Tamanho do texto

Clássico italiano dos anos 90, com mecânica de Fiat Tipo Sedicivalvole, vai bem no exigente circuito. Além disso, veja tudo sobre o belíssimo esportivo

Tarde de sábado, 16 de dezembro, Autódromo de Interlagos. Estou com os nervos à flor da pele prestes a participar do "Torneio Interlagos de Regularidade" ao volante do meu carro, um belíssimo Fiat Coupé azul, de 1995. Bastou vestir os meus equipamentos, acertar a posição de dirigir e dar a partida para a entrada da pista em comboio — liderado por uma réplica perfeita de Shelby Cobra — para a empolgação me tirar o fôlego. A ficha ainda não tinha caído. Pela primeira vez nos meus 20 anos de vida iria guiar no lendário autódromo paulistano com meu "bebê".

LEIA MAIS: Aceleramos o Fórmula Vee no Autódromo de Interlagos. Veja vídeos e as impressões

Para quem sonha em ser piloto de corrida, é surpreendente como você se transforma em um ao botar os pneus em um circuito fechado. Além disso, é assombroso descobrir o quanto que o seu próprio carro é capaz, mesmo quando se trata de um Fiat Coupé , esportivo que se define como um Tipo Sedicivalvole, mas com a carroceria cupê, interior projetado pela Pininfarina e linhas assinadas pelo polêmico designer americano Chris Bangle, que ficou famoso por ter liderado por um bom tempo o departamento de estilo da BMW, na década passada.

Fiat Coupé em força total!

O Fiat Coupé se saiu bem em curvas como o
Original Motors
O Fiat Coupé se saiu bem em curvas como o "S do Senna", que submete o carro a agressivas transferências de peso

Uma vez no Autódromo de Interlagos , dando tudo de si e do carro, você corre o risco de ver as montanhas-russas com menos empolgação ao final do evento. Sem meio termo nos pedais e com o planejamento do traçado sempre em mente, “sapatadas” até o assoalho são a coragem necessária para o melhor aproveitamento possível.

Entretanto, é preciso ter muita cautela ao volante, pois em carros com tração dianteira, como o meu Fiat, golpes repentinos na direção podem fazer o carro escapar a frente (caso esteja despejando força total no acelerador), ou a traseira, caso esteja com o pé totalmente fora do pedal.

LEIA MAIS: Audi TT RS: o pequeno notável devorador de asfalto com motor de 400 cv

E isso realmente acontece, apesar do baixo centro de gravidade do Coupé, que contribui para boas velocidades de contorno nas curvas. O seu robusto motor 2.0, da família “ Bialbero ” — desenvolvido para o esportivo italiano puro-sangue e hexa campeão do Mundial de Rally, o Lancia Delta Integrale — concentra tanto peso na dianteira (cerca de 65%), que as tendências de escapar a frente ou a traseira se tornam bastante evidentes.

O segredo é projetar a sua trajetória nas curvas antes de apontar a dianteira, para que não seja necessário nenhum movimento brusco de última hora e, assim, para que se possa amenizar esses efeitos indesejados. Paciência no contorno das curvas mais fechadas é essencial, pois assim o carro se mantém sempre rápido e estável.

Traçado do Autódromo de Interlagos com os nomes das curvas, onde o Fiat Coupé chegou aos 180 km/h nas retas
Divulgação
Traçado do Autódromo de Interlagos com os nomes das curvas, onde o Fiat Coupé chegou aos 180 km/h nas retas

Entre carros de todo tipo, como Fusca, Uno, Aston Martin V8 Vantage e até um Jeep Renegade, eu estava entre uns cinquenta e tantos participantes que se divertiam feito criança no Autódromo de Interlagos, o berço do automobilismo brasileiro. O meu Fiat Coupé, especificamente, tem uma EPROM (um chip de tecnologia antiga) com mapeamento modificado do original, que atrasa levemente o ponto de ignição no motor, bem como admissão e escapamento dimensionados.

O resultado disso são 167 cv a 6300 rpm e 20,5 kgfm a 4.500 rpm, o que é suficiente para levar o cupê italiano de 0 a 100 km/h em 7,2 segundos e atingir 220 km/h. Na pista, o carro alcançou os 180 km/h nas retas, enquanto que em curvas de alta velocidade, como a “Curva do Sol” e o “Laranjinha”, o Fiat conseguiu ficar ao redor dos 120 km/h.

LEIA MAIS: Fiat Tempra Turbo foi um marco de tecnologia automotiva no Brasil

Se nas ruas mal conservadas o carro é um pouco duro, em pistas de corrida você entende a razão pela qual a suspensão precisa ser mais rígida e o centro de gravidade o mais baixo possível para garantir um bom desempenho. O carro torce um pouco nas curvas, mas nada que o prejudique.

Apesar do volante se mostrar um pouco pesado para esterçar em curvas de baixa, os freios à disco nas quatro rodas com ABS mostram, entretanto, porque que todos os carros deveriam ter tê-los de série (ao invés dos jurássicos tambores na traseira), já que de tanto que o carro freia, muitas foram as vezes que eu acabava reduzindo muito cedo a velocidade para entrar nas curvas, bem como é impressionante a sua estabilidade nessas horas.

Colocando à prova os bancos esportivos, senti que, em curvas rápidas e agressivas, como o “S do Senna” e o “Mergulho”, os apoios laterais acabam surtindo menos efeito e, por isso, foi bom ficar atento para não perder o equilíbrio ao volante. Outro ponto importante que notei é que valeu trocar as marchas com certo cuidado, para não forçar componentes como o trambulador e, inclusive, as engrenagens do câmbio.

Falando em câmbio, algo que me surpreendeu demais no Fiat foi o bom escalonamento das marchas, o ajudou bastante para manter o motor sempre dentro da faixa ideal de utilização, essencial para os trechos de subida, como na “Ferradura”, subida do “Laranjinha” e na “Subida dos Boxes”.

O evento contou com a participação dos novos Puma, com visual arrojado como o Fiat Coupé e motor 2.4 turbo de 180 cv
Guilherme Menezes
O evento contou com a participação dos novos Puma, com visual arrojado como o Fiat Coupé e motor 2.4 turbo de 180 cv

Aqui vão uns toques para sair um pouco do conto de fadas e colocar os pés no chão: se você quiser colocar o seu carro na pista, mas pretende fazer algum serviço de funilaria e pintura, deixe para depois do evento. Pode acontecer de fragmentos na pista atingirem o carro e danificar o exterior. Por isso, eu mesmo tento fingir que as partes feias da lataria do meu carro não estão ali.

Além disso, como é de se esperar, pode ir se preparando para aceitar que os freios e os pneus sofrerão um nível de desgaste mais acelerado, bem como é importante estar sempre atento às reações do carro, sujeito a superaquecimento dos freios e dos pneus. Quanto a isso, o recomendado é dar uma volta a cada três sem exigir do carro, pois o ar resfriará o conjunto.

LEIA MAIS: Kadett GS: assista ao vídeo do famoso esportivo nacional dos anos 90

Nunca vá aos boxes para parar o carro com a intenção de resfriá-lo, pois o que acontecerá é que você estará dando tempo para o calor "cozinhar" ainda mais o fluido de freio, responsável pela pressão de frenagem. Os boxes servem para calibrar os pneus (bastante importante após as três primeiras voltas), sair da pista em caso de emergência (se não der para chegar aos boxes, pare na próxima zona neutra que encontrar) e trocar de passageiro.

O que é o Fiat Coupé?

Acompanhe um pouco do que fez o Fiat Coupé ser um carro tão especial
Divulgação
Acompanhe um pouco do que fez o Fiat Coupé ser um carro tão especial

Nessa altura da matéria, que já se sabe até como se comporta na pista, não faz sentido não conhecer um pouco de sua bela história. Apresentado no Salão de Bruxelas (Bélgica) de 1993 — e no de São Paulo em 1994 — o Fiat Coupé espantou o público que aguardava o retorno de um Fiat esportivo desde os anos 70, tempos em que a montadora já tinha produzido cupês como Otto Vu, 1900 B Granluce, 1500 Coupe, 2300 S, 124 Sport Coupé, 130 Coupe e Dino 2400.  Com a meta de inovar e cativar um público mais exigente que o dos anos 70, desenvolvê-lo não foi tarefa símples.

As habilidades do experiente designer americano Chris Bangle foram testadas incansavelmente pelo Centro Stile Fiat , que não se contentava com os desenhos dos protótipos que recebia e exigia correções até nos mínimos detalhes, para que pudesse receber com mérito a assinatura Pininfarina — com um portfólio repleto de marcas como Ferrari, Alfa Romeo, Lancia, Cadillac, Rolls Royce e outras. E o resultado foi um GT belíssimo na mesma medida que polêmico, assim como muitos dos trabalhos de Bangle.

Não era uma Ferrari — como a 456, que serviu de inspiração — apesar de muitos verem certa semelhança. Não era um Fiat como outros de sua época, e nem carregava a aura dos Alfa Romeo. Tratava-se de um projeto único, mas que justamente por esse motivo, preserva a imagem de um carro moderno mesmo após tantos anos. Ame ou odeie, sua personalidade diferente de tudo marca presença por onde passa.

Suas linhas são agressivas, os vincos nas lateriais do capô e das rodas — que parecem ter sido esculpidos com um cinzel — fazem a função de resfriar o motor e os freios, respectivamente. Os faróis e o capô avantajados fazem alusão aos Gran Turismo do fim dos anos 60 e início dos anos 70, como o próprio Ford GT, invicto em Le Mans na sua época. As lanternas redondas, a ponteira do escapamento que sai na diagonal, o bocal protuberante do tanque de combustível, as maçanetas embutidas e os espelhos retrovisores pouco funcionais completam a lista de requisitos para um visual bem marcante.

Versão mais extrema do Fiat Coupé, a 20v Turbo Plus, que participa de games como o Gran Turismo
Divulgação
Versão mais extrema do Fiat Coupé, a 20v Turbo Plus, que participa de games como o Gran Turismo

No interior desenhado totalmente pela Pininfarina, um friso na cor do carro se extende por todo o painel e portas. Além disso, conta com bancos esportivos com inflador de lombar no do motorista e abas lateriais inclusive nos dois traseiros,  mostradores individuais que incluem pressão e temperatura do óleo, ajustes dos retrovisores e travas elétricas, luz e farol de neblina, regulagem de altura dos projetores dos faróis em três níveis, e outros.

Entre a média dos 80 carros que saíam diariamente, entre 1993 e 2000, da fábrica de Grugliasco em Turim (Itália) — pertencente ao Studio Pininfarina —  entre mil e 1500 unidades vieram ao Brasil em 1995 e 1996. Por aqui, a versão vendida era a 2.0 16 válvulas aspirada, com rodas de 15 polegadas, 137 cv e 18,4 kgfm (80% do torque entregues nas 2000 rpm), que rendia uma aceleração até 100 km/h em 9,3 segundos e a velocidade máxima de 206 km/h.

Além de inúmeros componentes mecânicos compatíveis com o Tempra, Tipo, Brava e até Marea — que incluiam itens de tropicalização como materiais anti-oxidantes para as peças em contato com o álcool da gasolina brasileira, elevação da altura do carro em 12 mm na dianteira e 10 mm na traseira, relação de marcha encurtada e redução da taxa de compressão de 10,5:1 para 9,5:1 — tinha como opcionais bancos de couro (preto ou bege), teto solar e as cores sólidas (amarelo e vermelho) e metálicas (azul, verde, prata e preto), por preços que giravam em torno dos 45 mil dólares (ou R$ 45.000 na época). Vale lembrar que, com esse valor, compravam-se dois Tempra 16v 0km.

A traseira do Fiat Coupé ostenta a famosa
Guilherme Menezes/iG
A traseira do Fiat Coupé ostenta a famosa "Bangle butt", uma traseira volumosa, com silhueta ascendente

Além de ser mais sofisticado que muitos carros vendidos na época — tal como o rival  Chevrolet Calibra — na Europa o Coupé dava "chinelada" em esportivos realmente comprometidos com o desempenho, principalmente nas suas outras versões que não venderam por aqui.

Tinha uma versão turbo de 195 cv com diferencial blocante Viscodrive — do mesmo tipo que equipava a Lamborghini diablo — que permitia um contorno mais eficiente nas curvas (três unidades vieram para o Brasil através de diretores da marca) e, em 1997, chegaram três versões com o cinco cilindros do Marea, duas aspiradas e uma turbo: uma sem variador de fase, com 147 cv e 18,6 kgfm, outra com o variador (157cv e 18,6 kgfm) e a turbo, com 220 cv e 31 kgfm, equipada com freios Brembo e opcional de câmbio de 6 marchas.

Esta última era insana. Chegava aos 250 km/h e "voava" até os 100 km/h em apenas 6,3 segundos. Além de ter sido o carro mais veloz em circuitos de corrida até meados dos anos 2000, havia relatos, na época, de que seu desempenho e emoção ao pilotar era comparável ao Porsche Boxster e o Aston Martin DB7, outro GT, mas com um motor V12 de 420 cv. Quem jogava o simulador Gran Turismo (como eu) sem dúvida sabe o quão visceral era para a sua categoria.

Entre as suas variantes, começou com a convencional, que não tinha bancos Recaro e câmbio de 6 marchas. Em seguida, uma edição limitada (LE), que além desses itens, adicionava grade dianteira exclusiva e outros detalhes menores. Vale lembrar que das quase 400 unidades produzidas, a primeira foi de Michael Schumacher. Depois dela, a Turbo Plus, que se baseou totalmente na LE, mas ganhou novo jogo de rodas mais agressivo, também de 16 polegadas.

Pouco antes de sair de linha em setembro de 2000, após 7 anos e 72.800 unidades, surgiu também em uma versão 1.8 com rodas BBS de 15 polegadas, decorrente do desenvolvimento de seu "irmão" menor e cabriolet, o Barchetta. Trata-se de um motor cujo desempenho se assemelha muito ao que veio para o Brasil, mas prometia uma dinâmica mais refinada, uma vez que o conjunto era mais leve. Esse motor é nada mais nada menos que o do Marea 4 cilindros e o do Brava HGT.

Enquanto o Fiat Coupé descansa, bate papo com lendas

Graziela Fernandes, piloto de Alfa Romeo nos anos 70, marca que partilha muitas peças com o Fiat Coupé
Alfa Romeo Clube
Graziela Fernandes, piloto de Alfa Romeo nos anos 70, marca que partilha muitas peças com o Fiat Coupé

Outro ponto bastante interessante é você estar entre pilotos históricos, que participam do evento com certa frequência. Exemplo é a Graziela Fernandes, uma veterana “pilota” (título a que se refere) que corria com a Alfa Romeo, nos anos 70, e participou do "track day" com o seu Puma GTE.

Em uma conversa com ela, me contou o que acha de eventos como este de Interlagos: “Na minha opinião, o evento é uma espécie de refúgio para quem gosta de velocidade. Eu gosto muito de estar aqui, pois eu amo de paixão as corridas e muitos dos meus amigos gostam de participar de dias como hoje e botar a conversa em dia".

E isso se relaciona com a sua brilhante história no automobilismo e na vida pessoal, repleta de gasolina nas veias: “Desde pequena eu era apaixonada por veículos, mecânica e velocidade. Fiz parte de um departamento de engenharia e pilotei aviões por 31 anos. Quanto às corridas, eu pilotava em tempos quando o automobilismo estava chegando ao Brasil", relata Graziele.

"Se hoje as mulheres não são maioria no automobilismo, na minha época elas praticamente não existiam nesse contexto. Era muito memorável ultrapassar os rapazes nas "1000 Milhas Brasileiras" com um "Alfinha" preparado na Itália. Tudo era perfeito no meu carrinho”, relembrou cheia de orgulho.

Após elogiar o meu Fiat Coupé, Graziela relata que gostava de ensinar mecânica para mulheres, nos anos 60
Alfa Romeo Clube
Após elogiar o meu Fiat Coupé, Graziela relata que gostava de ensinar mecânica para mulheres, nos anos 60

Outra lenda do automobilismo é o próprio organizador do evento, o ex-piloto Jan Balder, outro especialista em provas de longa duração na sua época, inclusive internacionais. Nascido na Holanda, veio para o Rio de Janeiro com apenas 8 anos de idade, em 1954.

Ao perguntá-lo sobre a corrida de regularidade , Balder afirma que surgiu para incluir os apaixonados pelo esporte a esse universo e dar a chance de interação, confraternização e reunião, coisas que faltavam em eventos que existiam anteriormente. “Sem isso, a fantasia e o prazer de ser um integrante ativo do automobilismo se perde".

"Na minha época, quando o automobilismo ainda não havia se tornado um produto valorizado, podia-se pegar um pneu emprestado aqui e um motor ali, mas hoje isso não é mais possível. Atualmente, com os patrocinadores, o nível da disputa entre as equipes e outros fatores, o automobilismo ficou caro demais para qualquer um seguir carreira como piloto profissional”, afirma com um ar de lamentação.

Jan Balder passando as instruções para a categoria dos clássicos - onde corri com o Fiat Coupé - e dos modernos
Guilherme Menezes
Jan Balder passando as instruções para a categoria dos clássicos - onde corri com o Fiat Coupé - e dos modernos

Quanto a mim, depois de tantos vídeos de carro, programas de TV, encontros com amigos igualmente fanáticos por automobilismo e os sete anos de experiência que tive no kart, o que me faltava como entusiasta era um lugar para eu virar piloto com meu Fiat Coupé . Muito analisei e pesquisei para finalmente me deparar com este renomado track day . Por R$ 400 sem direito a acompanhante, ou R$ 500 podendo levar mais alguém, com infraestrutura que comporta carros de Fórmula 1, regras e organização que garantem segurança aos participantes, é divertimento garantido. Realmente proporciona uma experiência única, marcante e apaixonante, para qualquer entusiasta de verdade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.