Tamanho do texto

Especialistas da "Escola de Restauração" respondem às dúvidas técnicas de leitores sobre os mais variados assuntos

Coloquei gasolina no tanque do meu Fusca, que ficar parado por um tempo. Então, fiquei na dúvida se colocava gasolina aditivada ou gasolina comum. Decidi pela aditivada. Ele está há 6 meses na garagem. Preciso dar uma ligada nele e estou preocupado se vai funcionar, se o carburador não está travado e entupido.

LEIA MAIS:  Os  10 carros mais econômicos do Brasil, de acordo com o Inmetro

A “belezinha” é um, 67, azul placa preta e às vezes descuido dele por causa de meus compromissos, mas lembrei que o tanque estava com gasolina aditivada. Liguei a bateria e, quando dei na chave, em alguns segundos ele pegou .

Entretanto, tenho  as seguintes dúvidas : a gasolina aditivada que coloquei no Fusca evita uma dor de cabeça quando estou nesta situação? A gasolina aditivada dura mais que a gasolina comum? Preciso drenar o sistema de combustível quando for deixar o carro parado por muito tempo ou é melhor deixar o tanque cheio e evitar um mal maior? Qual seria a melhor prática?

Resposta do engenheiro mecânico Eduardo Sala Polati

Uso de gasolina aditivada é recomendado, entre outros motivos, pelo maior tempo de duração no tanque dos carros antigos que ficam parados na garagem
Divulgação
Uso de gasolina aditivada é recomendado, entre outros motivos, pelo maior tempo de duração no tanque dos carros antigos que ficam parados na garagem

A primeira coisa que precisamos entender é que a gasolina envelhece com o tempo, e este processo é chamado de oxidação. Este tempo é reduzido quanto mais álcool tiver na mistura de gasolina, pois o álcool disponibiliza oxigênio de sua própria molécula para esta reação.

Este processo é inevitável, mas a presença de um aditivo detergente na gasolina aditivada pode retardar substancialmente o seu envelhecimento. Além disso, esta aditivação protege o motor e o sistema de combustível contra corrosão e formação de depósitos.

LEIA MAIS:  Veja quais são os 5 sedãs mais beberrões do mercado brasileiro

As gasolinas aditivadas de hoje recebem uma concentração generosa de detergentes e que são funcionalmente benéficos ao uso em carros antigos ou de pouco uso. Aditivos de prateleira para gasolina, aqueles que a gente compra e adiciona ao tanque, só serão benéficos quando optamos por abastecer o carro com gasolina comum, sem aditivo.

Assista ao video acima e saiba mais sobre as recomendações do especialista em combustíveis e lubrificantes, o engenheiro Eduardo Polati, Professor de motores da Escola de Restauração de Veículos Antigos.

Cursos Relacionados:

Curso de Restauração & Carburadores na Restauração de Veículos Antigos

Edição Vídeo: Marcus Oktaner - Imprensa: Vito Zanella

Professor Eduardo Sala Polati, engenheiro mecânico, especialista em combustíveis e lubrificantes
Divulgação
Professor Eduardo Sala Polati, engenheiro mecânico, especialista em combustíveis e lubrificantes

Eduardo Sala Polati é Engenheiro Mecânico, Mestre em Energia e Propulsão, especialista em Combustíveis e Lubrificantes. Trabalhou em empresas do grupo Shell no Brasil, Shell Research e Shell Global Solutions na Inglaterra onde coordenou equipe de desenvolvimento de Produtos  e Serviços para a Escuderia Ferrari de Fórmula 1. Apaixonado por carros e por motores, adepto a preservação da história e arte veicular, faz parte do quadro de professores da Escola de Restauração de Veículos Antigos da Associação Clube do Carro Antigo – ACCASC

LEIA MAIS:   Gasolina aditvada vale mesmo a pena? Saiba mais detalhes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.