Honda Riding Assist-e pode ser considerado o protótipo que vai servir de base para a primeira moto autônoma
Divulgação
Honda Riding Assist-e pode ser considerado o protótipo que vai servir de base para a primeira moto autônoma

Com base na experiência com as motos-conceito Riding Assist e Riding Assist-e - que se auto equiliibram mesmo quando estão parada e sozinhas - reveladas em 2017, a Honda desenvolve tecnologia para o uso na estrada.


O recurso dessa tecnologia da Honda , que ainda permite rodar em baixas velocidades sem o piloto, graças a uma série de sensores e autodireção, aceleração automática e frenagem, está longe de colocá-la hoje no mercado como uma moto autônoma. Porém, é um passo à frente, de todo o jeito.

Agora, a patente mais recente sugere que o objetivo não é ter uma moto que assuma o controle total, mas uma que possa tirar um elemento de controle do piloto para dar uma pausa ou evitar um acidente.

O radar montado em motocicletas já é uma realidade e a Yamaha já está testando um sistema de assistência de direção em motos de motocross de fábrica no campeonato All-Japan, mas a nova patente da Honda é um grande passo à frente.

O sistema combina câmeras, radar e LIDAR (Light Detection And Ranging, usando lasers para criar um mapa virtual 3D dos arredores da moto), com uma série de controles automáticos , incluindo acelerador, freios e direção, todos supervisionados por módulos de computador.

Além disso, há os sensores usuais de velocidade, aceleração e frenagem, além de GPS e um 'dispositivo de comunicação' integrado – basicamente um celular com conectividade celular, Wi-Fi e Bluetooth – além de um sistema de curto alcance para 'falar' com veículos próximos.

O sistema de direção usa a mesma configuração de sensor de torque 'magnetostritivo' em que se baseia o protótipo de assistência de direção da Yamaha , monitorando as entradas do piloto e fornecendo ajuda quando necessário.

Há também uma câmera voltada para o piloto e sensores de pressão no assento, manoplas e pedais para avaliar a distribuição de peso e a postura do piloto. Ele também pode monitorar a posição das garupas para contabilizar sua influência na bicicleta.

A tecnologia é igual ao de carros e conta com controle de cruzeiro adaptativo (ACC), assistência de manutenção de faixa (LKAS), mudança automática de faixa (ALC) e ‘passagem de carro em baixa velocidade’ (LSP) para ultrapassar automaticamente veículos lentos.

Cedo ou tarde, essa é uma tecnologia devolvida pela Honda vai ajudar muito os motociclístas e está bem perto de ter uma verdadeira capacidade de pilotagem autônoma, reduzindo dessa maneira, o número de acidentes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários