Tamanho do texto

Esportiva retrô ficará mais acessível, misturando visual da Suzuki Katana de maior cilindrada com a mecânica da naked urbana GSX-S125

Suzuki Katana arrow-options
Divulgação
Repare no visual do Suzuki Katana. Remonta o modelo clássico, mas adiciona modernidade

Um ícone dos anos 80, a Suzuki Katana retornou em outubro de 2018, com tecnologias modernas. Então, eis que, agora, o motor de 125 cc da GSX-S125 está em vias de ser equipado no modelo, em uma nova versão mais em conta. Se a naked esportiva com o motor maior (de 999 cc) foi anunciada para vir ao Brasil — após suas patentes de projeto, design e componentes terem sido publicadas na revista do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) no primeiro trimestre do ano passado — será que também teremos a sua versão mais em conta?

LEIA MAIS: Novo Suzuki Burgan Street 150 deve ser mostrado em fevereiro

Segundo o que foi divulgado pela fabricante japonesa para o Japão (primeiro mercado em que será comercializada), ainda deverá demorar um pouco até que o desenvolvimento da Suzuki Katana de baixa cilindrada seja concluído. Entretanto, os executivos têm os mercados emergentes como o próximo foco, o que pode incluir o Brasil. Uma vez no País, deverá concorrer com a Yamaha Fazer 150 (R$ 11.190) e até com a CG 160 Titan (R$ 11.060), mesmo que sua proposta ainda seja calcada em uma moto esportiva .

A única incerteza sobre a sua chegada paira sobre o domínio da Suzuki motos no Brasil.
Desde que o Grupo J. Toledo — responsável por trazer a Suzuki ao Brasil — assumiu as operações da chinesa Haojue em 2016 — marca de baixo custo da Suzuki, que utiliza componentes mecânicos em suas motos — apenas modelos maiores e mais caros restaram no lineup da fabricante japonesa. Logo, será que abrirão uma exceção para a novidade? Ela certamente assumiria um papel importante no montante de vendas da marca no Brasil.

LEIA MAIS: MV Agusta confirma esportiva mais acessível para 2020 ou 2021

Mais a fundo sobre a Suzuki Katana

Suzuki arrow-options
Divulgação
Suzuki Katana de baixa cilindrada usará o conjunto mecânico da Suzuki GSX-S125 (Foto)

Apesar do motor ter 125 cc, desenvolve uma potência similar aos 150 cc e aos 160 cc das motos urbanas do mercado brasileiro. São 14,5 cv da Suzuki, ante 15,1 cv da Honda CG 160 e 12,4 cv da Yamaha Fazer 150, por exemplo. Além disso, seu projeto deverá se desenvolver a partir de um híbrido entre a Katana de maior cilindrada e a Suzuki GSX-S125 . Logo, deverá ter câmbio de seis marchas, suspensão telescópica na frente e do tipo link atrás, bem como pesar cerca de 133 kg.

Katana arrow-options
Divulgação
Onde tudo começou para a Suzuki Katana. Nos anos 80, era referência em estilo, esportividade e exclusividade

No âmbito visual, farol quadrado em destaque, com luzes de LED e a traseira curta, com lanterna de três pontas. Essencialmente, as suas linhas segue o padrão dos anos 80, mas conforme a releitura moderna, terá vincos profundos e linhas que sobem no tanque e na carenagem.

Enquanto isso, a sua “irmã” com motor maior é equipada com motor de quatro cilindros e 999 cc emprestado da GSX-R1000 K5, que entrega bons 150 cv e passa dos 10.000 rpm. Para transferir essa força ao solo, a nova Katana dispõe de controle de tração e embreagem deslizante.

LEIA MAIS: Piaggio planeja criar modelos com 250 e 300 cc de cilindrada junto da Aprilia

O seu peso de apenas 215 kg é garantido pelos seus componentes leves e o seu pequeno tanque, de apenas 12 litros. Como as esportivas, a Suzuki Katana tem freios Brembo com ABS, que traz disco de 310 mm na frente e 250 mm atrás, além de bengalas invertidas com regulagem na suspensão dianteira e amortecedor regulável simples atrás.