Tamanho do texto

A Honda CB 250F Twister foi lançada em 2015 com a difícil missão de substituir uma motocicleta de maior cilindrada

A Honda Twister 2017, com seu novo grafismo branco e laranja, a Twister 2005, no destaque menor, ainda com o farol redondo, e a Twister em seu lançamento, em Manaus
Divulgação
A Honda Twister 2017, com seu novo grafismo branco e laranja, a Twister 2005, no destaque menor, ainda com o farol redondo, e a Twister em seu lançamento, em Manaus

A motocicleta sobre a qual falaremos desta vez traz uma bela história. A Honda Twister, que para 2017 ganhou um novo grafismo para a versão equipada com ABS, conta com alguns trunfos para se destacar em seu atualmente bastante concorrido segmento. Um deles é o próprio nome, imediatamente lembrando o modelo de 15 nos atrás e que ficou marcado na memória como sendo uma ótima motocicleta. O outro é a sua cilindrada, considerada pelos motociclistas de cabeças mais precisas como o número perfeito: 250 cc.

LEIA MAIS:  Avaliamos a Honda CG 160 Titan, o veículo mais vendido do Brasil

 A cilindrada pode ser considerada a “alma” de uma motocicleta, é por meio desse número que ela conquista respeito. E olha que não precisa ser um número muito grande. A Honda CB 250F Twister tem a chamada “cilindrada mágica”, um quarto de litro, o mais eficiente deslocamento volumétrico para um motor monocilíndrico. Um motor de um litro, ou seja, 1.000 cc de cilindrada, pode ser visto com um certo desprezo em um automóvel, mas em uma motocicleta ele beira a perfeição: um motor “mil”, de quatro cilindros, tem como cilindrada unitária o número perfeito: 250 cc .

 Quanto ao nome, a primeira Twister foi lançada por aqui em 2001, com o nome completo de CBX 250 Twister. Ainda com carburador, brincava em cima de sua maior rival, a Yamaha Fazer 250, que se gabava de já ter injeção eletrônica de combustível. Nesse segmento, a Honda Twister reinava quase absoluta. Até que em 2009, não conseguindo mais se enquadrar nos limites de emissões, deu lugar à sua substituta, a Honda CB 300. Foi quando se deu conta que a antecessora era bem melhor. Em 2015, no entanto, novamente a dança das cadeiras trouxe a Twister 250 de volta, desta vez com injeção e sistema bicombustível.

LEIA MAIS:  Honda XRE 190 tem pilotagem bastante suave. Gabriel Marazzi conta detalhes

Acelerando a Twister 2017

 Aproveitando a nova roupagem da Honda Twister 2017, avaliamos a motocicleta no seu cenário mais adequado, as ruas de uma grande metrópole. A cor branca com detalhes laranja é exclusiva da versão com freios ABS, para a versão standard as cores são o preto e o vermelho, ambas com detalhes laterais cinza.

 A fama de motor redondo não abandona a Twister nesta sua nova fase. O monocilindro funciona redondinho e com bastante conforto, apesar de ter menos potência que suas duas antecessoras (tem 22,6 cv, contra 24,0 cv da Twister anterior e 26,5 cv da CB 300).

 Nada mais mudou na nova Twister 2017. Além das cores, a motocicleta continua oferecendo uma condução confortável e precisa, com boa resposta de torque à aceleração e uma posição de pilotagem bastante ergonômica. A Honda CB 250F Twister com freios ABS tem preço sugerido de R$ 15.640.

LEIA MAIS: Honda CG 124 completa 40 anos no Brasil: Carrocel do Progresso

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.