Novo SUV da Renault deverá ter linhas que lembram as do novo Austral para brigar com VW Nivus e Fiat Pulse
Divulgação
Novo SUV da Renault deverá ter linhas que lembram as do novo Austral para brigar com VW Nivus e Fiat Pulse

A Renault confirma o investimento de R$ 2 bilhões referente ao anúncio feito em março deste ano para a produção de uma nova plataforma, a CMF-B , que dará origem a um novo SUV e um novo motor 1.0 turbo.

O anúncio do investimento da nova plataforma modular, de São José dos Pinhais (PR) faz parte do plano estratégico Renaulution e permitirá a chegada de novos produtos no futuro bem como uma eventual eletrificação.

“A América Latina é de grande importância para o Renault Group e estamos investindo para oferecer nos países do continente produtos alinhados à nossa estratégia mundial”, afirma José Vicente de los Mozos, EVP Industrial Renault Group.

O anúncio de R$ 2 bilhões vem após o último ciclo de R$ 1,1 bilhão anunciado em março de 2021, destinado aos Zoe E-Tech 100% elétrico e do Captur com o novo motor turbo TCe 1.3 Flex em 2021, além de Kwid, Kwid E-Tech 100% elétrico, Master, Duster e Oroch 2023 , sendo os dois últimos com opção de motor turbo TCe 1.3 Flex.

A plataforma CMF-B permite a chegada de novos produtos que rumores apontam ser o novo Duster, o Bigster , um SUV de 7 lugares baseado do  Duster e um novo SUV compacto , que usará componentes do  Dacia Stepway  europeu, mas com identidade própria para o nosso mercado.

Anúncio foi feito por José Vicente de los Mozos, EVP Industrial Renault Group, no Palácio do Governo do Paraná
Divulgação
Anúncio foi feito por José Vicente de los Mozos, EVP Industrial Renault Group, no Palácio do Governo do Paraná

Ao que tudo indica, este modelo será equipado com o referido motor 1.0 turbo e ocupará uma posição entre o hatch  Kwid e o SUV Duster  e será a cartada da marca para disputar mercado com modelos como Fiat Pulse e Volkswagen Nivus. 

“A marca segue com a aplicação do plano estratégico mundial Renaulution, que prevê a mudança da estratégia do Renault Group de volumes para valor, que entra na fase Renovation com a chegada de novos produtos”, comenta a Renault. 

Dito isto, não se sabe qual será o futuro de modelos como Logan e Sandero , mas alguns boatos apontam para o fim da produção deles, considerando que a marca parece estar mais focada em modelos mais lucrativos como o do segmento de SUVs, além do investimento de elétricos.

“Após a renovação da nossa gama atual ocorrida nos últimos dois anos, o nosso objetivo é a oferecer novos produtos nos segmentos mais altos do mercado, coerente com o plano estratégico Renaulution”, explica Ricardo Gondo, presidente da Renault do Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários