Tamanho do texto

No dia Nacional do Fusca, publicamos a avaliação da nova geração de um dos modelos mais carismáticos que já foram fabricados no Brasil

Volkswagen Fusca
Divulgação
Volkswagen Fusca

E o novo Beetle , que não é mais “New”, virou Fusca no Brasil. A ousada ação da  Volkswagen  em retomar o antigo nome de seu clássico carro no País acompanha uma estratégia mundial que também relembra os antigos nomes do modelo em outros países, como “Escabajo” na Espanha e “Maggiolino” na Itália. Alguns gostaram, pois reacende a chama de um dos automóveis mais importantes da história, ao passo que outros não reprovaram a ideia por ela contrariar a ideia original do carro, que era ser um veículo popular.

LEIA MAIS:  Carro elétrico popular da Volkswagen chega às lojas em 2020

 O novo Fusca não é mais um carro do povo, nem de longe. Esse novo é caro a beça:  custa R$124.700 com câmbio de dupla embreagem DSG , como o testado pelo  iG Carros . Nas duas variantes, o motor é o mesmo, no caso o formidável 2.0 TSI da VW de 211 ele quase seis vezes mais potente que o primeiro Fusca , de 1938.

 Porém, diferente do  New Beetle , o novo Fusca é ainda mais fiel ao modelo original quando falamos de desenho. A nova geração do Beetle parece uma versão “bombada” no carro antigo e com roupas de grife modernas. A VW também tornou o design do modelo mais “masculino”, com formatos mais volumosos e detalhes que deixam o veículo com uma aparência “forte”, como a faixa de cintura alta, as avantajadas caixas de roda e o teto baixo ao estilo hot-rod. A versão anterior, por outro lado, era um tanto feminina - tinha até um vaso de flores no painel.

 E os detalhes que rementem ao antigo Fusca também estão por toda parte. Quem se lembra do modelo clássico vai notar as soleiras nas portas, o parabrisa reto, as alças de borracha nas colunas, o porta-luvas na parte de cima do painel, entre outros.

Impressões ao dirigir

Além de tornar o design do Fusca mais interessante a VW também fez o carro se tornar um legítimo esportivo. Seu motor que o é o mesmo aplicado em modelos como o  Jetta TSI Tiguan , que já têm boa fama. Por isso o modelo tem respostas ágeis e quando provocado no modo “S” é um tanto instigante, com fortes arrancadas acompanhadas de um ronco alto com espirros do turbo entre as trocas de marcha. Até o volante é legal de segurar, ele é fininho como o Fusca antigo e as resposta são muito diretas, como as de um  Audi A3.

LEIA MAIS:  Conheça os 5 carros mais carismáticos da história do cinema mundial

 Os 211 cv aparecem apenas 5.500 rpm, mas isso não é problema quando o torque máximo de 28,6 kgfm já está disponível a 2.000 rpm. Nessa toada, o Fusca tem força total em praticamente todos os momentos em que se pisa no acelerador. Boa parte do desempenho também é mérito do câmbio DSG, que realiza de trocas de marchas muito rápidas, tanto em modo automático como manual pela alavanca ou pelas borboletas no volante.

Nota-se também que o novo Fusca é “bom de curva”, pois conta com uma estrutura bastante rígida - é a MQB, a mesma usada no  Golf VII  e o  Audi A3  - e uma suspensão muito firme. Esse último recurso, porém, tende a deixar o carro um pouco desconfortável e ruidoso para andar em vias apertadas e esburacadas de grandes cidades, como foi em nosso teste por São Paulo. Mas na estrada é um “senhor” automóvel, com boa aceleração e muito estável.

 Segundo números da VW, o Fusca vai do 0 aos 100 km/h em 7,3 segundos e atinge até 210 km/h de velocidade máxima. Já o consumo médio apontado no computador de bordo foi de 13 km/l, uma marca razoável para um automóvel desse porte.

O melhor Fusca da história

Além de ser bonito e um tanto divertido de dirigir, o novo Fusca também surpreende pelos equipamentos. A lista é tão longa quanto variada: inclui, por exemplo, um cronometro no alto painel, navegador GPS com repetidor de dados no painel de instrumentos, controles eletrônicos de estabilidade e tração, quatro airbags e ar-condicionado digital. Ficou faltando apenas a um controlador eletrônico de velocidade de cruzeiro para guiar com mais conforto na estrada.

LEIA MAIS:  Veja quais são os 10 menores carros que já foram fabricados até hoje

A lista de opcionais também enche os olhos, mas seca a carteira. O modelo testado pelo  iG  veio com faróis bi-xenônio , pacote com sensor de chuva e comandos volante, teto solar panorâmico e sistema multímidia Fender a famosa marca de guitarras, que possui CD-Player, entradas USB e conexão Bluetooth para celular com streaming de dados, sem falar no kit de caixas de som de alta definição.

 Agora inserido em outra classe, a dos carros “esportivos descolados” (como é o MINI Cooper e o Citroën DS3 ), o novo Fusca vem para divertir tanto quem o conduz como quem o admira, que não vai se cansar de encontrar, apontar e comentar sobre os detalhes do carro que remetem ao modelo do passado. Esse Fusca não é apenas uma continuação, é uma homenagem ao clássico e querido carro da Volkswagen .

Ficha Técnica

Preço:  R$ 124.700

Motor: 2.0, turbo, quatro cilindros,  gasolina

Potência: 211 cv a 5.500 rpm

Torque: 28,6 kgfm a  2.000 rpm

Transmissão:  Automatizado, 6 marchas tração, dianteira

Suspensão:Independente (dianteira) e multibraço (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Pneus: 215/55 R17

Dimensões: 4,28 m (comprimento) / 1,81 m (largura) / 1,49 m (altura), 2,54 m (entre-eixos)

Tanque : 55 litros

Consumo: 9,2 km/l (cidade) /10,7 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 6,9 segundos 

Vel. Max: 224 km/h  


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.