Tamanho do texto

Entre Fiat Argo e VW Polo, marcas investem na volta do hatch premium. Confira cinco opções de modelos que chegarão ao Brasil até 2018

Há poucos anos, quando o mercado nacional estava bem, vimos algumas fabricantes apostarem em compactos mais caros e equipados. A ideia é que, quem tinha um pouco mais de dinheiro para gastar, poderia comprar um hatch premium ao invés da versão topo de linha de um modelo mais simples. Vimos modelos como Chevrolet Sonic, Peugeot 208 e Ford Fiesta liderar a iniciativa. Alguns desapareceram e outros perderam relevância com o passar do tempo, porém estão para retornar com força total.

LEIA MAIS: Fiat revela a primeira imagem oficial do Argo. Saiba mais detalhes

Temos cinco carros que usarão a alcunha de hatch premium quando chegarem às concessionárias. Um deles que já está nas lojas é o Ford Fiesta, a alternativa mais completa ao Ka. A partir do início de junho o Fiat Argo começará a ser vendido como um dos competidores mais fortes competidores do segmento, enquanto a versão renovada do Fiesta ficará para apenas para 2018, pela necessidade de mais investimentos, além do Toyota Yaris, que deverá ser feito na Argentina. Vamos falar das novidades em ordem de lançamento:

Fiat Argo

O primeiro hatch premium da lista é o Fiat Argo. Irá aposentar Punto, Bravo e as versões mais caras do Palio
Divulgação/Fiat-Chrysler Automóveis
O primeiro hatch premium da lista é o Fiat Argo. Irá aposentar Punto, Bravo e as versões mais caras do Palio

O lançamento do Argo está marcado para o dia 31 de maio. Já falamos bastante a respeito do novo hatch da Fiat, mas não custa recordar. Será posicionado acima do Palio, naturalmente canibalizando as versões mais caras do compacto, além de substituir de vez o Punto. É o produto que dará nova vida à marca italiana, apoiado em um design de origem europeia, mais espaço que os concorrentes e uma boa lista de equipamentos.

Preços ainda não foram revelados, mas espere por valores começando nos R$ 60 mil. Terá versões com motor 1.0, de 77 cv e 10,9 kgfm; 1.3 de 101 cv e 14,2 kgfm; e 1.8 de 139 cv e 19,3 kgfm. Serão três opções de câmbio: manual de cinco marchas, automatizado de cinco marchas (para o 1.3) e automático de seis marchas (exclusivo do 1.8).

Volkswagen Polo

Novo VW Polo aparece sem disfarce nas ruas da Alemanha, antes do lançamento na Europa, no mês que vem
Reprodução/AutoBild
Novo VW Polo aparece sem disfarce nas ruas da Alemanha, antes do lançamento na Europa, no mês que vem

Antes cogitado para substituir o Gol no Brasil, a nova geração do Polo será vendida pela Volkswagen como um hatch premium, posicionado logo abaixo do Golf.  Deverá começar a ser produzido a partir do início do 2º semestre, provavelmente em São Bernardo do Campo (SP). A apresentação global já foi confirmada para junho. Não deve demorar para chegar por aqui pois há outro produto para o final do ano, o sedã derivado Virtus.

Fabricado sobre a plataforma MQB-A0, sua aposta será a conhecida dinâmica das outras gerações do Polo. Na Europa, terá vários motores, desde o 1.0 aspirado, usado também no Up!, passando pelo turbinados 1.0, 1.5 e 2.0. A versão nacional deve deixar o 1.5 de lado, por ser bem mais moderno, trocando-o pelo 1.4 TSI do Golf, usando o 1.0 TSI do Up! como a versão de entrada.

LEIA MAIS:  Novo VW Polo aparece sem nenhum disfarce na Alemanha, antes da estreia

Ford Fiesta

Essa será a nova cara do Ford Fiesta no Brasil. Teremos um facelift para deixar parecido com a nova geração, além de um nova motorização e design do interior
Divulgação/Ford
Essa será a nova cara do Ford Fiesta no Brasil. Teremos um facelift para deixar parecido com a nova geração, além de um nova motorização e design do interior

A nova geração do Fiesta já começou a ser produzida na Europa. Apresentado em novembro de 2016, o hatch premium da Ford foi descartado para o Brasil quase que imediatamente pela fabricante, com o argumento de que a crise que ainda afeta o setor automotivo impede que invista em uma produção nacional. Vendia bem, até que o Ka começou a pegar boa parte de seus clientes e hoje emplaca um pouco mais de mil unidades.

Já que a nova geração não vem, a Ford do Brasil fará apenas uma reestilização do modelo produzido por aqui. Flagras mostram o compacto em testes, adotando o mesmo estilo de design do Fiesta europeu. Além disso, deve mexer também no interior, para que seja capaz de receber o sistema multimídia Sync 3, com tela sensível ao toque, posicionada da mesma forma que no novo EcoSport – ou seja, pulando para fora do painel. O motor 1.6 Sigma sairá de linha, substituído pelo novo 1.5 Dragon, de três cilindros, capaz de gerar 137 cv e 16,2 kgfm de torque. Também deve perder o polêmico câmbio automatizado PowerShift, adotando um automático de seis marchas.

Nissan March

A nova geração do Nissan March é muito diferente do modelo nacional, tornando-se maior e muito mais equipada
Divulgação
A nova geração do Nissan March é muito diferente do modelo nacional, tornando-se maior e muito mais equipada

Revelado na Europa em outubro de 2016, durante o Salão de Paris (França), o novo Nissan March chamou a atenção por seu design mais arrojado, além de ficar consideravelmente maior do que o atual – são 7,5 cm a mais de entre-eixos e mais 17,4 cm de comprimento. Foi desenvolvido justamente para se aproximar do Ford Fiesta no Velho Continente, tanto em tamanho quanto em posicionamento.

Fontes ligadas à Nissan revelam que sua base é uma evolução da V-Platform, já utilizada no March, Versa e Kicks produzidos no Brasil, demandando apenas alguns ajustes para conseguir fabricar a nova geração do hatch em Resende (RJ). O que complica sua vinda é acertar a forma como será oferecido, já que o modelo gringo oferece um belo pacote de auxílios, como alerta de mudança de faixa, câmeras 360 (como o SUV Kicks), assistente de ponto cego e reconhecimento de placas de trânsito. Se colocar tudo isso, irá se tornar um hatch premium e a Nissan perderá seu carro popular. A solução pode ser manter o modelo atual como a opção mais em conta.

LEIA MAIS:  Nova geração do Nissan March é revelada. Deverá chegar ao Brasil em 2018

Toyota Yaris

O Toyota Yaris deve finalmente sair do papel, posicionado acima do Etios e com produção na Argentina
Divulgação/Toyota
O Toyota Yaris deve finalmente sair do papel, posicionado acima do Etios e com produção na Argentina

Há tempos que a Toyota quer um sedã maior que o Etios, para brigar com Chevrolet Cobalt e Honda City. O asiático Vios era a resposta, junto com o hatch premium Toyota Yaris . Foi engavetado, sem a possibilidade de investir na produção de mais modelos em Sorocaba (SP), embora ainda seja visto rodando por São Paulo. Aparentemente, tanto o hatchback quanto o sedã voltaram aos planos da marca. E o que fez a dupla Yaris e Vios voltar aos planos da Toyota foi o investimento pesado na Argentina.

Daniel Herrero, presidente da Toyota Argentina, disse ao site CarsDrive que “já estamos pensando em mais dois ou três veículos que poderiam ser nacionalizados, produzidos na Argentina para abastecer toda a América Latina”, isso sem contar na recém-lançada van Innova. O compacto começou a ser vendido por lá no final de 2016, importado da Tailândia. A fabricante está injetando muita grana nos vizinhos, aproveitando os incentivos do governo Macri. E, com a produção na Argentina, a Toyota Brasil só terá que fornecer o motor 1.5 e a transmissão automática de quatro marchas. Sem se preocupar em produzir o hatch e seu sedã derivado, podem investir em outro produto de maior apelo: o SUV compacto C-HR.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.