Tamanho do texto

Confira o exemplar que faz tributo ao modelo mais esportivo que o XR3

A Europa dos anos 70, a partir de sua metade, ficou marcada pelo surgimento daqueles que seriam objeto de desejo e, em sua grande parte, estavam também dentro do orçamento de uma parcela da população: os hot hatches, veículos compactos e divertidos de guiar, como o Ford Escort.

LEIA MAIS: BMW Z3 se tornou referência entre roadsters modernos

Se olharmos hoje o mercado europeu veremos que todas as marcas, de maneira geral, têm uma opção mais divertida dentro da gama de modelos. Essa tradição onde as siglas sempre significaram algo e voltada a carros compactos permanece e tem um nicho próprio de compradores. Eis que surge o Ford Escort .

O Escort é um desses modelos. Lançado em 1968 fez história nos ralis e também nas ruas. A terceira geração, quando ele passou a ser vendido oficialmente por aqui, também marca a chegada da versão esportiva, o XR3. Faróis auxiliares, saias, spoliers, aerofólio e teto-solar, entre outras coisas, eram seus diferenciais.

No velho continente o XR3 evoluiu muito mais. Em 1982 a versão já era equipada com injeção eletrônica, o XR3i. No ano seguinte chegaria o 1600 RSi e, em 1984, o RS Turbo, com 132 cv, body kit específico e série limitada a 5.000 unidades.

Ford Escort no Brasil

O body-kit do Ford Escort RS Turbo faz menção ao modelo europeu
Renato Bellote/iG
O body-kit do Ford Escort RS Turbo faz menção ao modelo europeu

No Brasil o XR3 não conseguia ser tão esportivo quanto o Gol GT, 85 cv contra 99 cv, respectivamente. Por outro lado, dava um banho na parte estética e itens de série, como já citados. Mas um apaixonado pelo modelo resolveu fazer uma homenagem ao RS Turbo de forma bastante especial.

LEIA MAIS: VW Gol GT é símbolo de uma década

O exemplar da matéria é um tributo, como chamado lá fora, e visualmente busca ser idêntico ao europeu. Para isso o proprietário, que tem outros XR3, partiu de um exemplar esportivo para construir algo diferente, do body kit, feito sob medida, à forração interna, com destaque para o volante e os bancos Recaro.

LEIA MAIS: VW Kombi encurtada rouba a cena no trânsito de São Paulo

O motor continua o CHT de 1,6 litro. Mas em breve também passará por uma preparação leve. Ele me disse que pretende colocar um kit da época da IHI turbo ou Larus. Então voltarei a encontrá-lo para contar mais um capítulo dessa história. 

Há alguns meses, aceleramos um Escort que foi utilizado como Pace Car. A parte externa do XR3 ainda trazia aerofólio, teto-solar, rodas de 14 polegadas e belo desenho e também os quatro faróis auxiliares, que além do longo alcance davam a ele um charme especial. Internamente o acabamento da Ford era um dos pontos altos e também o volante de pequeno diâmetro.

LEIA MAIS: Ford Escort Pace Car: confira o vídeo do raro esportivo 

Já o Ford Escort Pace Car é ainda mais raro. Uma versão que gera curiosidade das pessoas e também é pouco conhecida do grande público. Ela foi criada como caro-madrinha do GP Brasil de F1 de 1984 e trazia, como diferencial, a pintura e adesivos alusivos à série especial.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.