Segundo Juliana Junkes, diretora de vendas da Similaweb, tem sido interessante notar como os tópicos de interesse do consumidor têm evoluído acerca do tema. “Temos observado um maior crescimento de buscas sobre especialmente o abastecimento de carros elétricos e, claro, preço”, destaca.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários