Tamanho do texto

Confira o vídeo de avaliação da configuração topo de linha do SUV, com preço sugerido de R$ 179.990

Ele está à venda no país desde maio e continua despertando o interesse de muitas pessoas. Falo da nova geração do Volkswagen Tiguan, que tem preços entre R$ 124.990 e R$ 179.990, opção de motor 1.4 e 2.0 turbo e versões de cinco e sete lugares. Só nesta semana, recebi 12 mensagens no meu Instagram (@decaronacomleandro) de seguidores perguntando sobre o segmento de SUVs médios e se a novidade da Volks é uma boa compra na configuração topo de linha, batizada de R-Line. Bom momento, portanto, para compartilhar com vocês o vídeo que gravei com o modelo.

LEIA MAIS: Jeep Renegade flex: por que comprar e por que não comprar o SUV?

Com 4,70 metros de comprimento, o novo Volkswagen Tiguan é 27,4 cm maior que seu antecessor e tem distância entre-eixos 18,5 cm superior, com consideráveis 2,79 m. São números que compensam o longo intervalo de quase dez anos entre uma geração e outra no Brasil. O belo design da carroceria é totalmente novo e segue um estilo mais de perua grande do que propriamente um utilitário-esportivo, tal como o rival Chevrolet Equinox.

GTI com esteróides

Volkswagen Tiguan Allspace 2019: SUV do GTI é recheado de design, conforto e desempenho
Divulgação
Volkswagen Tiguan Allspace 2019: SUV do GTI é recheado de design, conforto e desempenho

A versão de topo tem um apelo visual mais esportivo. O para-choque com entradas de ar maiores e os apliques cromados e pretos deixam o SUV com um ar imponente, em conjunto com o defletor traseiro maior e as rodas de 19 polegadas. A inscrição R-Line está presente na grade frontal, nos para-lamas dianteiros, nos bancos e no volante multifuncional também com design próprio, com couro perfurado. Vale destacar ainda as pedaleiras cromadas, outro item específico da configuração de R$ 179.900.

LEIA MAIS: Ford Ka Freestyle encara linha 2019 de Chevrolet Onix Activ e Hyundai HB20X

Das três versões disponíveis, duas são equipadas com motor 1.4 turbo flex de até 150 cv e câmbio de seis marchas e dupla embreagem, sendo a de entrada a única com carroceria de cinco lugares - teremos em breve um vídeo dedicado a esta motorização. A topo de linha, R-Line, destaque desta coluna, utiliza propulsor 2.0 turbo de 220 cv com injeção direta de gasolina e transmissão de dupla embreagem e sete velocidades.

Ela dispõe também de tecnologias não oferecidas nas demais configurações, como tração integral, seletor de modos de condução, chave presencial, partida por botão, quadro de instrumentos digital, abertura e fechamento automático do porta-malas, park assist e controlador de velocidade adaptativo.

LEIA MAIS: Chevrolet Cruze LT: o sedã médio de melhor custo-benefício do Brasil

De série, o novo Tiguan traz seis airbags, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, ar-condicionado digital de três zonas, controles de tração e estabilidade, lanternas de led, volante multifuncional com ajustes de altura e profundidade, freio de estacionamento elétrico com a função Auto-Hold, sensor de chuva, sistema start-stop, luz diurna de led, central multimídia com tela sensível ao toque e suporte aos principais sistemas de conectividade com smartphones, detector de fadiga do motorista, monitoramento da pressão dos pneus e três entradas USB. O único opcional é o teto panorâmico, por R$ 4 mil.

Ao volante, bastam alguns quilômetros para se sentir as evoluções do novo Tiguan, que é mais confortável, seguro e gostoso de dirigir frente ao antecessor. Motor e câmbio trabalham em ótima sintonia, garantindo desempenho satisfatório tanto em acelerações quanto em retomadas de velocidade. Mesmo sendo mais pesado que seu predecessor, a sensação de agilidade é maior.

LEIA MAIS: Volkswagen Virtus: 5 coisas que não te contaram sobre o modelo

De acordo com o fabricante, o zero a 100 km/h é executado em 6,8 segundos. O melhor de tudo é que o bom desempenho preserva qualidades como o ótimo isolamento acústico da cabine (o conta-giros marca 2.100 rpm a 120 km/h), a suavidade das trocas de marcha e as boas médias de consumo. Segundo a Volkswagen, a versão R-Line faz 8,3 km/l na cidade e 9,6 km/l na estrada.

Interior com acabamento caprichado e boa dose de sofisticação é um dos destaques da versão topo de linha do Tiguan
Divulgação
Interior com acabamento caprichado e boa dose de sofisticação é um dos destaques da versão topo de linha do Tiguan

O volante de base reta e boa empunhadura reforça a ergonomia caprichada da cabine, repleta de materiais de toque macio e de porta-objetos. Espaço, aliás, é o que não falta até a segunda fileira de bancos. A terceira, como em todo modelo de sete lugares, é de difícil acesso, mas no Tiguan é apertada além da conta para pessoas com mais de 1,80 m. Com os bancos extras rebatidos, o porta-malas comporta consideráveis 686 litros, 240 l a mais que o antigo – com todos os assentos armados, o volume cai para 216 l.

As suspensões independentes filtram com eficácia as imperfeições do asfalto sem comprometer o nível de conforto do Tiguan, que segue a tendência dos novos SUVs de se parecerem com sedãs no comportamento firme da carroceria, mesmo em curvas. Ponto positivo também para o isolamento acústico da cabine. A 120 km/h, o conta-giros registra 2.400 rpm e sequer se ouve o ruído do vento.

O quadro de instrumentos digital do Volkswagen Tiguan tem um layout mais elegante que o adotado no Polo e no Virtus e possibilita inúmeras configurações. Semana que vem tem mais, então bora de carona!

Escreva para coluna De Carona com Leandro no Youtube  ou no  Instagram

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.