No fim do ano que passou, encontrei em um leilão de carros antigos o Mingo, um sujeito apaixonado pelos clássicos e responsável pela criação do já tradicional encontro da Estação da Luz , em São Paulo. Muito triste, ele me disse que seu evento mensal pode nunca mais voltar, mesmo depois de passada a pandemia. Torço para que ele esteja errado.

É que, uma vez por mês, eu acordava cedo no domingo e olhava pela janela para ver o céu azul. Sempre no primeiro domingo. Aí não havia desculpas para não pegar minha motocicleta e ir até a Estação da Luz, no centro de São Paulo. Era lá, em frente à antiga principal estação ferroviária da cidade, que se reuniam aficionados, como eu, por veículos antigos e históricos.

Desde cedo os automóveis clássicos iam chegando e estacionando de ré, um ao lado do outro, separados por marcas, categorias ou época. Tudo muito bem organizado, para que o público, que mescla adeptos do antigomobilismo com famílias que procuram o Parque da Luz por sua beleza e tranquilidade, pudessem admirar de perto um automóvel mais bonito que outro. E, em menor quantidade, mas não em menor qualidade, também as motocicletas clássicas .

Até o céu nos cumprimentava naquele domingo de sol
Gabriel Marazzi
Até o céu nos cumprimentava naquele domingo de sol

Para lembrar os bons tempos desses domingos de sol, tempos esses que não estão assim tão longe, fiz uma seleção das melhores motocicletas que estiveram no Parque da Luz em uma dessas ocasiões. Nesse domingo em especial, o dia estava tão belo que havia, até, um simpático cumprimento de bom dia, escrito no azul do céu.

Esta é uma Yamaha R5 de 1971, a precursora da temível viúva negra, a Yamaha RD 350
Gabriel Marazzi
Esta é uma Yamaha R5 de 1971, a precursora da temível viúva negra, a Yamaha RD 350

Entre muitos carros, a primeira motocicleta com a qual me deparei é um antigo desejo meu, a Yamaha R5, de 1971. Essa motocicleta é a precursora da temível Yamaha RD 350, a viúva negra, que chegaria em 1973 e que tomou o lugar da R5 na minha lista de desejos.

A Yamaha F5 de 1968 era uma das preferidas pelo público jovem
Gabriel Marazzi
A Yamaha F5 de 1968 era uma das preferidas pelo público jovem

Logo em seguida, uma Yamaha F5 de 1968, igual àquelas que eu namorava antes de ter a minha primeira motocicleta. Essa popular motocicleta foi a base de uma importante porém pouco conhecida motocicleta, a Yamaha YG5T Trailmaster, de 80 cm3. Foi uma incursão da marca nos modelos para fora de estrada, pois tinha pneus lameiros e duas coroas, para que o piloto pudesse encurtar a relação e enfrentar caminhos mais difíceis. Tenho uma dessas em fase de montagem.

Uma rara MV Agusta 250B Sport de 1969, com motor bicilíndrico
Gabriel Marazzi
Uma rara MV Agusta 250B Sport de 1969, com motor bicilíndrico

A motocicleta seguinte é um raro modelo italiano, difícil de se ver por aí: uma MV Agusta 250 B Sport de 1969, bicilíndrica. A MV Agusta passou a ter importância histórica e mundial graças ao piloto italiano Giacomo Agostini, 15 vezes campeão mundial em diversas categorias, correndo muitas vezes de MV. Onde será que anda essa motocicleta atualmente?

Esta Leonette Esporte de 1962 podia ser pilotada pela garotada de 15 anos, devido aos pedais auxiliares
Gabriel Marazzi
Esta Leonette Esporte de 1962 podia ser pilotada pela garotada de 15 anos, devido aos pedais auxiliares

Alguns passos adiante, mais raridade, uma Leonette Esporte de 1962. Essa simpática motocicleta também foi extremamente desejada pelos adolescentes do início dos anos 60, antes da invasão japonesa, e, acreditem, era fabricada no Rio de Janeiro. Notem os pedais auxiliares, como em bicicletas. Naquela época, esse detalhe, que depois passou a definir essse modelos como ciclomotores, permitia que jovens de 15 anos pilotassem sem habilitação.

Linda, a Honda CB 360 chegou em 1974 e agradou. Mas perdia em desempenho para as rivais dois tempos
Gabriel Marazzi
Linda, a Honda CB 360 chegou em 1974 e agradou. Mas perdia em desempenho para as rivais dois tempos

Mas vamos voltar às japonesas. A Honda CB 360 foi muito popular nos anos 70, principalmente por sua beleza. Essa motocicleta inaugurava uma nova tendência de estilo, com linhas mais angulares e os escapamentos apontando para cima. Ela substituiu em 1974 a robusta Honda CB 350, mas manteve a fama de lenta, pois invariavelmente perdia no desempenho para suas rivais de mesma cilindrada mas com motores dois tempos.

Você viu?

A realeza enfileirada: a rainha Honda CB 750 Four e a princesa Honda CB 500 Four
Gabriel Marazzi
A realeza enfileirada: a rainha Honda CB 750 Four e a princesa Honda CB 500 Four

Se a Honda CB 360 foi logo desprezada pelos próprios amantes da marca, que passaram a cultuar a pequena Honda CB 400 Four e seu tão desejado motor de quatro cilindros, as icônicas e maiores “Four” jamais perderam a majestade. A rainha delas é a Honda CB 750 Four, modelo que marcou a divisão entre as motocicletas antigas e as modernas, em 1969. E a princesinha é a Honda CB 500 Four, bem mais mansa porém muito mais gostosa de ser pilotada, devido à maneabilidade que sua “mãe” nunca teve. A CB 500 Four teve vida curta, pois foi produzida apenas de 1971 a 1973.

A verdona aí é uma Kawasaki Z1000 com suspensão dianteira de Ninja. Ao lado, outra Honda CB 750 Four
Gabriel Marazzi
A verdona aí é uma Kawasaki Z1000 com suspensão dianteira de Ninja. Ao lado, outra Honda CB 750 Four

Mesmo com toda essa realeza, a Honda CB 750 Four foi subjugada pela Kawasaki Z1, que chegou em 1973. Conhecida como “Kawasaki 900”, essa motocicleta era superior em tudo, na potência, na tecnologia e na dirigibilidade. E no preço: por esse motivo a “Sete-Galo” continuou reinando e a Kawa se tornou um sonho. Nesse dia na Luz havia uma sucessora da Z1, a Kawasaki Z1000, ao lado de uma Galo, atualizada com uma suspensão dianteira de Ninja.

As primeiras Honda CB 750 Four tinham sutis diferenças entre as seguintes, como a lanterna traseira oval
Gabriel Marazzi
As primeiras Honda CB 750 Four tinham sutis diferenças entre as seguintes, como a lanterna traseira oval

E mais um pouco à frente, uma das primeiras Honda CB 750 Four, ainda com a lanterna traseira oval. Nos dois primeiros anos, a Honda CB 750 Four K0 e K1 tinham algumas sutis diferenças em relação às versões que viriam a seguir, como os suportes do farol na cor do tanque e as luzes indicadores do painel dentro dos relógios.

A primeira Yamaha Mini Enduro, a FT-1, tinha o carburador embutido
Gabriel Marazzi
A primeira Yamaha Mini Enduro, a FT-1, tinha o carburador embutido

Circulando pela área, um urso de circo, digo, um senhor passeava com sua pequena Yamaha FT-1 Mini Enduro que, de tão pequena, realmente o fazia parecer um urso pedalando. Outra de minhas tão desejadas motocicletas, a Mini Enduro fez extremo sucesso no mundo todo por ser uma réplica em escala das valentes trail da Yamaha, com motor de 50 cm3 com o carburador embutido na carcaça do motor e câmbio de quatro marchas.

A Mini Enduro mais popular, a Yamaha GT-80, tinha o mesmo motor da nossa Yamaha Carona
Gabriel Marazzi
A Mini Enduro mais popular, a Yamaha GT-80, tinha o mesmo motor da nossa Yamaha Carona

Em 1974 a Mini Enduro evoluiu para a GT 50 e depois GT-80, ficando ainda mais fiel às grandes trail. Se na época eu não tive uma Mini Enduro, porque já tinha uma motocicleta com o dobro do tamanho, hoje tenho uma, restaurada do zero a partir de uma unidade utilizada para o motocross mirim.

Honda CB 900F Bol D’Or e seus dois comandos de válvulas
Gabriel Marazzi
Honda CB 900F Bol D’Or e seus dois comandos de válvulas

A motocicleta seguinte é uma jóia da tecnologia da época: uma Honda CB 900F Bol D’Or. Uma das evoluções da Honda CB 750 Four, a CB 900F Bol D’Or se deu especialmente bem nas pistas, na categoria que precederam a Superbike. Seu melhor atributo, além da beleza esportiva, era o motor de quatro cilindros DOHC, cujos comandos de válvulas se destacavam visualmente resultando em um motor de extrema beleza.

A Suzuki GT 250 tinha motor bicilíndrico dois tempos com sistema Ram Air de refrigeração a ar
Gabriel Marazzi
A Suzuki GT 250 tinha motor bicilíndrico dois tempos com sistema Ram Air de refrigeração a ar

Por fim, outra motocicleta que sempre considerei uma das belas simplicidades do início dos anos 70. É a Suzuki GT 250, bicilíndrica dois tempos cujo motor se destaca pelos cabeçotes planos, devido ao sistema de refrigeração a ar chamado Ram Air System. E na hora de ir embora, notei que, modéstia à parte, a mais bonita motocicleta do dia era exatamente a minha, uma Honda CB 750 Four K2 de 1972. Olhos de pai...

Modéstia à parte, a motocicleta clássica mais bonita naquele domingo era a minha
Gabriel Marazzi
Modéstia à parte, a motocicleta clássica mais bonita naquele domingo era a minha

Bem, meio dia chegando, pátio esvaziando. Rapidamente os automóveis, as motocicletas e seus proprietários vão deixando a Estação da Luz, tomando o caminho de casa. É que domingo é domingo, e ninguém quer perder o macarrão da “mamma”.

Minha bela Honda CB 750 Four K2, de 1972
Gabriel Marazzi
Minha bela Honda CB 750 Four K2, de 1972


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários