Tamanho do texto

Confira neste vídeo os pontos fortes e fracos da versão de entrada do sedã médio mais vendido do mundo, tabelada em R$ 90.990

Sedã médio mais vendido do mundo e recém-apresentado em sua nova geração, o Toyota Corolla é um veículo que desperta enorme interesse no Brasil, e certamente você está curioso para saber quais são os motivos para odiar a versão de entrada da linha ainda comercializada por aqui, não é? Acredite: há razões muito boas para comprar a configuração GLi, tabelada em R$ 90.990, mas também deslizes incompreensíveis para um modelo desta faixa de preço.

LEIA MAIS: Honda Civic: 5 acertos e 5 erros da versão EXL. Assista ao vídeo

De bônus neste vídeo, eu ainda explico por que Toyota Corolla é igual a iPhone, dois produtos de enorme desejo por parte dos consumidores… é uma pista! Mas vamos aos motivos para odiar o sedã equipado com motor 1.8 flex e câmbio CVT! O primeiro deles é a ausência de farol de neblina, um recurso básico encontrado em carros bem mais baratos que o Corolla, assim como sensor de estacionamento traseiro e câmera de ré. Está anotando para não perder a conta?

Outra ausência bastante sentida na versão GLi é a das luzes de iluminação diurnas. O curioso é que o modelo vem equipado com leds para as luzes de posição, popularmente conhecidas como lanternas. Por que não adotá-las como DRL ou oferecer lâmpadas halógenas mesmo para desempenhar essa função bastante útil nos dias de hoje?

 LEIA MAIS: Chevrolet Cruze LT: o sedã médio de melhor custo-benefício do Brasil

Vidros elétricos com a função um toque são outra carência no Corolla basicão. Essa comodidade só é ofertada para a janela do motorista. Acendimento automático dos faróis, sensor de chuva e até mesmo controlador de velocidade ficaram de fora da lista de componentes do sedã. As demais razões de ódio você verá no vídeo do rival do Honda Civic .

 O que mais agrada no Toyota Corolla GLi

Toyota Corolla GLi anda bem e ainda gasta pouco combustível. Estabilidade e segurança são outros pontos positivos
Divulgação/Toyota
Toyota Corolla GLi anda bem e ainda gasta pouco combustível. Estabilidade e segurança são outros pontos positivos

Na lista mais motivos para amar o Corolla GLi, o desempenho surge como um dos grandes destaques. A versão de entrada é a única da linha Corolla que não dispõe do motor 2.0 flex de até 153 cv, mas quem disse que sofre por causa disso? O propulsor 1.8 bicombustível de 144 cv e 18,6 kgfm de torque garante ao sedã ótimas acelerações e retomadas de velocidade no sedã da marca japonesa.

O câmbio CVT de sete marchas virtuais contribui para o bom arrojo, mesmo não tendo o botão de modo esportivo como nas demais configurações. Essa ausência, entretanto, não atrapalha em nada o ótimo comportamento do carro. Ao contrário, acaba ajudando em outra virtude do Corolla GLi: o baixíssimo consumo de combustível. Em uma semana de avaliação, consegui rodar quase 800 km com um tanque de gasolina, fazendo média combinada (cidade e estrada) de 14 km/l. Com etanol, o computador de bordo registrou 8,2 km/l.

 LEIA MAIS: Citroën C4 Lounge: o que mudou para melhor e pior? Assista ao vídeo

Estabilidade e segurança são outras qualidades do Corolla, que desde a versão de entrada vem equipado com sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um de joelho para o motorista), ESP e controle de tração. A carroceria do sedã é bastante estável e transmite confiança para o condutor acelerar com vontade.

Além dos motivos de amor e ódio, eu ainda destaco neste vídeo algumas ausências perdoáveis no Toyota Corolla GLi, como ar-condicionado digital. Agora chega de leitura e bora conferir o vídeo!

Escreva para coluna De Carona com Leandro no  Youtube ou no Instagram .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.