Tamanho do texto

Cupê chega ao Brasil capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,6 segundos e atingir 318 km/h, de acordo com a fabricante

Mercedes-AMG GT R rasga a reta com o ronco grave do V8 biturbo, de 585 cv ecoando pelas paredes ao redor
Mercedes-AMG GT R
Mercedes-AMG GT R rasga a reta com o ronco grave do V8 biturbo, de 585 cv ecoando pelas paredes ao redor

Então ele apareceu cortando uma nuvem de poeira entre uma série de outros esportivos da  estacionados nos boxes. A cor fosca da carroceria contrastava com a grade frontal cromada naquele dia ensolarado no Autódromo Vello Cittá, em Mogi Guaçu (SP). Estava na hora de domar a fera, conhecida por alguns apelidos. “Diabo Verde” tem sido o mais usado. Agora, só mesmo acelerando para ver se o nada discreto Mercedes-AMG GT R é mesmo endiabrado. 

LEIA MAIS: Mercedes lança C43 como porta de entrada para os esportivos AMG

Já de balaclava e capacete, assumo o volante de três raios, de base achatada, revestido de microfibra, material semelhante ao usado nos carros de Fórmula 1.  Na minha frente, vejo o velocímetro com marcação até 360 km/h e o contagiros que vai até 8.000 rpm, com grafismo amarelo e ponteiros vermelhos. Além disso, só deu tempo de notar o largo console central ao lado antes pisar fundo e contornar a primeira curva à esquerda com o Mercedes-AMG GT R

Uma pisada mais forte no pedal da direita acorda o V8 biturbo (pressão de 1,35 bar) , de 585 cv e brutais 71,9 kgfm de torque a partir de meros 1.900 rpm. Pelo tranco das costas no encosto do banco do tipo concha (parecido com os dos carros de corrida), o GT R já deu sinais que não é de brincadeira e que sob aquele enorme capô lá na frente existe muita força para o baixo peso (1.630 kg). De fato, são apenas 2,81 kg para cada cavalo vapor, o que explica a agilidade do carro em acelerar, frear e fazer curvas. 

O ronco empolgante do V8 vem do sistema de escape com ponta de titânio e que vem com válvulas para fazer a voz grossa do GT R ecoar pelas paredes ao redor. E por causa de aceleração lateral do carro, indo de um lado para o outro, num ritmo alucinante, a lubrificação do motor é por cárter seco, o que também ajuda a baixar o centro de gravidade. Some a isso uma distribuição de peso de 47% no eixo dianteiro e 53% no traseiro e rodas de aro 19 montadas em grudentos pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 na frete e de 20 polegadas atrás e já no início da segunda volta você vai começar a sentir por que os pilotos precisam tanto de um bom condicionamento físico.

 O veneno do "Diabo Verde"

Lanternas de LED e aerofólio traseiro que ajuda a criar pressão aerodinâmica na traseira estão entre os destaques
Mercedes-AMG GT R
Lanternas de LED e aerofólio traseiro que ajuda a criar pressão aerodinâmica na traseira estão entre os destaques

A respiração começa a ficar ofegante e a adrenalina passa a circular. São efeitos do veneno do “Diabo Verde” em ação. Também impressiona a rapidez com que o câmbio de dupla embreagem e sete marchas 7 DCT faz as trocas com ajuda das hastes de fibra de carbono atrás do volante. A caixa é montada atrás do eixo dianteiro para também ajudar no equilíbro de peso e contribuir com a dinâmica do GT R, cujo eixo cardã de 1,3 metro pesa apenas 4 kg. Quer mais? A receita para tanta disposicão continua com a suspensão que tem amortecedores controlados eletronicamente a ajustáveis em três posições.

LEIA MAIS:  Mercedes-Benz mostra detalhes do AMG GT Roadster.  Saiba mais

Interior é inspirado nos carros de corrida, mas com  boa dose de conforto e sofisticação
Mercedes-AMG GT R
Interior é inspirado nos carros de corrida, mas com boa dose de conforto e sofisticação

E como se não bastasse tudo isso, o GT R ainda reserva outros recursos para justificar a fama de rei do famoso circuito alemão de Nurburgring, entre os carros de tração traseira, com o tempo de 7 minutos, 10 segundos e 9 décimos. De acordo com a velocidade, um defletor de ar se move debaixo do carro de fundo plano. Com isso, cria-se uma pressão aerodinâmica negativa, também coenhecida como “efeito solo”, que empurra o carro contra o chão com uma pressão que pode chegar a 40 kg a 250 km/h, conforme a fabricante.

Tem mais: As rodas traseiras também são direcionais. Acima de 100 km/h, giram na mesma direção (até 1,5 grau) que as dianteiras e no sentido oposto abaixo dessa velocidade graças a um sistema semelhante ao do rival Porsche 911. E para arrematar, o controle eletrônico de tração atua em 9 estágios. Assim, fica muito fácil se empolgar em uma boa pista fechada. No final da reta principal antes de chegar nos cones estratégicamente colocados para esfriar os ânimos, o GT R beirou os 200 km/h e logo freou com bom equilíbrio para algo em torno de metade disso para fazer a curva que se aproximava rapidamente. No limite, o carro pode acelerar de 0 a 100 km/h em míseros 3,65 segundos e atingir 318 km/h.

LEIA MAIS:  Mercedes GLA 200 é mais hatch esportivo do que jipinho de luxo

Quando a adrenalina baixar, o Mercedes-AMG GT R pode vir com um poderoso sistema de som Burmester, de 1.000 watts de potência e 11 alto-falantes entre os opcionais. Há também freios a disco de fibra de cerâmica e cores especiais, estrutura metálica extra no interior, cintos de segurança de quatro pontos, entre outros itens pagos à parte. Com o pacote básico, o superespotivo chega ao Brasil pelo preço sugerido de R$ 1.190.900. Alguém se habilita? 

Ficha técnica

Preço:  a partir de R$ 1.199.900

Motor: 4.0, V8, biturbo, gasolina

Potência: 585 cv a 6.250 rpm

Torque: 71,4 kgfm a  1.900 rpm

Transmissão:  Automatizado, sete marchas, tração traseira

Suspensão:Independente (dianteira e traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e na traseira

Pneus: 275/30 ZR19 na frente e 325/30ZR 20 na traseira

Dimensões: 4,55 m (comprimento) / 2,00 m (largura) / 1,28 m (altura), 2,63 m (entre-eixos)

Tanque : 65 litros

Porta-malas: 350 litros 

 Consumo: 7 km/l (cidade) /8,5 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 3,6 segundos 

Vel. Max: 318 km/h


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.