Tamanho do texto

Volkswagen dá uma aula de como lançar um carro no mercado brasileiro e já apavora a concorrência no segmento de hatches compactos

VW Polo: assim como o carro, o lançamento foi bem acertado e levou ao rápido sucesso do modelo no mercado brasileiro
Renato Maia/Falando de Carros
VW Polo: assim como o carro, o lançamento foi bem acertado e levou ao rápido sucesso do modelo no mercado brasileiro

Sugiro ouvir a música “Regra Três”, de Toquinho, antes de ler esse texto:

“Tantas você fez que ela cansou

Porque você, rapaz,

Abusou da regra três

Onde menos vale mais”.

Agora imagine que a mulher traída da música são os consumidores e que o rapaz que abusou dos erros é a Volkswagen. Pois bem: se a Volks errou no passado – especialmente no lançamento do Up e nos infindáveis remendos no projeto do Gol –, dessa vez ela fez tudo certinho. E como um marido ou namorado que tomou juízo, fez do novo Polo um carro de sucesso em pouquíssimo tempo. O VW Polo terminou janeiro quarto carro mais vendido do país (6.632 licenciamentos) e nos primeiros seis dias de fevereiro já havia ultrapassado o Ford Ka (1.146 vendas contra 1.042). Sem exageros, o Polo é o carro dos sete acertos. A Volks cansou do jogo dos sete erros e virou o tabuleiro da seguinte forma.

LEIA MAIS: Virtus tem escala de preços absurda e não condiz com a realidade dos sedãs

Acerto número 1: plataforma

Ao decidir fabricar um novo carro usando a plataforma modular MQB, a Volkswagen trouxe para sua fábrica da Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), seu mais moderno sistema de produção. Essa plataforma permite maior flexibilidade para os designers e engenheiros, resultando em maior conforto interno, melhores proporções da carroceria e centro de gravidade mais baixo. Também permite a utilização do mesmo powertrain em outros modelos com variação da distância entre-eixos, o que significa economia de custos no Polo .

 Acerto número 2: posicionamento

 O posicionamento do carro foi perfeito. Ao invés de posicioná-lo no segmento de entrada, que já é bastante congestionado, ou no segmento de médios, que está em franca decadência, a Volkswagen decidiu-se por um hatch compacto. Assim, abriu mão de um modelo que já estava há anos no mercado, o Fox, para trazer uma grande novidade mundial no segmento que tem o líder de mercado (Chevrolet Onix) e responde por 30,8% das vendas de carros no país, à frente dos SUVs (23,8%) e dos veículos de entrada (18,5%). O potencial de vendas do carro é de 78 mil a 90 mil unidades/ano.

 Acerto número 3: nome

Houve um período em que a Volkswagen pensou em apostar no Up como carro de entrada e batizar o novo Polo de Gol, aproveitando a força que esse nome ainda tem no mercado. Mas, felizmente para ela, a decisão foi outra: reposicionar o Gol para baixo, deixando-o com sua verdadeira vocação de carro popular, dar o Up um status de carro de nicho (não exatamente barato, mas com predicados que agradam a uma parcela dos consumidores, os mais “descolados”) e relançar o Polo com seu verdadeiro nome, confiando na boa imagem que havia deixado num passado recente. A aposta foi acertadíssima e hoje a Volkswagen não apenas tem boas vendas com o Polo, mas também com o Gol (cerca de 6 mil carros/mês), conseguindo robustos 15% de participação no mercado de veículos leves.

LEIA MAIS: Há dez anos, brasileiro só comprava Gol, Palio, Uno, Fox e Celta

 Acerto número 4: segurança

É verdade que o brasileiro ainda dá pouca importância à segurança quando se trata de comprar um carro. Mas isso está mudando. Talvez de forma um tanto lenta, mas essa mudança é gradual e consistente. O Polo ganhou cinco estrelas nos testes de impacto e deixou em posição difícil tanto o Fiat Argo (que não fez o teste do Latin NCAP, no qual teria no máximo três estrelas) e o líder Chevrolet Onix, que zerou num teste recente e obrigou a GM a reforçar a estrutura do carro em um novo teste, dessa vez com três estrelas. Mesmo assim, as cinco estrelas do novo Polo são quase uma galáxia perto do deserto que é a questão da segurança nos carros brasileiros.

 Acerto número 5: dirigibilidade

O novo Polo representa uma mudança de paradigma nos carros da Volkswagen. Normalmente mais duros na suspensão, para privilegiar a estabilidade, dessa vez os engenheiros da Anchieta modificaram o padrão e deixaram o carro mais mole. Assim, ele ganhou um rodar mais macio. Um acerto muito fino nas suspensões foi feito (e, de novo, a plataforma MQB ajudou) para não deixar o carro rolar muito nas curvas.

Levado ao extremo por motoristas muito ousados, talvez o Polo até assuste um pouco, por sair um pouco de frente nas curvas, mas a grande maioria dos motoristas vai gostar de sua maciez – o mesmo vale para os passageiros. E, por outro lado, mais macio, o carro se torna mais estável em situação de pista molhada, quando não é preciso levar o carro ao limite para sair do trilho.

 Acerto número 6: conteúdo

O Volkswagen Polo tem quatro versões muito bem planejadas. São dois motores 1.0 (um aspirado e um turbo) em três configurações e um motor 1.6 na versão intermediária. Evidentemente, para ser competitivo em preço (e não vamos esquecer que o objetivo número 1 das montadoras é ganhar dinheiro), a versão de entrada é menos equipada. Mas os itens importantes de conforto, segurança, motorização e conectividade estão lá. Já o Polo completo, além de um motor turbinado que combina potência e economia como poucos no Brasil, tem um sistema multimídia bastante completo, suficiente para agradar aos mais exigentes consumidores que gostam mais de conectividade do que de mecânica.

 Acerto número 7: preço

Em outros tempos, o Polo começaria em R$ 60 mil e a versão topo de linha completa estaria beirando os R$ 85 mil. Eram os tempos dos erros, “onde menos vale mais”, como canta o Toquinho. Mas a Volks acertou no preço também. O Polo 1.0 de 75/84 cv (gasolina/etanol) e câmbio manual de cinco marchas custa honestos R$ 49.990. Poderia ser menos, claro, mas não vamos esquecer que mais de 50% desse preço são impostos.

LEIA MAIS: Por que o Compass é o carro mais desejado do Brasil. Saiba detalhes

Já o Polo 1.0 turbo, batizado de 200 TSI por causa do valor do torque em Newton- metros (e para despistar que se trata de um carro 1.0), parte de R$ 65.190 (Comfortline básico) e pode chegar a R$ 75.740 (Highline completo). A potência é de 116/128 cv e o câmbio é automático de seis marchas. Entre eles está o Polo 1.6 MSI, que entrega 110/117 cv de potência, tem câmbio manual de cinco marchas e custa R$ 54.990.

Momentos felizes

Toquinho canta a música Regra Três,  de Vinícios de Moraes, do album
Divulgação
Toquinho canta a música Regra Três, de Vinícios de Moraes, do album "São Demais os Perigos Dessa Vida", de 1972

 Para terminar esse texto, convido vocês e pensarem no passado recente da Volkswagen e nos acertos com o lançamento do Polo, tendo como base o restante da música de Toquinho:

Da primeira vez ela chorou

Mas resolveu ficar.

É que os momentos felizes

Tinham deixado raízes no seu penar.

Depois perdeu a esperança

Porque o perdão também cansa de perdoar.

Tem sempre o dia em que a casa cai,

Pois vai curtir seu deserto, vai.

Mas deixe a lâmpada acesa

Se algum dia a tristeza quiser entrar.

E uma bebida por perto porque

Você pode estar certo que vai chorar.”

--

P S.: gostaria que esse espaço fosse usado pelos leitores para debates sobre o mercado automobilístico, mas sempre aparecem uns haters de internet dizendo que “essa matéria é vendida”, “matéria paga” etc. São acusações ridículas que só atrapalham o debate dos leitores que realmente têm algo relevante a dizer (e que são a grande maioria). Então, aos haters que certamente virão (pois esse texto é claramente elogioso ao Polo, lançamento da Volkswagen), sugiro que leiam as colunas anteriores, especialmente a do Virtus, onde ficará claro que críticas e elogios não dependem de “matéria paga”, mas sim de meu aprendizado e das minhas convicções como jornalista automotivo independente há quase 30 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.