Tamanho do texto

Com desenvolvimento originado nas competições, agora rende mais potência, traz eletrônica recalibrada, mais segurança e nova pintura

Kawasaki Ninja arrow-options
Divulgação
Kawasaki Ninja ZX-10R SE: A última palavra da fabricante em desempenho para circuitos fechados

A Kawasaki Ninja ZX-10R SE 2020 acaba de ser lançada. Chega em setembro às concessionárias por R$ 95.990 trazendo os desenvolvimentos de ponta mais recentes que a marca desenvolveu para o Campeonato Mundial de SuperBike. Entre os quais, motor mais forte, mais recursos de auxílio de pilotagem, eletrônica refinada e acertos finos no quadro e nos componentes ciclísticos.

LEIA MAIS: Honda CBR 1000RR Fireblade ganha mais desempenho com nova atualização

Com ganho de 3 cv, o motor da Kawasaki Ninja ZX-10R SE agora desenvolve 213 cv e 11,7 kgfm, entregues desde rotações mais baixas, segundo a fabricante. O principal fator que contribuiu para a melhora no rendimento foi uma mudança no sistema de ação das válvulas, projetado pelos engenheiros da Kawasaki Racing Team, que também promete uma maior confiabilidade.

Outro destaque é o controle eletrônico de suspensão KECS (Kawasaki Electronic Control Suspension), desenvolvido recentemente pela marca, e que traz sensores e solenóides integrados às unidades de suspensão, garantindo que o sistema atue de maneira mais discreta. Além desse componente, a moto esportiva conta com quick-shifter bidirecional, controle de tração, controle de largada, freios ABS, suspensão eletrônica, pintura de alta durabilidade e rodas Marchesini forjadas.

Eletrônica

Kawasaki Ninja arrow-options
Divulgação
Esportiva traz a eletrônica mais sofisticada dentro da marca, com o objetivo de ajudar no controle

O piloto pode escolher entre três modos de atuação: Road, Track e Manual. Os modos Road e Track proporcionam configurações respectivamente mais "suaves" ou mais "firmes" para atender a trajetos de rua ou circuito. O modo Manual permite ajuste das configurações de compressão e retorno de amortecimento de acordo com a preferência ou estilo de pilotagem. As configurações manuais (15 níveis cada) são selecionadas eletronicamente através do painel de instrumentos.

LEIA MAIS: Conheça as 5 motos novas mais divertidas entre R$ 40 mil e R$ 50 mil

O painel de instrumentos da Ninja ZX-10R SE possui conta-giros de gráfico de barras iluminados por LEDs. O conta-giros também funciona como indicador de mudança de marchas: os LEDs piscam quando a rotação ajustada é atingida. O piloto pode ajustar esta rotação de acordo com a preferência.

Outras funções incluem indicador de posição de marcha, hodômetro, consumo de combustível médio, consumo instantâneo de combustível, 3 modos de potência, indicador de reserva, indicador de pilotagem econômica, temperatura do líquido de arrefecimento/temperatura do ar de admissão e luzes espia.

Migrando para a suspensão, o garfo dianteiro foi desenvolvido em conjunto com a Showa no Campeonato Mundial de Superbike. Trata-se de um Showa Balance Free de 43 mm na dianteira, com suspensão traseira horizontal Back-link , também com amortecedor, pensado para contribuir com o conforto na pilotagem e estabilidade de frenagem. Ambas possuem ajustes dos amortecimentos de compressão, retorno e pré-carga de mola.

LEIA MAIS: Triumph revela a Daytona Moto2 765 com itens vindos das pistas

Os freios, por sua vez, são Brembo com dois discos semiflutuantes de 330 mm e 5,0 mm de espessura, similar ao da Ninja H2R. São acompanhados de pinças duplas de alumínio fundido, com quatro pistões de 30 mm. Atrás, a Kawasaki Ninja traz disco de 220 mm com pinça simples.