Tamanho do texto

Neste vídeo, mostramos como foi o evento de lançamento da picape Mercedes Classe X, uma das atrações do Salão do Automóvel de São Paulo

Você está mais do que acostumado a ler avaliações dos lançamentos automotivos aqui no iGCarros, mas já parou para pensar em tudo que acontece durante o evento de apresentação de um novo modelo? É isso que eu mostrarei na coluna desta semana, tendo como protagonista uma das novidades do Salão do Automóvel deste ano: a Mercedes Classe X.

LEIA MAIS: VW Amarok V6 satisfaz no desempenho e no conforto. Veja vídeo

Antes de apertar o play e conferir os detalhes de um lançamento (a viagem, o hotel, os passeios, os jantares e, claro, o carro!), quero passar as minhas impressões sobre a primeira picape média de luxo do mundo, a Mercedes Classe X , que começará a ser vendida no próximo ano no Brasil.

A Classe X, que avaliamos no Chile, promete ser a nova referência em termos de requinte e conforto da categoria, embora preserve alguns detalhes de sua base de criação, a Nissan Frontier. Fabricada na Argentina, terá três opções de motor no nosso país: 2.3 turbodiesel de 163 cv e 2.3 biturbo diesel de 190 cv (de origem Nissan), além do 3.0 V6 turbodiesel de 258 cv, utilizado pelo SUV GLE.

O preço é uma incógnita, mas de acordo com a Mercedes será agressivo. A estimativa é de que a tabela comece em R$ 190 mil para a versão de entrada (X 220 d) e chegue a R$ 230 mil na configuração 2.3 topo de linha (X 250 d), que dirigi por mais de 500 quilômetros, entre estradas de terra e asfalto. Para a V6 (X 350 d), os rumores são de um valor inicial de R$ 250 mil.

LEIA MAIS:  Jeep Compass: teste na terra e no asfalto. Saiba mais detalhes no vídeo

Embora compartilhe elementos da atual geração da Frontier , como chassi, cabine, motor e câmbio – graças a uma parceria da montadora alemã com a aliança Renault-Nissan –, a Classe X transmite ao volante a mesma sensação de outros modelos dotados da estrela de três pontos. A empunhadura do volante é precisa, bem como o ajuste da posição ideal ao volante, ainda que haja apenas regulagem de altura da coluna de direção. Para os bancos dianteiros, há ajustes elétricos e de lombar, além de sistema de ventilação e aquecimento.

O nível de acabamento é superior em relação ao da Nissan, com direito a imitação de aço escovado no painel e áreas de toque macio. Mas a “gourmetização” não foi aplicada por completo. Há algumas partes de plástico duro e sem textura e muitos resquícios de Frontier, como a chave presencial, que recebeu apenas a logo da Mercedes. Os botões dos vidros elétricos, a manopla do câmbio automático de sete marchas, os botões da base do console (como o seletor do tipo de tração), o botão de partida do motor, as maçanetas externas das portas e o retrovisor fotocromático são idênticos aos da picape parceira.

Dirigindo o Mercedes Classe X

Mercedes Classe X é fabricada na Argentina e chegará ao Brasil em 2019 com a mesma base de Frontier e Alaskan
Divulgação
Mercedes Classe X é fabricada na Argentina e chegará ao Brasil em 2019 com a mesma base de Frontier e Alaskan

Em ação, porém, bastam alguns quilômetros para compreender que o utilitário Classe X difere muito de sua colega de segmento. O ruído do motor biturbo diesel é praticamente nulo, bem como as vibrações em marcha lenta. A 120 km/h, os ocupantes não ouvem sequer o som do vento passando pelos retrovisores. O câmbio automático de sete marchas, também herdado da Nissan, é rápido e preciso nas trocas e gerencia com eficácia os 45,8 kgfm de torque, entregues entre 1.500 e 2.500 rotações.

As retomadas são ligeiras, inclusive no modo de trocas sequenciais pela alavanca. Aletas atrás do volante só são encontradas na versão V6, que utiliza a caixa automática de sete velocidades de origem Mercedes, associada à tração 4Matic permanente. Na Classe X de quatro cilindros, a tração predominante é 4x2, com 4×4, reduzida e bloqueio do diferencial traseiro ativados por botão. Seletor de estilo de pilotagem é outro recurso presente só na configuração X 350 d.

Em curvas, o novo modelo confirma que vai intimidar as rivais com uma excelente estabilidade e mínima rolagem da carroceria, mesmo em velocidades mais altas. O caprichado acerto de suspensões é notado também ao passar por imperfeições. O pula-pula típico da categoria é muito baixo – resta saber como será nas vias esburacadas do Brasil – e o nível de conforto, elevado, com ótima absorção de impactos até no fora de estrada.

LEIA MAIS: Kia Sportage: o importado mais vendido do Brasil vale a compra. Mas...

A direção hidráulica é bem calibrada para rodar acima dos 100 km/h, mas não facilita a vida do motorista nas manobras, em função do excesso de peso. Recursos de comodidade e segurança, entretanto, ajudam no processo, como os sensores de obstáculos dianteiros e traseiros e a câmera de 360º, com diversas possibilidades de visualização.

A lista de equipamentos da picape Classe X é extensa, mas não perfeita. A versão avaliada trazia assistente de manutenção de faixa (acionado por um botão no lado esquerdo do painel, faz o volante vibrar levemente quando a roda invade a outra pista), faróis de led, central multimídia de 8,4 polegadas (não sensível ao toque e pouco intuitiva no primeiro contato, como em outros Mercedes), rodas de liga leve de 18 polegadas, sistema de comando de voz, sete airbags, controle de estabilidade e tração, controlador e limitador de velocidade, assistente de partida em rampa, controle eletrônico para descidas, volante multifuncional, ar-condicionado digital de duas zonas, botão SOS para situações de emergência, isofix, três tomadas 12V e duas entradas USB no porta-objetos entre os bancos. Os vidros elétricos têm função um toque só para as janelas da frente.

Com 3,15 metros de entreeixos, o espaço interno da picape Mercedes é suficiente para levar cinco adultos com conforto. O assoalho praticamente plano facilita a acomodação do ocupante que viaja no meio do banco de trás. Há encosto de cabeça e cinto de três pontos para todos, assim como saída de ventilação para o assento traseiro. A capacidade de carga da caçamba é de 1.016 quilos.

LEIA MAIS: 10 coisas que você precisa conhecer do Peugeot 3008

Durante a longa avaliação, o consumo médio de 12,9 km/l de diesel animou por ser ligeiramente melhor que o declarado pelo fabricante: 12,6 km/l. De acordo com a fabricante, a  Mercedes Classe X faz 10,4 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada.  Agora que você sabe tudo sobre a picape, bora conferir os bastidores do lançamento!

 Escreva para coluna De Carona com Leandro no  Youtube ou no Instagram

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.