Motor Show

Ford Ranger 2020  tem novas cores, grade frontal redesenhada, mudanças no acabamento interno, entre outras novidades
Divulgação
Ford Ranger 2020 tem novas cores, grade frontal redesenhada, mudanças no acabamento interno, entre outras novidades

A Ford Ranger mudou, embora você tenha que prestar bastante atenção para perceber isso. O tapa no visual foi bastante discreto: há apenas novas grade frontal (com o mesmo formato externo, mas um novo elemento central), para-choques e faróis (xenônio e DRL em LED na Limited), além de rodas com novo acabamento e mudanças nos materiais usados no revestimento da cabine. Porém as principais novidades da linha 2020 dessa picape média fabricada na Argentina você não vai notar com os olhos – já que a marca aproveitou para fazer também algumas importantes alterações mecânicas.

LEIA MAIS: Veja 5 picapes intermediárias que serão lançadas no Brasil até 2025

Traseira segue a ideia de robustez que é ponto de partida comum às picapes
Divulgação
Traseira segue a ideia de robustez que é ponto de partida comum às picapes

As suspensões foram recalibradas e modificadas na Ford Ranger 2020 . Na dianteira há novos coxins, barra estabilizadora redesenhada e novas molas e amortecedores, enquanto na traseira a novidade é a nova calibração do conjunto. As alterações permitiram baixar de 35 para 30 libras a pressão mínima dos pneus.

E a versão flex não existe mais. A configuração XLS usa o motor 2.2 turbodiesel de 160 cv, que pode ser combinada ao câmbio manual ou ao automático, ambos de seis marchas (apenas com tração 4×2). Já as versões XLT e Limited usam o 3.2 turbodiesel de 200 cv, sempre com câmbio automático e tração 4×4.

Mais detalhes da Ford Ranger 2020

painel da Ford Ranger 2020
Divulgação

Ford Ranger 2020 tem computador de bordo com tela colorida entre os itens disponíveis

A Ford mexeu também nos equipamentos: a versão intermediária XLT ganhou bancos de couro, monitor de pressão dos pneus e sensor crepuscular. Já a Limited, que já trazia piloto automático adaptativo, ganhou frenagem automática de emergência e chave presencial.

Você viu?

Outra novidade – em toda a linha – é a tampa da caçamba com assistência de abertura e fechamento, com um novo sistema que utiliza uma mola de torção para reduzir em 70% o peso na movimentação da peça. Na prática, isso significa que é possível fechar a tampa facilmente usando apenas a força dos dedos.

Nosso primeiro contato com a nova Ranger foi na Argentina, em um percurso de 130 quilômetros na região de Mendoza. A versão top Limited , que já atraía pelos equipamentos, agora se destaca também pelo comportamento dinâmico próximo do visto nos SUVs. Macia, porém sem ser molenga, permite trafegar por pisos irregulares a mais de 60 km/h sem trancos ou oscilações excessivas da carroceria.

LEIA MAIS: Ford Ranger 2020 chega ao mercado com mais tecnologia e conteúdo

No asfalto, agradam o silêncio de rodagem e o acerto da direção elétrica. O motor 3.2 garante desempenho condizente com a proposta, mas que não chega a impressionar nas acelerações e retomadas. Vale destacar o funcionamento suave do câmbio automático de seis marchas.


Chassi ou monobloco?

A Ranger 2020 será oferecida em seis configurações, todas cabine dupla e com motor a diesel. Os preços variam de R$ 126.800 (XL Cabine Simples 2.2 4×2 MT) a R$ 192.790 (Limited 3.2 4X4 AT). A estratégia mantém a Ranger na mesma faixa de preços de concorrentes flex como a Chevrolet S10 LTZ 2.5 AT (R$ 130.490) e até da Fiat Toro Endurance (R$ 129.990), que também é a diesel, embora seja menor e com estrutura monobloco, menos robusta.

LEIA MAIS: Conheça 5 picapes médias seminovas que custam até R$ 80 mil

Mesmo na versão XLS,  a Ford Ranger 2020   vem com ar-condicionado digital bizona, piloto automático, multimídia Sync 3, sete airbags e rodas de liga aro 17.


Ficha técnica:

Ford Ranger Limited

Preço básico: R$ 126.800
Carro avaliado: R$ 192.790
Motor: cinco cilindros em linha 3.2, 20V, turbo commonrail
Cilindrada: 3198 cm³
Combustível: diesel
Potência: 200 cv a 3.000 rpm
Torque: 47,9 kgfm de 1.750 a 2.500 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: duplo triângulo (d) e eixo rígido com feixe de molas (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: 4×2 ou 4×4, com reduzida e bloqueio eletrônico do diferencial
Dimensões: 5,354 m (c), 1,860 m (l), 1,848 m (a)
Entre-eixos: 3,220 m
Pneus: 265/60 R18
Caçamba: 1.009 kg / 1.180 litros
Tanque: 80 litros
Peso: 2.261 kg
0-100 km/h: 11,6 segundos
Velocidade máxima: 180 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 8,6 km/l
Consumo estrada: 9,9 km/l
Emissão de CO²: 219 g/km
Nota do Inmetro: D
Classificação na categoria: D (Picape)

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários