Tamanho do texto

O intrépido SUV familiar revela comportamento próximo ao de esportivos mais caros. Confira as nossas impressões

Jaguar E-Pace na versão R-Dynamic tem maior apelo esportivo com rodas de aro 20 pintadas de preto como item de série
Caue Lira/iG
Jaguar E-Pace na versão R-Dynamic tem maior apelo esportivo com rodas de aro 20 pintadas de preto como item de série

Se até a Ferrari está para entrar na onda dos SUVs, quem é você para julgar a Jaguar? A marca que sempre foi relacionada à aristocracia britânica já tinha o chamariz da Land Rover, que foca exclusivamente na fabricação de utilitários esportivos. A alta nas vendas e a preferência mundial do público por SUVs fez com que os executivos da Tata Motors (grupo indiano que detém ambas as marcas) se voltassem para o desenvolvimento de novos modelos do segmento. E um deles é o Jaguar E-Pace, que acaba de chegar ao Brasil.

LEIA MAIS: Mercedes GLA x Volvo XC40:  SUVs compactos de luxo que não têm medo de lama

A receita segue a fórmula britânica (com um leve toque de curry ) de se fazer um utilitário esportivo. Primeiro, trace linhas superiores esportivas e fluídas, como se estivesse desenhando um supercarro. Na parte interior, aposte em um design mais robusto e musculoso. Tal como o F-Pace, o Jaguar E-Pace segue um desenho inspirado no F-Type. Particularmente, é o esportivo que mais agrada ao olhar em sua categoria, ainda que o Porsche 911 seja o dono do meu coração. Restava saber se o E-Pace conseguiria ser mais que um “baby-SUV” da marca premium.

Majoritariamente, o E-Pace é um utilitário esportivo simples que ainda tenta manter a relação entre homem e máquina. Vai além de um Jaguar que está se beneficiando das tecnologias da Land Rover para se consagrar. Apesar de estarem envolvidas no mesmo grupo e compartilharem as concessionárias, Jaguar e Land Rover sempre foram marcas distintas. O novo SUV respeita essa relação. Saber que o E-Pace bebe pouco da fonte da fabricante de utilitários é um alento.

A Land Rover faz questão de que o condutor esteja em um utilitário esportivo, enquanto a Jaguar tenta aproximar a relação com a de um cupê esportivo. A área envidraçada e a coluna traseira do E-Pace não nos deixam mentir sobre isso. Trata-se de um SUV que não abandona o comportamento esportivo pela usabilidade. Após ter guiado todos os seus rivais, consigo cravar que este Jag   tem um dos conjunto mais bem acertados da categoria.

O Q5 Ambition 2.0 é mais tecnológico, e isso nem chega a ser um segredo. A Audi, aliás, tem se destacado entre as fabricantes do trio de ferro alemão por sua modernidade. A sensação que o SUV da marca das quatro argolas passa ao motorista pelo toque do volante, por outro lado, é menos humana. É como ter uma boa conversa pelo WhatsApp quando o momento pede que a relação seja olho no olho.

Este é o ponto em que o E-Pace se destaca pela atmosfera esportiva. Ele não se incomoda de passar um pouco das irregularidades do solo para a cabine - algo que seria imperdoável em um Land Rover - se for para levar uma leitura precisa do solo às mãos do motorista. Dessa forma, provoco os bons 249 cv de potência entregues a 5.500 rpm para traçar algumas curvas mais fervorosas na rodovia.

A suspensão McPherson na dianteira e multibraço na traseira garante total estabilidade para quando o condutor estiver um pouco mais libertino. Em rotações mais elevadas, o E-Pace faz pouco caso do silêncio garantido na cidade, permitindo que um gargarejo abafado invada o habitáculo.

LEIA MAIS: Audi SQ5:  SUV de luxo com pegada esportiva. Veja as primeiras impressões

A diversão também está assegurada nas retas, onde o E-Pace pode acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 7 segundos, conforme a fabricante. “O novo SUV da Jaguar tem uma proposta mais esportiva, enquanto o Range Rover Evoque pretende entregar conforto”, disse o franco-suíço Frédéric Drouin, presidente da JLR no Brasil, durante o lançamento do modelo. Hoje, com as mãos ao volante, finalmente pude entender o real significado.

O Jaguar E-Pace na cidade

Jaguar E-Pace vem com muitos botões no volante, o que é um pouco confuso. E o multimídia poderia ser mais intuitivo
Divulgação
Jaguar E-Pace vem com muitos botões no volante, o que é um pouco confuso. E o multimídia poderia ser mais intuitivo

Quem compra um SUV deste porte não está apenas interessado na esportividade. O E-Pace também precisaria ser dinâmico, espaçoso e conectado para atender sua proposta familiar. A boa notícia é que ele tem o maior porta-malas de sua categoria, com 577 litros de capacidade, ante 550 litros do Audi Q5 e 495 litros do XC60.

Quatro adultos e uma criança viajam com completa comodidade, sendo que o túnel central tornaria a experiência de um eventual quinto adulto um tanto quanto desconfortável. Ao menos, há saídas de ar e tomada de 12 Volts para os ocupantes do banco traseiro.

LEIA MAIS: BMW X2: SUV se mostra um contraponto em um mundo cada vez mais chato

A central multimídia tem boa resolução, mas os grafismos poderiam ser mais intuitivos. Há funções de conectividade Bluetooth, MP3 e auxiliar, bem como a opção de espelhamento de tela do smartphone via Android Auto e Apple CarPlay. Destacamos também o belo arranjo dos controles do ar-condicionado. É como manusear a lente de uma boa câmera fotográfica profissional.

Conclusão

Senti falta de alguns detalhes que tornassem a experiência ainda mais rebuscada, mas dessa forma o modelo em conta ficaria ainda mais próximo do nível de sofisticação do F-Pace. A luz de cortesia que ilumina o chão quando o motorista está para deixar o E-Pace emite a projeção de um pequeno Jaguar seguindo a sua mãe, fazendo a alusão de que o SUV seria filhote do modelo mais refinado.

Se você quer conectividade e luxo, vá de Audi Q5 . Caso as emoções ainda estejam à flor da pele, o Jaguar E-Pace será a melhor escolha. No meio de tantos lançamentos de SUVs, é bom ver uma ilha de refúgio para quem ainda curte dirigir. Com R$ 246.750 em mãos, eu escolheria este Jag .  Confira a seguir o vídeo sobre o SUV e a ficha técnica.


Ficha Técnica

Preço:  a partir de R$ 222.300

Motor: 2.0, quatro cilindros, turbo, gasolina

Potência: 249 cv a 5.500 rpm/ 300 cv (R-Dynamic)

Torque: 37,2 kgfm a  1.200 rpm / 40,8 kgfm a 1.500 rpm

Transmissão:  Automático, 8 marchas, tração integral

Suspensão:Independente (dianteira) e multibraço na traseira

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Pneus: 245/55 R19 / 255/50R 20 (R-Dynamic)

Dimensões: 4,44 m (comprimento) / 1,91 m (largura) / 1,63 m (altura), 2,68 m (entre-eixos)

Tanque : 68 litros

Porta-malas: 484 litros

Consumo: 7,2 km/l (cidade) /11,5 km/l (estrada)  e 6,8 km/l e 11 km/l (R-Dynamic)

0 a 100 km/h: 7 segundos / 6,2 segundos (R-Dynamic)

Vel. Max: 230 km/h / 246 km/l (R-Dynamic) 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.