Tamanho do texto

Nas mãos da Caoa Chery, os carros chineses podem repetir o sucesso do Hyundai Tucson

Chery Tiggo 7 será o SUV com capacidade de levar até sete ocupantes feito na fábrica da marca em Anápolis
Divulgação
Chery Tiggo 7 será o SUV com capacidade de levar até sete ocupantes feito na fábrica da marca em Anápolis

O Tiggo é o novo Tucson de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o Doutor Caoa. Dez anos atrás, o Hyundai Tucon estava em franca ascensão no mercado de SUVs, apavorando os concorrentes. De 2006 a 2011 ter um Tucson era um dos grandes desejos dos brasileiros. Os SUVs ainda vendiam muito pouco, mas a Hyundai de Caoa foi uma das primeiras marcas a perceber o fenômeno. Já escrevi sobre as grandes possibilidades que podemos esperar da união das marcas Caoa e Chery em outra coluna, mas agora as coisas começam a se concretizar.

LEIA MAIS: Chery Tiggo 2 automático: a versão que faltava. Confira as primeiras impressões

Já é possível ver vários Tiggo 2 nas ruas. Esse é o primeiro sintoma de um carro de sucesso. No Salão de São Paulo, a Caoa Chery deve apresentar os outros Tiggo que confirmarão que o rei dos SUVs ataca novamente: o Tiggo 4 e o Tiggo 7. Esses dois últimos já estão em franco desenvolvimento na fábrica da Caoa em Anápolis (GO), onde também foi fabricado o velho Hyundai Tucson já em sua fase “decadente”, quando Caoa estendeu seu ciclo de vida por mais alguns anos, apesar de ter na linha a geração mais nova do modelo, batizada de ix35. E, para finalizar, ainda conseguiu a proeza de ter três gerações do mesmo carro no mercado quando chegou o New Tucson.

Versão de sete lugares do Tiggo tem desenho moderno, com vincos pronunciados nas laterais
Divulgação
Versão de sete lugares do Tiggo tem desenho moderno, com vincos pronunciados nas laterais

Caoa sabe vender carros como poucos no Brasil. Por isso, foi beber da fonte da chinesa Chery para transformar uma operação quase fracassada naquela que pode ser uma forte marca de capital nacional, a única brasileira com atuação competitiva. Para se ter uma ideia, o minúsculo Caoa Chery QQ agora é apresentado ao público como “a pequena maravilha”. E o Caoa Chery Tiggo 2 é vendido como “a maior concentração de qualidade e tecnologia por cm 3 ”. Dê um bom carro ao Doutor Caoa e ele o transformará em sucesso. E se não for bom, ele certamente achará atributos para justificar seu marketing agressivo, como é o caso do QQ.

Escalada do Tucson inspira o Tiggo

Chery Tiggo 4 chegará como SUV médio, no mesmo segmento de Jeep Compass e companhia
Divulgação
Chery Tiggo 4 chegará como SUV médio, no mesmo segmento de Jeep Compass e companhia

Para vislumbrar o sucesso comercial que devem ser os Tiggo 2, 4 e 7, antes é preciso conhecer um pouco da história do Hyundai Tucson. Para se ter uma ideia, o mesmíssimo carro, em outra marca, com o nome de Kia Sportage, não fez nem metade do sucesso do Tucson. Em 2004, o Sportage emplacou 178 unidades no Brasil.

Um ano depois, a Kia tinha vendido seis carros a mais, fechando com 184 emplacamentos. O Hyundai Tucson largou com 557 unidades em 2005. Tudo começou a mudar em 2006, quando os SUVs vendiam apenas 77 mil unidades no Brasil e a categoria era dominada pelo Ford EcoSport. O Tucson alcançou o quarto lugar na categoria com 3,6 mil emplacamentos, chegando a 4% de seu nicho.

LEIA MAIS: Chery oferece modelos QQ e Tiggo 2 para PcD. Saiba mais detalhes

Em 2007 o Tucson saltou para 19,6 mil, perdendo apenas para EcoSport e Mitsubishi Pajero. O mercado era de 147 mil carros. Em 2008 o Tucson repetiu os números e passou para o segundo lugar. Em 2009, vendeu 28,8 mil unidades, enquanto o Sportage fechava o ano com apenas 8 mil. Em 2010 ficou na casa dos 28 mil e só em 2011, quando o mercado de SUVs já chamava atenção de várias marcas e vendia 215 mil unidades (7%), o Tucson recuou para 18 mil.

Chery Tiggo 4 também terá linhas modernas. Entre os detalhes estão as lanternas com LEDs no lugar de lâmpadas
Divulgação
Chery Tiggo 4 também terá linhas modernas. Entre os detalhes estão as lanternas com LEDs no lugar de lâmpadas

Ter um Tucson era ter um SUV barato e confiável. Os anúncios da Caoa dominavam as primeiras páginas dos grandes jornais e as revistas semanais de informação geral. O mesmo pode acontecer agora com o Tiggo. Os SUVs hoje já são a segunda categoria mais vendida (24%) e representam 488 mil emplacamentos/ano.

Especialistas da indústria afirmam que os SUVs chegarão a 30%. Não tenho dúvidas de que grande parte desses números serão da família Tiggo.

Tiggo ocupará três nichos do mercado

Tiggo 2 já está à venda no Brasil, tanto com câmbio manual quanto com automático, do tipo CVT
Divulgação
Tiggo 2 já está à venda no Brasil, tanto com câmbio manual quanto com automático, do tipo CVT

Já foi o tempo em que comprar um carro chinês era colocar a vida em risco. Da mesma forma, a indústria chinesa também superou a fase dos carros que tinham mau cheiro por dentro, uma dirigibilidade tosca e uma ergonomia que maltratava o corpo. O primeiro carro chinês a mostrar essa evolução foi o JAC T40. Nas mãos de outro especialista na venda de carros, Sergio Habib, o T40 vem recuperando a marca. Se antes os carros chineses eram sinônimo de carro ruim porém muito bem equipado (e isso foi suficiente para seduzir muitos consumidores), hoje os carros são competitivos.

LEIA MAIS: JAC T40 CVT: SUV atrai pelo preço, mas ainda precisa evoluir

A vantagem da família Tiggo é ser feita no Brasil por um homem que tem incrível sensibilidade para entender as preferências e as necessidades do consumidor. Por isso, os três SUVs da Caoa Chery podem proporcionar ao consumidor um acesso mais fácil a esse tipo de carro. O Tiggo 2 – fabricado em Jacareí junto com o QQ e o sedã Arrizzo 5 – concorre na faixa de entrada com motor 1.5 flex de 110/115 cv. Seu principal concorrente é o Renault Duster e aventureiros como o Sandero Stepway, da própria Renault, e o Chevrolet Onix Activ, além do JAC T40.

Chery Tiggo 2 é o modelo compacto da linha. Entre os principais rivais, podemos apontar o Renault Duster
Cauê Lira/iG Carros
Chery Tiggo 2 é o modelo compacto da linha. Entre os principais rivais, podemos apontar o Renault Duster

O Tiggo 4 vem numa faixa intermediária, usando motor 1.5 turbo com mais de 150 cv e porte para brigar com os SUVs compactos do setor, como o Ford EcoSport, Jeep Renegade e Hyundai Creta, entre outros. Já o Tiggo 7, que é baseado no TX Concept, apresentado no último Salão de Pequim, poderá usar o mesmo motor 1.5, mas com porte maior e acabamento superior, para brigar contra Jeep Compass e Cia bela.

Os dois também podem utilizar um motor 2.0 aspirado de 128 cv. Os detalhes desses dois carros da linha Tiggo ainda não foram revelados, mas no Salão de São Paulo, em novembro, o público brasileiro poderá conhecê-los. A concorrência também está curiosa, pois sabe que o rei dos SUVs está de volta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.