Tamanho do texto

Clássico chegou a ser carro madrinha do GP Brasil de Fórmula 1 de 1984, no Autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro

Alguns carros conseguem se eternizar no mercado e também no imaginário popular. O Escort XR3 é um deles. Lançado no Brasil na terceira geração se tornou um sonho de consumo instantâneo da molecada, especialmente pelo estilo de rali, realçado pelos spoilers e saias laterais.

LEIA MAIS: Puma GTB Daytona: veja o vídeo do raro esportivo nacional dos anos 80

 A parte externa do Escort XR3 ainda trazia aerofólio, teto-solar, rodas de 14 polegadas e belo desenho e também os quatro faróis auxiliares, que além do longo alcance davam a ele um charme especial. Internamente o acabamento da Ford era um dos pontos altos e também o volante de pequeno diâmetro.

 Já o Pace Car é ainda mais raro. Uma versão que gera curiosidade das pessoas e também é pouco conhecida do grande público. Ela foi criada como caro-madrinha do GP Brasil de F1 de 1984 e trazia, como diferencial, a pintura e adesivos alusivos à série especial.

LEIA MAIS: Ford comemora 35 anos do Escort XR3. Veja galeria der fotos do modelo

O pace car naquela época era cedido por alguma marca do país e caracterizado como tal para exercer a função. A parte mais divertida da brincadeira, porém, não chegou aos consumidores. Para a prova, o modelo recebeu turbocompressor e tinha um desempenho que faria inveja aos concorrentes de época.

Um Pace Car para ser vendido nas lojas

O raro Ford Escort XR3 Pace Car junto com a versão convencional, ambas de meados dos anos 80
Renato Bellote/iG
O raro Ford Escort XR3 Pace Car junto com a versão convencional, ambas de meados dos anos 80


 Já o modelo que chegou às lojas utilizava a mesma base mecânica do XR3, ou seja, o motor CHT, de 1,6 litro, com carburação dupla e 82 cv. Parece pouco, mas na época o desempenho era satisfatório, embora inferior ao do Gol GT e Passat GTS Pointer, seus grandes rivais.

 Dirigir o XR3 e o Pace Car é uma experiência interessante. Os dois têm comportamento dinâmico idêntico mas provocam reações diferentes nas pessoas. Uma das qualidades da versão esportiva é o acerto da suspensão para curvas e também o volante, novamente ele, que proporciona ótima pegada.

LEIA MAIS: Dodge Charger R/T: versão nacional foi um dos ícones dos anos 70

Nas próximas semanas, além das matérias com clássicos nacionais, como o Escort XR3, que fizeram sucesso por aqui, trarei também alguns modelos estrangeiros com estilo e potência que marcaram época no mundo todo. Nos vemos semana que vem! 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.