Tamanho do texto

Por R$ 119 mil, modelo chinês é R$ 28 mil mais em conta que o Renault Zoe; confira as nossas impressões ao volante do crossover 100% elétrico

JAC iEV20 arrow-options
Cauê Lira/iG Carros
JAC iEV20 aposta no preço para conquistar os "early-adopters" dos carros elétricos chineses

De fato, 2019 foi um ano eletrizante. Tivemos o lançamento de vários carros híbridos - como Corolla, RAV4, Golf e Countryman -, além de alguns modelos elétricos que já haviam sido apresentados no Salão do Automóvel do ano passado - entre eles, Bolt e Leaf. Com tanto Ibope para modelos de marcas “grandes”, o JAC iEV20 acabou ficando meio de lado no entendimento do público. Mas após cinco dias com o crossover 100% elétrico mais barato do Brasil na garagem, descobrimos que talvez ele seja um dos únicos de sua categoria que realmente compense.

LEIA MAIS: Nissan Leaf não terá vida fácil pela frente. Veja impressões na cidade

Nesse sentido, coloco o iEV20 no mesmo patamar do Jaguar I-Pace. Loucura? Nada disso. Partindo de R$ 452.200, o SUV elétrico da marca britânica custa mais ou menos o mesmo que um modelo térmico de sua categoria, como o próprio Audi Q8, de R$ 471.990. O iEV20 custa R$ 119.990 (sem contar o carregador de R$ 4 mil), ficando muito abaixo dos R$ 147.990 que a Renault pede pelo Zoe - seu rival direto em proporções e equipamentos.

Em um cenário de carros inflacionados, pagar R$ 119 mil por um veículo 100% elétrico é de se pensar. Com 3,66 metros de comprimento, 1,67 m de largura e 2,40 m de entre-eixos, o crossover sustentável da JAC iguala algumas medidas do Renault Kwid. Ou seja, estamos falando de um citycar simples e fácil de estacionar, que deverá ser usado para ir do ponto A ao ponto B no meio urbano.

Antes de comprar um carro elétrico, é preciso ficar atento a alguns detalhes. Primeiro, você precisará de uma tomada de 220 V aterrada na sua garagem para fazer a recarga. Como a voltagem da minha casa é inferior, precisei recorrer à concessionária da JAC nas proximidades da redação para executar o carregamento.

JAC iEV20 arrow-options
Cauê Lira/iG Carros
Detalhe da lanterna traseira do JAC iEV20. além do 'badge" 100% elétrico

Durante minhas 8 horas de trabalho, a carga da bateria do iEV20 subiu de 49% para 75% - isso com o carregador simples que fica no porta-malas do veículo. Considerando que proprietários de carros elétricos carregam seus veículos durante a noite, o dispositivo simples de R$ 4 mil já dá conta do recado.

Com isso, dispensaria a aquisição do wall-box de R$ 8,5 mil fornecido pela EDP, capaz de carregar o iEV20 de 15% para 100% em apenas quatro horas. De qualquer forma, é bom que a JAC Motors ofereça o produto .

O segundo ponto para ficar atento é que a autonomia de um modelo elétrico é sempre menor do que você imagina. A JAC, por exemplo, diz que o iEV20 é capaz de rodar 400 km com apenas uma carga completa - com ciclo NEDC, ar-condicionado desligado e o modo de condução “low” que limita sua velocidade a 63 km/h.

LEIA MAIS: Aceleramos o Jaguar I-Pace, primeiro SUV elétrico da marca britânica

Só de ligar o ar-condicionado, o motorista perderá 30 km de autonomia (marcada no computador de bordo). Passando o modo de condução de “low” para “electric” ou “sport”, mais alguns quilômetros serão perdidos. Na prática, o iEV20 tem algo em torno de 280 e 290 km de autonomia, dependendo do pé do motorista.

Como assim?

Assim como veículos térmicos, a pressão no acelerador interfere diretamente no consumo de energia de um elétrico. O modo “low” do iEV20 propõe uma entrega de potência mais linear, com o intuito de reduzir os esforços e economizar a bateria. Durante os dias que usei o crossover compacto, rodei praticamente 90% do tempo assim.

A grande sacada dos carros elétricos e híbridos é o reaproveitamento da energia térmica que seria perdida nos freios para carregar as baterias durante o percurso. Em uma descida longa, por exemplo, o motorista poderá regenerar alguns quilômetros da autonomia apenas retirando o pé do acelerador.

Também é possível regenerar nas frenagens antes de parar no semáforo. Este recurso se chama iPedal, e de acordo com a JAC, é possível ter pastilhas de freio com vida útil muito acima do esperado com uso adequado.

Agilidade

JAC iEV20 arrow-options
Divulgação
O interior do JAC iEV20 tem materiais de boa qualidade, com costuras aparentes nos revestimentos

O iEV20 tem apenas 68 cv de potência, mas seu torque 21,9 kgfm assegura mais força que um SUV compacto (o Renegade 1.8, por exemplo, tem 19,6 kgfm). Pisando fundo sem ligar muito para a economia de eletricidade, o crossover chinês se mostra muito ágil e estável. Coloque isso na conta das baterias, que deixam o carro mais pesado e melhoram o centro de gravidade.

Sua direção tem acerto direto, mas sinto que o iEV20 tem certa tendência a sair de frente em curvas mais rápidas. A suspensão é um pouco mais dura do que os brasileiros estão acostumados em um veículo dessa proporção, causando certa estranheza no começo. Mas com a ausência de vibrações, este JAC também passa a sensação de rodar sobre as nuvens.

Outro ponto que faz o iEV20 se destacar na comparação com os rivais é o nível de requinte. As portas são revestidas com imitação de couro e o painel traz detalhes costurados aparentes. A central multimídia do tipo flutuante lembra os carros antigos da Audi, mas é preciso utilizar um app próprio para espelhamento da tela do celular.

Há espaço para quatro adultos viajarem com conforto, mas quem vai atrás terá uma sensação claustrofóbica. O porta-malas de 121 litros de capacidade é facilmente preenchido por duas mochilas grandes.

LEIA MAIS: Como é ser proprietário de um veículo híbrido seminovo?

O JAC iEV20 reforça a proposta das marcas chinesas de oferecer produtos mais requintados por valor inferior. Na comparação com o Zoe, há um verdadeiro abismo de R$ 28 mil. Ainda que você queira comprar um T50 ou T60, aproveite a oportunidade para fazer um breve test-drive no crossover 100% elétrico. Você ficará surpreso.

Ficha técnica:

JAC iEV20
Preço: R$ 119.990
Motor: elétrico, tração dianteira
Potência: 68 cv
Torque: 21 kgfm
Transmissão: não tem
Suspensão: McPherson (dianteira), eixo de torção (traseira)
Dimensões: 3,66 metros de comprimento, 1,67 m de largura e 2,40 m de entre-eixos
Porta-malas: 121 litros
0 a 100 km/h: 16 segundos (0 a 50 km/h em 4,9)
Velocidade máxima: 116 km/h
Autonomia: 400 km (sem ar-condicionado, modo "low")