Tamanho do texto

Conjunto mecânico veio do e-Golf e o projeto recebe uma série de melhorias que o modernizaram. O mais legal é que o utilitário manteve visual original

VW Kombi arrow-options
Divulgação
VW Kombi Elétrica: Funcionalidade de uma van, eficiência de um e-Golf e visual clássico

A clássica VW Kombi agora virou elétrica. O projeto foi desenvolvido pela própria fabricante, a partir de um modelo bege, ano 1972. Para manter a autenticidade do clássico, até a antiga alavanca de câmbio com haste longa foi mantida. Outra preocupação com preservar a originalidade (adicionando alguma modernidade) é a adoção de um painel de instrumentos digital, mas em formato redondo, como o original.

LEIA MAIS: Clássicos que viram carros elétricos é a nova tendência

A VW Kombi recebeu um motor elétrico e o pacote de baterias que equipam o e-Golf. Mesmo que o projeto tenha origem na própria fábrica, a empresa decidiu que quem faria a conversão seria a norte-americana EV West, especialista no assunto. Seu novo trem de força da Kombi 136 cv com um pacote de baterias de 35,8 kWh, colocado no lugar do antigo motor boxer, de quatro-cilindros de 62 cv. Mas, agora, o câmbio tem apenas uma marcha, no lugar das antigas quatro. O resultado disso é uma autonomia de 201 km.

LEIA MAIS: Volkswagen mostra Kombi do futuro, que dispensa motorista. Veja fotos

A suspensão traseira de feixe de mola foi substituída por uma independente, para lidar com o peso extra das baterias. O pacote de baterias foi fixado sob os bancos dianteiros do VW elétrico em um suporte feito especialmente para a Kombi, no lugar do antigo tanque de combustível. Tal como o conceito I.D Buzz — releitura futurista da Kombi — a sua principal funcionalidade continua sendo levar passageiros e muita bagagem.

Fusca elétrico

VW Fusca arrow-options
Divulgação
VW Fusca elétrico é outro que foi pensado pela própria fabricante para aliar o clássico ao moderno

Antes da Kombi, a própria VW também já tinha feito o VW Fusca elétrico. Em parceria com a alemã “eClassics”, convertam o modelo conversível usando apenas componentes feitos em série pela montadora. As peças usadas no Fusca vieram do e-Up, a versão elétrica do hatch oferecida no mercado europeu. O motor elétrico com potência equivalente a 82 cv permitiu ao modelo clássico atingir os 150 km/h e fazer de 0 a 80 km/h em pouco mais de oito segundos.

LEIA MAIS: Conheça os 5 SUVs novos que mais gostamos de dirigir em 2019

Combinado ao pacote de baterias de 36,8 kWh (posicionadas no assoalho), o Fusca é capaz de rodar até 200 km com uma carga de baterias (o mesmo que a VW Kombi elétrica). Além da retirada do motor e câmbio originais, o carro recebeu reforços no chassi e novos freios. Atração no Salão de Frankfurt (Alemanha) em setembro, chamou bastante atenção dos antigomobilistas.