Tamanho do texto

A avaliação da versão 2018 da linha CB 650 da Honda foi no novo autódromo de Curvelo. Saiba mais detalhes sobre a moto esportiva

A esportiva Honda CBR 650F em ação no novo Autódromo Internacional de Curvelo, em Minas Gerais
Divulgação
A esportiva Honda CBR 650F em ação no novo Autódromo Internacional de Curvelo, em Minas Gerais

A fascinação por motocicletas equipadas com motores de quatro cilindros em linha é antiga, mas foi com a Honda CB 750 Four, de 1969, que ela atingiu praticamente todos os motociclistas, mesmo aqueles que nunca tiveram em suas mãos uma quadricilíndrica. A princípio a atração era principalmente visual, já que o largo motor praticamente extrapolava os limites laterais demarcados pelo tanque de combustível, criando uma aparência musculosa. Mas era também auditiva, pois logo se descobriu o famoso escapamento quatro-em- um, sem silencioso, resultando em um dos mais belos roncos oriundos de uma motocicleta.

LEIA MAIS: A Honda CB 650F e seus quatro cilindros. Confira mais detalhes

Quase 50 anos depois, uma das muitas descendentes da CB 750 Four, a Honda CBR 650F – e sua versão naked CB 650F –, não precisam mais do visual do motor e nem do som do escape para atrair seus adeptos, mas sim de bastante tecnologia e precisão de pilotagem. Lançadas já como versões 2018, as duas 650 produzidas em Manaus, AM, foram apresentadas à imprensa em um local igualmente cativante: o novíssimo Autódromo Internacional de Curvelo, em Minas Gerais, na cidade de mesmo nome distante 164 km de belo Horizonte. O Circuito dos Cristais, como já é conhecido, foi perfeito para essa avaliação, com seus 4.400 metros de pista e 17 curvas de vários tipos, inclusive em desnível. Tudo fez parecer o trabalho uma grande diversão, moto e pista.

Honda CBR 650F:apesar de não ser uma moto superesportiva, garante uma experiência fantástica de pilotagem
Divulgação
Honda CBR 650F:apesar de não ser uma moto superesportiva, garante uma experiência fantástica de pilotagem

A Honda CBR 650F 2018 mudou pouco, mas em pontos estratégicos, que a fizeram ficar um pouco mais rápida em retomadas e mais estável em frenagens e curvas. As duas versões, esportiva e naked, têm o motor DOHC de quatro cilindros em linha e refrigerado a água de exatos 649 cm 3 , com potência de 88,5 cv e torque de 6,22 kgfm. São 1,5 cv a mais que as 650 2017, graças a um novo sistema de captação de ar para o motor, com dutos mais largos, e um novo escapamento, resultando em um fluxo mais livre.

O câmbio continua com seis marchas, mas as relações da 2ª, 3ª e 4ª marchas foram encurtadas, de forma que a motocicleta acelera e retoma mais rapidamente, sem que fosse alterada sua velocidade final.

LEIA MAIS: Honda CB500X se mostra uma moto versátil. Confira a avaliação

 Na parte ciclística, manteve-se o quadro de aço do tipo diamante, mas a suspensão dianteira passa a ser progressiva, com amortecimento muito mais firme em tocadas esportivas, quando ela se aproxima do final de curso. O sistema de duas válvulas de passagem de óleo extra tem o nome de SDBV (Showa Dual Bending Valve).

Honda CBR 650F tem mostradores digitais, mas ficaria melhor com um guidão mais baixo
Divulgação
Honda CBR 650F tem mostradores digitais, mas ficaria melhor com um guidão mais baixo

Visualmente, as mudanças tanto na CB 650F quanto na CBR 650F podem ser mais facilmente notadas colocando a versão 2018 ao lado da 2017: carenagem menor na CB e nova carenagem na CBR; faróis de leds em ambas, assim como o painel de instrumentos totalmente digital, motor, balança traseira e rodas pretas (estas antes eram douradas) e, é claro, novos grafismos.

A Honda CBR 650F não é uma superesportiva como a CBR 600RR, por esse motivo na tocada extremamente rápida em um circuito oficial podemos notar seus limites mais próximos. Mesmo assim, a experiência é fantástica, principalmente após algumas voltas “pegando a mão” da motocicleta e do traçado. Carenagem não é suficiente para uma motocicleta ser esportiva, a CBR ficaria mesmo muito melhor na pista se tivesse guidão bem mais baixo.

LEIA MAIS: Kawasaki Z800 vai bem em qualquer situação: pista, cidade ou na estrada

Mas não é uma moto de pista...

Já a naked CB 650F tem uma posição de pilotagem mais elevada, apesar da redução da altura do guidão de 2017 para 2018. A ausência da carenagem é sentida, tanto quanto à aerodinâmica quanto ao peso do conjunto: a CB tem a frente mais leve, parecendo ser mais fácil de ser pilotada no limite, mas é preciso manter o peso mais à frente, principalmente nas altas velocidades de fim de reta.

A Honda CB 650F e a Honda CBR 650F têm preços de R$ 33.900 e R$ 35.500 e estão disponíveis nas cores vermelha e azul. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.