Tamanho do texto

Nova integrante entre os patinetes elétricos de aluguel, a Lime veio para quebrar o monopólio Yellow/Grin. Qual é melhor? Confira a seguir

Lime
Guilherme Menezes/iG
Diante da alta procura dos patinetes elétricos, a Lime surge para quebrar o monopólio Grin/Yellow

Mais uma marca de patinetes elétricos acaba de surgir no mercado. A partir da terça-feira de hoje (2), a Lime passa a operar na região de Pinheiros, Vila Olímpia, Itaim, Brooklin e Vila Nova Conceição. No Rio de Janeiro, começa nesta quinta-feira (4) em praias da Zona Sul, incluindo Copacabana, Ipanema e Leblon. Para utilizá-los, serão cobrados R$ 3 iniciais na abertura da viagem e, posteriormente, mais R$ 0,50 por minuto.

LEIA MAIS: Novas soluções de mobilidade geram debate sobre a necessidade do automóvel

Além disso, a nova empresa que aluga patinetes elétricos anunciou também o "First Ride Academy", programa de treinamentos realizado nos fins de semana. As aulas darão dicas de como dirigir os patinetes de forma segura e responsável. De acordo com a Lime , além do programa, ações serão realizadas nas ruas para conscientização e educação de quem usá-los, bem como as melhores formas de conviver com os pedestres e carros.

Apesar de ser um nome novo por aqui, a Uber é a grande por trás, que após o investimento de US$ 335 milhões — ao lado de gigantes do mercado de capital de risco e da Alphabet, companhia mãe do Google — anunciou o compartilhamento de patinetes e bicicletas elétricas em duas cidades dos EUA (San Diego e Atlanta). “Estamos aqui para repensar o uso de carros e permitir que as pessoas escolham o veículo mais apropriado para sua mobilidade”, disse Joe Kraus, presidente global da Lime.

Lime vs Yellow: as melhores opções

Patinetes
Guilherme Menezes/iG
E agora? Veja o que achamos do novo Lime e se é capaz de bater o pioneiro

Pioneira no aluguel de bicicletas e patinetes elétricos, a Grow — fusão da Yellow com a Grin — era a única a explorar o mercado da micromobilidade em grande escala. E a ideia deu tão certo que muitos se veem trocando os transportes públicos — e em alguns casos, até os carros — por esses veículos. E foi com o objetivo de oferecer alguns atributos de conveniência a mais, que a Lime surge para dividir o espaço.

LEIA MAIS: Conheça 5 apps de mobilidade no Brasil que valem a pena hoje em dia

Após realizarmos os testes, não achamos que os patinetes da Grin são capazes de competir, em níveis de igualdade, nem com a novidade da Lime, e nem com os da Yellow. Não observamos nada que fosse superior, inclusive na dirigibilidade, que se mostrou menos precisa. Desse modo, qual aplicativo você deve baixar, se tivesse que escolher apenas um?

Patinetes
Guilherme Menezes/iG
Cada um dos patinetes é melhor em uma coisa. Continue com as impressões para ver qual é mais o seu gosto

A resposta é: depende do que você prefere. O Lime se mostrou um projeto mais maduro, proporcionando um nível maior de conforto, principalmente em viagens mais longas. Seu guidão mais alto e sua roda traseira levemente mais larga contribuem para, respectivamente, uma postura mais relaxada e um rodar mais suave.

Patinetes
Guilherme Menezes/iG
Painés de LED seguem um padrão conhecido entre os patinetes elétricos

Além disso, o Lime não fica devendo agilidade em curvas rápidas e o seu freio com manete de bicicleta — com força o suficiente para travar o pneu de trás — permite uma boa graduação para as reduções de velocidade. Enquanto isso, talvez por ter sido mais usado que o lançamento de hoje, a unidade avaliada da Yellow perdeu no quesito frenagem, por ser mais difícil de dosar (como todos), e porque não estava com os freios nas melhores condições. Entretanto, já haviamos guiado outro — mais novo — anteriormente, que estava bem parecido com o da Lime.

LEIA MAIS: Enquete: 90% dos leitores de iG Carros já consideram transportes alternativos

Patinetes
Guilherme Menezes/iG
Pneu do Lime é ligeiramente mais largo que o da Yellow, o que favorece a estabilidade

Entre os equipamentos, o Lime chega com farol, luz de freio (ao contrário do Yellow), aviso sonoro de travamento e destravamento e conexão com o Google Maps, que gera informações como valores e tempo de percurso, este último somente presente por meio do servidor da Yellow.

Todos os patinetes se equiparam em aceleração e velocidade máxima, que é limitada a 20 km/h por lei, e vale lembrar que a buzina do novo patinete pode ser usada sem ter que interromper algum comando, o que não ocorre com o yellow — que exige que você tire o dedo do acelerador para buzinar.

Entretanto, mesmo que concebido de maneira mais simples que o Lime, o Yellow é apenas um pouco mais ágil. Seu guidão mais baixo pode ser menos confortável e menos estável que o da Lime, mas não é tão inguiável quanto os Grin, e ainda proporciona um manejo mais firme e preciso durante obstáculos como curvas apertadas, buracos, trepidações e diante da necessidade de guinar a direção rapidamente — para desviar de algo de última hora, por exemplo.

Ou seja, quem quiser uma dirigibilidade fácil, confortável e com boa estabilidade, vá de Lime. Se está entre os mais arrojados, que curtem respostas mais ágeis e um envolvimento maior ao guidão, prefira o Yellow. Diante de bons atributos para circular pela cidade — sempre seguindo as normas de segurança que aparecem na tela inicial do aplicativo — ambos os aplicativos de aluguel dos patinetes elétricos valem o download, na nossa opinião.