Tamanho do texto

Sedã compacto parte de R$ 59.490 e traz apenas o básico; veja impressões

Renault Logan arrow-options
Cauê Lira/iG Carros
Apesar de contar com poucos equipamentos, o Logan 1.6 é o mais espaçoso da categoria

O fenômeno dos carros automáticos veio para ficar em todo o mundo. Nos Estados Unidos, veículos manuais já são vendidos com um folheto de instruções para ensinar aos ‘millennials’ que é preciso afundar o pedal da embreagem (três pedais, oi?) para se locomover. A situação não é diferente no Brasil, onde carros automáticos já igualaram os números dos manuais - muito por conta das vendas PcD, que já correspondem a 13% do mercado. 

LEIA MAIS: Hyundai HB20S Diamond quer ser astro do k-pop no Brasil

Mas muitas pessoas ainda preferem o modo ‘old-school’ e acham que não trocar de marcha é uma vaidade. E de fato, os manuais são muito mais baratos, práticos e econômicos que os automáticos. Uma boa prova disso é o Renault Logan 1.6 Zen da avaliação de hoje. 

Ele custa R$ 59.490, sendo exatamente R$ 8 mil mais em conta que a versão com câmbio CVT. Neste pacote, há sensor de estacionamento traseiro e central multimídia Media NAV com Apple CarPlay e Android Auto, mas carece de retrovisores elétricos, câmera de ré e faróis de neblina. Ou seja, sem vaidades.

O volante multifuncional é do Clio europeu, mas a Renault perdeu a oportunidade de aproveitá-lo. Os comandos de áudio continuam em um apêndice ao lado da coluna de direção. Não gosto, mas já acostumei.

Não dá para dizer que o acabamento do Logan é capaz de encher os olhos, mas o sedã é muito bem montado. Os encaixes são precisos e sem rebarbas, como um bom veículo que aposta na relação custo-benefício para conquistar o público.

LEIA MAIS: Renault Sandero 1.0 Zen: hatch compacto discreto até nas mudanças

O Logan é, de fato, um carro de tamanho considerável, e talvez o único de sua categoria capaz de levar cinco ocupantes sem muito aperto - ainda que sentar no meio do banco traseiro seja uma posição ingrata. Ele tem 2,63 metros de entre-eixos (ante apenas 2,46 m do Volkswagen Voyage) e 1,73 metros de largura (contra 1,65). Não à toa, é o queridinho dos motoristas de aplicativo.

O porta-malas também é um ponto a favor deste espaçoso Renault. São 510 litros de capacidade, superando por muito os 480 litros do Voyage e os 379 litros do antigo Fiesta Sedan. Sua abertura ainda conta com alças “pescoço de ganso” que roubam um pouco da área útil, mas continua sendo um verdadeiro latifúndio. 

Condução enxuta

Renault Logan arrow-options
Roberto Assunção
O cluster do Renault Logan tem uma pequena tela de bordo; funcionalidades são limitadas

A dirigibilidade do Renault Logan 1.6 manual tem alguns prós e contras bem pontuais. Para começar, a direção é eletro-hidráulica, passando o “rebote” das imperfeições do solo para a mãos do motorista. Isso também faz com que ela seja um tanto quanto pesada na comparação com o VW Voyag e, dificultando na hora de manobrar.

Eis uma boa notícia para você que precisa de mais um motivo para desconsiderar o Logan CVT: o modelo manual não teve sua suspensão elevada. Do ponto de vista estético, ele fica mais equilibrado sem aquele visual de “Stepway”. Para sua dirigibilidade, garante um comportamento mais estável. Infelizmente, não há controle de estabilidade e tração nas versões manuais.

O motor 1.6 de 116 cv de potência a 5.500 rpm e 16 kgfm de torque a 4.000 rpm se mostra adequado para um carro de apenas 1080 kg. Há disposição de sobra para enfrentar subidas (mesmo com o carro cheio) e retomadas na estrada, mas o câmbio manual ainda não fica livre de críticas.

Apesar do escalonamento curto, a transmissão de cinco marchas poderia ter engates mais macios e precisos (ponto para o Voyage). De acordo com o Inmetro, o Logan manual pode anotar 8,7 km/l na cidade e 9,7 km/l na estrada com etanol, além de 13 km/l na cidade e 14,1 km/l na estrada com gasolina.

LEIA MAIS: Chevrolet Joy Plus: sedãzinho competente e sem vaidades

Por R$ 59.490, o Renault Logan 1.6 Zen com câmbio manual reafirma seu foco na relação custo-benefício. É um carro básico, sem retrovisores elétricos, controle de estabilidade e volante multifuncional, mas suas qualidades se destacam pela etiqueta. 

Motor: 1.6, quatro cilindros, flex
Potência: 118 cv (E)/ 115 (G) a 5.500 rpm
Torque: 16 kgfm a 4.000 rpm
Transmissão: manual, seis marchas, tração dianteira
Suspensão: independente (dianteira), eixo de torção (traseira)
Pneus: 205/55 R16
Porta-malas: 510 litros
Dimensões: 4,35 metros (comprimento), 1,73 m (largura), 1,57 m (altura), 2,64 m (entre-eixos)
0 a 100 km/h: 11,2 segundos
Vel. Máx: 177 km/h
Autonomia: 585 km (cidade), 670 km (estrada)