MV Agusta, moto, motocicleta
Divulgação
MV Agusta: novas versões de baixa cilindrada não deixarão o estilo arrojado das mais potentes da marca

A MV Agusta — querida pelos entusiastas por suas motos esportivas artesanais — confirma a produção de sua novidade de baixa cilindrada para a Ásia. A partir do primeiro modelo anunciado, com motor bicilíndrico de 350 cc, é provável, ainda, que outros com até 500 cc cheguem na sequência, a partir de uma parceria da marca italiana com a chinesa Loncin. Assim como a nova Harley-Davidson de baixa cilindrada, ela é perfeita para mercados emergentes como o Brasil.

LEIA MAIS: MV Agusta revela a Brutale 1000 Serie Oro, a naked mais potente do mundo

A previsão de lançamento será entre 2020 e 2021, e se vier ao Brasil, será a opção “premium” ante as rivais Yamaha MT-03 (R$ 22.290), Kawasaki Z400 (R$ 23.290) e a KTM 390 Duke (R$ 24.990). O CEO da MV Agusta , Timur Sardarov, afirmou que vai custar entre € 6.000 to € 7.000 na Europa, o equivalente a uma faixa de preços entre R$ 27.900 e R$ 32.600 em conversão direta, com a meta de vender 25 mil motos por ano daqui a cinco anos.

LEIA MAIS: Conheça detalhes de 5 motos esportivas seminovas de até R$ 15 mil

Ainda não há especificações divulgadas, mas espera-se que terá mais de 40 cv e 3,5 kgfm, podendo chegar a rotações em torno dos 11 mil rpm. Nessa lógica, o desempenho deverá ficar na casa dos 6 segundos e a velocidade máxima próximo dos 200 km/h. Ao que o visual dá a entender, será uma das nakeds esportivas com a posição dirigir mais próximas às carenadas.

MW Agusta
Divulgação
Detalhe no farol chama atenção no modelo esportivo que mostra estilo arrojado



LEIA MAIS: Chegou a nova trail Royal Enfield Himalayan

Além disso, rumores a partir dos depoimentos do CEO da MV Agusta apontam que novas trail também podem vir a surgir, a partir da nova meta das 25 mil unidades e do desenvolvimento do novo motor bicilíndrico. Tal como os SUVs para os automóveis, trata-se de um segmento de grande tendência no mundo, e é por isso que marcas como a Harley-Davidson, a Royal Enfield e até as marcas de volume aderiram à causa.

    Veja Também

      Mostrar mais