Tamanho do texto

Versões de ambos os carros são pensadas para oferecer o melhor custo-benefício, mas ambos são oferecidos apenas com câmbio manual

Chery QQ e Tiggo 2 são os próximos a apostarem num dos mercados mais fervorosos, que é o de PcDs
Divulgação
Chery QQ e Tiggo 2 são os próximos a apostarem num dos mercados mais fervorosos, que é o de PcDs

A CAOA Chery acaba de disponibilizar versões especiais dos modelos Chery QQ e Tiggo 2 destinadas ao público PcD. Enquanto o QQ sai a partir de R$ 23.411 - na versão de entrada Smile, que vem de fábrica com rádio AM/FM com entrada USB, computador de bordo, abertura automática do porta-malas, vidros elétricos das portas dianteiras e ajuste elétrico da altura do farol - o Tiggo 2, sempre equipado com motor 1.5, tem preço a partir de R$ 43.567. Vale lembrar que, para os dois modelos, é preciso realizar uma adaptação para PcDs em oficinas especializadas,uma vez que ambos são vendidos apenas com câmbio manual.

LEIA MAIS: Chery Tiggo 2 automático era a versão que faltava. Veja as primeiras impressões

O Tiggo 2 é a maior expectativa da marca, superando até o Chery QQ,  mais pelo apelo e oferta de equipamentos
Divulgação
O Tiggo 2 é a maior expectativa da marca, superando até o Chery QQ, mais pelo apelo e oferta de equipamentos

No SUV, os principais itens de série que acompanham a versão para PcD s são: ar-condicionado, rodas de liga leve com aro de 16 polegadas, luzes de rodagem diurna, Isofix, sensor de estacionamento traseiro, computador de bordo, direção hidráulica, vidros e travas elétricas nas quatro portas, e espelhos laterais com ajuste elétrico. Além disso, tal como o Chery QQ , o Tiggo 2 só chega em cores sólidas. A oferta para este tipo de público inclui isenções legais de IPI e ICMS.

LEIA MAIS: JAC T40 CVT: O SUV atrai pelo preço, mas ainda precisa evoluir o projeto

Chery QQ: exemplo de economia

Chery QQ luta no segmento em que racionalidade é tudo, mas falta a força da marca e um projeto mais cativante
Divulgação
Chery QQ luta no segmento em que racionalidade é tudo, mas falta a força da marca e um projeto mais cativante

O Chery Tiggo 2 até pode ser a opção mais completa, mas não supera o subcompacto em consumo. No caso, de acordo com os números fornecidos pelo Inmetro, o carro faz 10,9 km/l na cidade e 12,3 km/l na estrada (gasolina) e 7,7 km/l e 8,6 km/l, respectivamente, no etanol. Já o QQ desenvolve 12,3 km/l na cidade e 13,8 km/l na estrada, com apenas gasolina no tanque, o que confere nota (AA), a mais alta do selo Compet. No conjunto mecânico, o carro tem motor 1.0, de três cilindros, que rende 69 cv e funciona sempre com câmbio manual, de cinco marchas.

LEIA MAIS: Andamos no pequeno Chery QQ, o carro mais em conta à venda no Brasil

A fabricante quer ter 30 novas lojas até dezembro, além das 25 atualmente. Em relação ao Chery Tiggo 2, a expectativa de vendas é de 8 mil unidades até o fim do ano. Com isso, o Grupo Caoa projeta uma participação de 0,6% no mercado brasileiro até o fim do ano, patamar que deverá subir para 1,5% em 2019 e atingir 2% em 2020.

LEIA MAIS: Os 10 carros mais em conta do Brasil com motores acima de 1.0

O subcompacto da marca chinesa produzido em Jacareí (SP) viu apenas 2.199 unidades saírem das concessionárias até o fechamento de agosto, ficando atrás de Up!, Uno, Etios, Mobi e companhia. Entre os motivos para que o Tiggo 2 tenha mais expectativas de venda que o Chery QQ , estão a ascensão dos SUVs (com estimativa de compor 28% do mercado brasileiro até o fim do ano) e fatores relacionados ao apelo do projeto ante o público.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.