Os esportivos da década de 80 são apaixonantes. Antes de lhes mostrar o Fiat Uno, vale lembrar, e já falei aqui em algumas oportunidades, que o período ficou marcado tanto pelos modelos fora-de-série, como o Puma GTE da semana passada, como também pela inovação e criatividade das montadoras.

LEIA MAIS: Puma GTE: o esportivo mais bem-sucedido fora-de-série nacional. Assista ao vídeo

O Fiat Uno  , na versão 1.5 R,  é um exemplo. Lançado em 1985 chegou ao mercado com litragem menor do que os concorrentes, mas pontos fortes, como acerto de suspensão e câmbio curto. Aliás, na época, em uma viagem de família, vi um deles desaparecer em um trecho de serra. Sensacional.

LEIA MAIS: VW Passat GLS: uma versão rara que recebe o motor 1.8 da versão esportiva GTS

undefined
Renato Bellote/iG
Fiat Uno 1.6 R com swap para motor de Línea 1.9 é diversão garantida, com 137 cv e fortes 21 kgfm

A evolução da versão trouxe o 1.6 R. Um pouco mais potente e com os predicados já citados ele também marcou uma época em que a Fiat criava coisas diferentes no mercado. Uma delas foi o painel, com os comandos à mão e ergonomia excepcional.

LEIA MAIS: Monza Classic 500 EF: a versão exclusiva de um sucesso de vendas

Mas o carro da coluna nessa semana é um pouco diferente. Ao longo dos anos muitas receitas de preparação foram sendo usadas e desenvolvidas. Turbo e aspirado – semana que vem trago uma Parati Surf dessa forma – sempre despertaram paixões e opiniões diversas.

LEIA MAIS: Confira os grandes clássicos da VW no Salão do Automóvel 2018

Fiat Uno "1.9 R", com swap de motor

undefined
Renato Bellote/iG
Fiat Uno recebeu coletor de escape retrabalhados, com flanges que permitem mais fluxo, e um filtro de ar esportivo

Uma terceira forma, e gosto bastante, é o swap, ou seja, a mudança da mecânica original por uma mais potente. Isso vem sendo feito há décadas e em alguns casos com poucas adaptações. É o caso desse 1.6 R que se tornou 1.9 R.

LEIA MAIS: Assista ao vídeo do raro Opel Ascona, que corresponde ao Monza europeu

A receita incluiu uma ideia simples e bastante funcional. O propulsor original deu lugar a um motor de Linea, comprado novo, com 1,9 litro e 137 cv. A mudança exigiu pouca adaptação e o cofre permanece com aparência original. Serviço nota dez, considerando a complexidade de um procedimento mecânico como esse que foi realizado no hatch esportivo.

LEIA MAIS: Mercedes-Benz SL 60 AMG: presente do jogador Bebeto é exemplar único no Brasil

undefined
Renato Bellote/iG
O Fiat Uno ganhou gerenciamento programável de injeção da FuelTech, mas mesmo assim, conserva a originalidade

A dirigibilidade do Fiat Uno ficou bem divertida. Se a versão já provocava os instintos de pisar fundo agora esse desejo aumentou. Com a cavalaria extra cada pisada no acelerador é acompanhada de um sorriso no rosto e corpo colado no banco. E o melhor de tudo: a aparência continua original. Espero que tenha gostado do "pequeno notável". Até a semana que vem!

    Veja Também

      Mostrar mais