Tamanho do texto

Ao pilotar uma Ducati, Carlin Dune não resiste aos ferimentos. Saiba mais detalhes sobre a tragédia no evento nos Estados Unidos

Ducati de Carlin Dune
Divulgação
Carlin Dune pilota Ducati em Pikes Peak, antes de sofrer o acidente fatal na tradicional e perigosa prova

Apesar do sucesso da Yamaha no Pikes Peak International Hill Climb, a prova ficou marcada pelo acidente fatal de Carlin Dunne. O piloto da Ducati Spider Grips morreu aos 36 anos após cair de sua motocicleta nos últimos metros do desafio. Os que tiveram contato com o ocorrido afirmam que o piloto perdeu o eixo dianteiro após passar por um buraco. Rafael Paschoalin, o brasileiro que venceu a prova pela Yamaha, lamentou a morte do piloto americano em seu Instagram.

LEIA MAIS: Segredo! Nova Ducati que vai concorrer com a Honda CB 1000R já está em testes

Dunne, que em 2012 tornou-se o primeiro piloto de motos a completar o desafio em menos de 10 minutos, pilotava a grande expectativa da prova: o protótipo da Ducati Streetfighter V4, que estava prestes a estabelecer um novo recorde e conquistar seu quarto título na tradicional corrida contra o relógio. Em entrevista dias antes da corrida em Pikes Peak , Dunne revelou que o percurso estava perigoso na parte superior, devido à grande quantidade de sujeira na pista, e que a organização iria tentar limpar para o dia da corrida.

Dunne desenvolvia a nova Ducati

Ducati Steetfighter
Divulgação
Ducati Streetfighter V4 ainda em fase de protótipo antes de ser lançada, apenas no ano que vem

O finado piloto era o grande responsável pelas impressões da Ducati Streetfighter V4 , que já está confirmada para 2020. Em fase de testes durante a corrida e antes dela, Dunne colhia o necessário para que os engenheiros aprimorassem o projeto. Quem acompanhou a prova observou o potencial decorrente da decisão de equipar a nova naked esportiva com a mecânica da superesportiva Panigale V4 S, que quando chegar, muito provavelmente substituirá a Monster 1200 .

O que se percebe é que, além do motor de 1.103 cc de cerca de 185 cv e 12,4 kgfm, a moto mantém o desenho do farol dianteiro da “irmã” carenada. E entre os itens estruturais que garantem tanta performance, destacam-se os novos garfos de alumínio da FG Racing, amortecedores esportivos da Öhlins e as rodas personalizadas da Jonich SX, que calçam pneus pensados para otimizar a aderência.

LEIA MAIS: Ducati Panigale V4 R, a moto mais cara do Brasil, acaba de chegar para encomenda

Já o tanque da moto pilotada em Pikes Peak e a armação foram recobertos com uma camada de cobre texturizada, que harmonizam com uma sela de couro da Foglizzo, que carrega o logotipo da V4 Penta. Por fim, completam o “pacote” de novidades tampa de combustível, alavancas e apoios de pés da Rizoma. As luzes são de uma Ducati Diavel, enquanto o painel é um modelo padrão, mas em uma montagem 3D especial.