Tamanho do texto

Evento é famoso pela sua beleza natural, pelas novidades que sempre revelou e o apelo responsável por reunir visitantes do mundo todo

No clima do Salão de Paris, o Automóvel Clube de France cria a primeira "Exposição Internacional de Automóveis" no terraço do Jardin des Tuileries. Nenhum carro podia ser incluído na exposição se não tivesse sido previamente apresentado na presença de um comissário e feito a viagem de Paris a Versalhes, ida e volta, usando os próprios meios.

LEIA MAIS: E-Tron, primeiro Audi elétrico fabricado em série na história da marca alemã

A exposição se moveu para o que foi o símbolo do Salão de Paris por 60 anos: o Grand Palais. Levado de volta pelos fabricantes, o salão continua seu crescimento até 1914. A motocicleta aparece na denominação da Exposição anual: "Exposição Internacional do Automóvel, Moto e Esportes" .

Na década de 1930, os efeitos da crise foram sentidos. O número de expositores diminuiu e a pressão de fabricantes estrangeiros aumentou. O motor show não aconteceu entre 1939 e 1945. Mas dias melhores eram ansiosamente aguardados.

Paris 1946 é a primeira feira do pós-guerra na Europa. Os franceses, libertados, correm para o Grand Palais. Eles foram quase 810.000 em dez dias. Carros elétricos reaparecem (eles já estavam presentes em 1923). Em 1949, por falta de espaço, o salão aconteceu de 6 a 16 de outubro e de 27 de outubro a 6 de novembro, onde as motos foram colocadas no salão principal.

LEIA MAIS: XC60, carro chefe da Volvo no Brasil, chega com motor a diesel

Salão de Paris: um marco da história

Glamour é a palavra que define o Salão de Paris- como este de 1959 (foto) - tal como a moda francesa
Divulgação
Glamour é a palavra que define o Salão de Paris- como este de 1959 (foto) - tal como a moda francesa

O salão é realizado ao mesmo tempo no Porte de Versailles e no Grand Palais. Atinge registros de riqueza sem precedentes. As novidades seguem-se e o poder de compra aumenta. As animações dos construtores aparecem durante os anos 50. O Grand Palais se torna realmente muito pequeno, os bicicletas e as motocicletas vão para Porte de Versailles com os veículos industriais. Em 1951, o Salão tornou-se "Salão do Automóvel, Bicicleta e Motocicleta".

O automóvel entra nos tempos modernos da concentração industrial. Esta é a primeira exposição dedicada à carros de recreação, os motohomes, com caravanas de campismo. Denise Colcombet se torna a primeira mulher a vender carros em uma feira.
A área de exposição no Grand Palais atinge 80.000 m². Os congestionamentos nas proximidades se tornaram cada vez mais importantes. Pela primeira vez, foi alcançado o marco de um milhão de visitantes.

As novidades apareceram em grande número, começando com o DS 19 Citroën. Mas o número de visitantes caiu: os fabricantes apresentaram seus modelos antes da exposição. A crise do Canal de Suez, a guerra argelina e a guerra fria também influenciaram a opinião pública.

LEIA MAIS: Cactus: será que o SUV dará um “up” na Citroën no Brasil?

Diversidade e muita gente sempre. O Salão de Paris é referência na Europa e no mundo
Divulgação
Diversidade e muita gente sempre. O Salão de Paris é referência na Europa e no mundo

Pela primeira vez, estamos testemunhando a chegada de um carro japonês, o Prince Skyline (a marca mais tarde se tornaria a Nissan). Este evento confirmou a influência internacional do do Salão de Paris.

O general De Gaulle impõe um novo estilo de visita, em um comitê restrito, sem público ou shows. Em 1962, todo o Salão mudou Porte de Versailles com uma exposição especial temática: 50 anos de carros do Grande Prêmio.

Em 1993, o Salão da Motocicleta e o Salão da bibicleta são agrupados em um "Mondial de Duas Rodas" que ocupou pela primeira vez o prédio 1, o mais prestigiado do Parc des Expositions de Paris, Porte de Versailles, em uma área de 55.000 m².
Uma exposição retrospectiva especial e desfile na Champs-Elysées ocorreu para o 100º aniversário do Salão do automóvel , sob a presidência de Pierre Peugeot.

O Salão do Automóvel de Paris acompanhou as mudanças em segurança automotiva, energias alternativas, meio ambiente e o aumento do mercado de automóveis para os países emergentes. O Salão confirmou seu primeiro lugar em todo o mundo, com todo o apelo dos carros franceses .

LEIA MAIS: Como andam dois modelos importados da Honda: Civic Si e o novo CR-V

O principal evento automotivo do mundo, com 1.072.697 visitantes em 2016 e 10.000 jornalistas, incluindo 55% de 100 países, o Mondial de l'Auto também é o evento mais antigo dedicado ao carro. lembrando de passagem que o automóvel é uma invenção francesa! No coração de Paris, o Salão é sempre um convite para renovar o seu sonho de automobilismo. Em 2018, comemora 120 anos.

O Salão de Paris já não é mais o mesmo dos primeiros anos da atual década. Enfraqueceu e este ano grandes marcas não estarão presentes, como Volkswagen e Ford, além de outras. Os principais lançamentos não são mais realizados durante a mostra. As marcas apresentam antes os seus produtos e com isso o interesse cai bastante, principalmente por parte da imprensa.

Mas, mesmo assim, o Salão de Paris continua sendo o mais charmoso do mundo e na edição 2018, que abre para o público no dia 4 de outubro, ainda haverá grandes novidades. Será o salão das marcas premium e esportivas e também de energias alternativas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.