Tamanho do texto

Com apenas 1 mil unidades lançadas, versão especial tinha 99 cv de potência e pintura que lembrava o de carro de F1 dos anos 90

Escort XR3 Benetton é lembrado pelos fãs como um dos mais emblemáticos. Modelo também teve versão
Renato Bellote/iG
Escort XR3 Benetton é lembrado pelos fãs como um dos mais emblemáticos. Modelo também teve versão "Laser"

O Escort XR3 chegou ao mercado brasileiro em 1984. Trazia espírito esportivo e, especialmente, um estilo que marcou época e fez muita gente sonhar acordado com a simples possibilidade de acelerar o hatch, cujo slogan era “A máquina total”. Não foi à toa que o garoto-propaganda era Ayrton Senna.

LEIA MAIS: Uno R 1.6: swap de motor leva hatchback aos 137 cv de potência

Ao contrário do Escort XR3 europeu, onde recebeu o motor de 96 cv, por aqui a Ford preferiu utilizar o CHT, de concepção mais antiga. Vale ressaltar que a versão esportiva tinha algumas melhorias  nas câmaras de combustão e carburação, para garantir 82 cv. Mas os VW ainda andavam na frente.

LEIA MAIS: Puma GTE: o mais bem-sucedido fora-de-série nacional

Com a Autolatina Ford e VW começaram a dividir tecnologia e os famosos irmãos “quase” gêmeos, como Apolo e Verona, além da dupla Santana/Quantum e Versalhes/Royale. Porém uma grande vantagem para o XR3 estava bem debaixo do capô.

O moto CHT deu lugar ao AP-800, o que mudou drasticamente o comportamento do hatch. Com 99 cv e um acabamento superior o XR3 realmente ganhou em esportividade, com números muito interessantes e compatíveis com sua proposta.

O ano de 1989 foi especialmente importante. A versão que trago aos leitores nessa semana é oficialmente chamada de Super Sport e também o primeiro modelo brasileiro com os para-choques pintados na cor do veículo. Algo cheio de charme e que causou impacto na época.

Mas o apelido Benetton logo se sobressaiu e marcou o carro para sempre. Além da combinação branca com o filete verde, a versão esportiva trazia também painel com novidades de ergonomia e o já citado bom acabamento da marca.

Guiar o XR3 com motor de 1,8 litro é bem divertido. O modelo utiliza também o câmbio de 5 marchas do Golf, com engates precisos e um bom acerto de suspensão. Vale lembrar que o Benetton foi limitado a 1.000 unidades. 

Escort XR3: 37 anos de história

O raro Ford Escort XR3 Pace Car junto com a versão convencional, ambas de meados dos anos 80
Renato Bellote/iG
O raro Ford Escort XR3 Pace Car junto com a versão convencional, ambas de meados dos anos 80

Quando o Escort XR3 foi lançado por aqui, vinha com motor 1.6 CHT Fórmula, movido a etanol, com carburador de corpo duplo, que rendia 82,9 cv, de acordo com a fabricante. Ayrton Senna foi o garoto-propaganda e o hatch da Ford chegou às lojas custando uma pequena fortuna.

LEIA MAIS: Volvo 850 R-T5: tijolo supersônico da Suécia

O Escort XR3 tinha suspensão diferenciada, molas e amortecedores pressurizados com mais carga e barra estabilizadora mais grossa. O motor CHT Formula conta com cabeçote com válvulas 40mm, comando com maior graduação, carburador Weber com venturis maiores, radiador de óleo e coletor especial, gerando os 82,7cv (10 cv a mais do que versão comum). O diferencial tem relações mais curtas para aproveitar a elevação da faixa de torque.