Tamanho do texto

Alta nas vendas, aprovação do Rota 2030 e os elétricos no salão do automóvel mostram a evolução da indústria de carros

O futuro dos carros já começou. Atualmente, o Chevrolet Onix lidera as vendas de automóveis no Brasil
Divulgação
O futuro dos carros já começou. Atualmente, o Chevrolet Onix lidera as vendas de automóveis no Brasil

A indústria automobilística brasileira sempre foi um “motor” para a economia brasileira. Depois dos últimos anos difíceis, o setor ganha agora novo impulso, promete novos investimentos e se prepara para o futuro dos carros. Motivos para essa expectativa não faltam.

LEIA MAIS: Por que os carros subcompactos não deslancham no Brasil?

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou durante o Salão do Automóvel de São Paulo — onde se ensaiou o futuro dos carros em nosso mercado — que o setor registrou crescimento de 15,3% até outubro. Os dados apontam o licenciamento de 2,10 milhões de veículos novos em 2018, contra 1,82 milhão no mesmo período do ano passado.

Somente em outubro foram vendidos 254,7 mil veículos. Para Antônio Megale, presidente da Anfavea, esse resultado mostra a recuperação do setor em 2018. “O número de vendas nos surpreendeu com uma média diária de 11,5 mil veículos. A perspectiva para 2019 é muito boa”, disse.

O futuro dos carros no Brasil

Antes do futuro dos carros, o Kwid é o atual líder em economia entre os dez mais vendidos no País, segundo o Inmetro
Divulgação
Antes do futuro dos carros, o Kwid é o atual líder em economia entre os dez mais vendidos no País, segundo o Inmetro

Um programa de estímulo à competitividade, muito esperado pela indústria automobilística, o chamado Rota 2030, foi aprovado. Esse programa define novas regras para a fabricação e venda dos automóveis no Brasil nos próximos 15 anos.

LEIA MAIS: Mustang mostra a força de sua fama no Brasil

Trata-se de um conjunto de normas que passa a determinar novas metas de eficiência energética dos modelos aqui vendidos; quais itens de segurança se tornarão obrigatórios nos próximos anos; quais novas tecnologias serão desenvolvidas aqui obrigatoriamente.

Com a definição do Rota 2030 , representantes da indústria acreditam voltar a ter, finalmente, um ambiente de estabilidade e previsibilidade no desenvolvimento de novos produtos. As fabricantes terão direito a incentivos fiscais para cumprir metas e investir em programas de pesquisa e desenvolvimento -- algo tido como fundamental no atual ambiente competitivo global, bem como no ambiente local de recuperação da crise.

LEIA MAIS: Conheça a trajetória e os novos rumos do Fiesta

O Rota 2030 é considerado importante passo para as definições de rumos e projetos da indústria. Sem ele, todos os anúncios feitos pelas fabricantes até então foram mais genéricos do que deveriam devido à imprecisão dos dados para garantir uma certa previsibilidade dos investimentos.

O Rota 2030 será dividido em três etapas, cada uma delas durando cinco anos. As primeiras metas estipuladas pelo governo na promulgação do programa abrange a sua primeira fase no quinquênio de 2018 a 2022.

A indústria de carros no Brasil tem números importantes. São 65 fabricantes em 10 estados e 42 municípios. Gera 1,3 milhão de empregos diretos e indiretos e representa 4% do PIB nacional. O Brasil é o nono fabricante mundial de veículos.

Futuro dos carros movido à eletricidade

Elétrico Chevrolet Bolt é um grande passo para o futuro dos carros virá ao Brasil. Poderá ser fabricado aqui em 2020
Divulgação
Elétrico Chevrolet Bolt é um grande passo para o futuro dos carros virá ao Brasil. Poderá ser fabricado aqui em 2020

Enquanto em várias partes do mundo, os salões de automóveis parecem ter menos interesse, no Brasil a história é diferente. O Salão do Automóvel, no São Paulo Expo, que terminou no dia 18 de novembro, reuniu 742 mil visitantes em 11 dias, segundo a organização do evento. Entre os carros do sonho, esportivos de luxo e lançamentos nacionais, os veículos elétricos despertaram a curiosidade do público. Três marcas mais populares anunciaram a venda de seus 3 primeiros elétricos no país: Chevrolet Bolt, Nissan Leaf e Renault Zoe.

Só os preços anunciados não foram muito bem recebidos pelo público já que esses elétricos são importados e a tecnologia ainda têm custo alto. O mais em conta será o Zoe, por R$ 149.990. O Bolt custará R$ 175 mil e o Leaf, R$ 178,4 mil.

Elétrico Renault Zoe é a aposta francesa para o futuro dos carros. Foi uma das novidades no Salão do Automóvel
Caue Lira/iG
Elétrico Renault Zoe é a aposta francesa para o futuro dos carros. Foi uma das novidades no Salão do Automóvel

Sem dúvida, baratear os carros será um dos grandes desafios do novo programa para o setor automotivo. Daqui dois anos, talvez, os carros elétricos deixarão de ser uma curiosidade para se tornar um veículo popular. O futuro dos carros promete ser inovador, eficiente e inusitado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.