Tamanho do texto

Gasolina com só 5% de etanol, todas as marcas do mundo, pedágio por quilômetro rodado, trânsito civilizado… Fora o Dodge Charger da polícia

A reportagem de iG Carros esteve em Santiago (Chile), para o lançamento do novo Volvo S60, cujos detalhes daremos a seguir. Antes disso, aproveitamos para contar algumas diferenças entre Brasil e Chile quando o assunto é carro.  De acordo com o que vimos por lá, ainda temos que evoluir em alguns aspectos até em relação ao pequeno país vizinho. 

LEIA MAIS: Um roteiro de 2.600 km no Chile com um Nissan X-Trail – parte 1

A Volvo explicou que uma das razões da apresentação do novo S60 ter sido no Chile fica por conta das boas vendas da marca no país, equivalente ao volume vendido no Brasil, apesar de nós termos uma população mais de 10 vezes maior (209 milhões, ante 18,5 milhões). Abaixo, acompanhe 5 fatos sobre o Chile que nos chamaram atenção. 

1 – Todas as marcas do mundo

mazda 3 Sedan arrow-options
Reprodução/Pinterest
Mazda 3 Sedan é um dos modelos usados pelos táxis de Santiago. Mas há vários outros modelos que não temos no Brasil

 Enquanto no Brasil, volta e meia, algumas marcas acabam desistindo de disputar um lugar ao sol no mercado, no Chile (quase) todas as fabricantes estão disponíveis. Pode-se importar modelos de qualquer marca sem pagar imposto, uma vez que não há produção local. São 22 acordos de livre-comércio com 60 países, incluindo a China.

O fim da produção de carros no Chile se deu em 2008, quando a GM encerrou as atividade de sua fábrica. Mas, como atualmente o mercado chileno de automóveis e comerciais leves gira em torno de 418 mil unidades anuais (ante cerca de 2,5 milhões no Brasil), nem compensa fabricar.

De qualquer forma, pudemos ver no trânsito carros como o belo Mazda 3 Sedan e outros mais exóticos, como o Skoda Yeti e o Suzuki Ignis. As picapes tem bas vendas por lá, onde vimos modelos diversos, entre os quais algumas Ford F150 Platinum.

2- Gasolina com 5% de etanol

gasolina arrow-options
Carlos Guimarães/ iG
Posto da Petrobras, em Santiago. vende gasolina com apenas 5% de etanol e 93 octanas por R$ 4,67 o litro

 Em postos BR, veja só, constatamos que o preço da gasolina comum no Chile estava sendo vendida por 829 pesos, o que equivale a cerca de R$ 4,67 numa conversão simples, ante R$ 4,33 no Brasil. Acontece que no país vizinho o combustível tem apenas 5% de etanol, ante 27,5% aqui.

Portanto, o rendimento da gasolina chilena é bem maior, uma vez que o poder calorífico do etanol é bem menor. Resultado: paga-se quase o mesmo no Chile, mas o combustível dura mais tempo no tanque.

3 – Pedágio por quilômetro rodado

pedagio chile arrow-options
Reprodução/Wikimedia Commons
Moderno sistema de cobrança de pedágio por quilômetro rodado funciona bem no Chile, com estradas bem conservadas

 Durante o teste-drive do novo Volvo S60 rodamos quase 300 quilômetros pelas estradas chilenas. E reparamos que a cobrança por pedágio é bem mais justa. Primeiro porque existe o pagamento por quilômetro percorrido, debitado automaticamente pelo reconhecimento da placa do veículo. Ou seja, paga-se pelo o que se roda, apenas.

LEIA MAIS: Um roteiro de 2.600 km no Chile com um Nissan X-Trail – parte 2

Também é possível efetuar o pagamento nas cabines. O máximo que se paga para rodar 50 quilômetros é 2.500 pesos, o que equivale aproximadamente R$ 14. No Brasil, para rodar das rodovidas Anchieta e Imigrantes o valor é superior a R$ 33, apenas para citar um exemplo.

4 – Trânsito civilizado

trânsito no Chile arrow-options
Reprodução/TripAdvisor
É raro alguém usar a buzina no trânsito de Santiago, onde quase não vimos motos circulando

 Na volta para o Brasil, o ônibus que levou os jornalistas convidados pela Volvo até o aeroporto era grande demais para contornar algumas esquinas. Em uma delas, foi preciso manobrar por mais de 10 minutos indo para frente e para trás. Mesmo assim, apesar das filas de carros que se formaram não apenas atrás,mas nos lados do veículo, ninguém tocou na buzina.

Se você é pedestre e está prestes a atravessar a rua, verá que os carros vão parar antes mesmo de pisar da guia. Além disso, quase não vimos motos. Portanto, nada desses veículos de duas rodas passando entre os carros em comboio de 10, 20, 30, buzinando, acelerando e “costurando”.

5 – E o Dodge Charger Interceptor da polícia, hein?

Dodge Charger Interceptor arrow-options
Reprodução/Pinterest
Dodge Charger Interceptor usado pela polícia tem motor V8 de 370 cavalos e portas dianteiras blindadas

 Como curiosidade, não é que um dos carros da polícia de Santigo é um reluzente Dodge Charger Interceptor, com motor HEMI V8 5.7 de 370 cavalos? Entre outros equipamentos, o carro vem com sistema capaz de detectar até 1500 placas por hora, porta dianteiras blindadas e GPS.

LEIA MAIS: Um dos 7 Lykan Hypersport, de 760 cv, chega à frota da polícia de Abu Dhabi

É usado para patrulha e também para perseguições nas estradas, caso seja necessário. No Brasil, os melhores carros que a Polícia Rodoviária tem diusponíveis são Toyota Corolla, Renault Fluence, Volkswagen Jetta e Chevrolet Trailblazer, que andam bem, pero no mucho…