Sistema propõe troca de baterias automatizadas é uma das apostas na questão da mobilidade sustentável
Divulgação
Sistema propõe troca de baterias automatizadas é uma das apostas na questão da mobilidade sustentável

A fabricante chinesa de baterias CATL, está lançando um serviço de substituição de baterias na cidade de Xiamen, na China. Inicialmente a rede contará com quatro pontos de substituição, e a marca planeja expandir o projeto para 30 unidades neste ano, apenas na cidade de Xiamen.

Batizado de ‘Evogo’, o serviço é voltado para consumidores que moram em apartamentos e não podem carregar os veículos elétricos em suas residências. A ideia da fabricante é que os pontos de substituição das baterias em Xiamen não fiquem a menos de 2.8 km de distância, para que os consumidores não enfrentem problemas de autonomia.

A tecnologia utiliza as baterias “Choco-SEB” desenvolvidas pela CATL, fabricadas especificamente para ser intercambiáveis. De acordo com a empresa, as baterias possuem até três blocos de 26.5 kWh cada um e com capacidade de cerca de 200 km cada . O custo da troca das baterias é inicialmente de R$ 307 na conversão direta.

Apesar de cada fabricante de veículos elétricos ter uma bateria própria, a CATL diz que o sistema é compatível com 80% dos modelos disponíveis no mercado, e estima que ainda será utilizável em todos os veículos do tipo BEV elétricos lançados nos próximos  três anos.

Leia Também

Leia Também

Essa não é a primeira iniciativa para a o sistema de baterias intercambiáveis, em 2014 a Tesla chegou a anunciar o piloto de um projeto similar, mas foi deixado de lado no ano seguinte.  Outra fabricante chinesa, a NIO, também anunciou baterias de 150 kWh que podem ser intercambiáveis.

Uma startup dos Estados Unidos chamada Ample, também desenvolve um sistema de troca de baterias e recebeu aporte financeiro de grandes empresas como Shell e Repsol. Além disso, firmou uma parceria com a Uber para a substituição de baterias da frota de Nissan Leaf de São Francisco (EUA).

Entretanto, uma reportagem da Reuters apurou que apesar do sistema trocar as baterias em 10 minutos, a maior dificuldade do projeto da Ample é a necessidade de adaptação ao sistema dos veículos , diferente do proposto pela CATL.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários