Tamanho do texto

Versão topo de linha, com motor 2.0, de 16 válvulas tinha certo apelo esportivo, estilo arrojado e boa dose de sofisticação para a época

Chevrolet Vectra verde arrow-options
Renato Bellote/iG
Chevrolet Vectra CD 2.0 com 16 válvulas no cabeçote era a versão topo de linha do sedã mais desejado do fim dos anos 90

O segmento dos sedãs médios faz sucesso no Brasil há algum tempo. Pelo menos, 30 anos. Se levarmos em conta a mudança que houve nos anos 80 com a chegada dos carros mais compactos veremos que Monza e Santana já começaram essa briga na época.

LEIA MAIS: Chevrolet Bonanza: SUV raiz teve menos de 4 mil unidades produzidas. Veja vídeo

De lá para cá muitas novidades e mudança no estilo, tamanho e, o mais importante, na tecnologia dos automóveis. A chegada dos modelos japoneses no início dos anos 90 foi crucial para a evolução do segmento, com mais concorrentes disputando o mesmo público que tinha no Chevrolet Vectra um exemplo a ser seguido.

Na semana passada, o lançamento do Toyota Corolla com a tecnologia híbrida iniciou uma nova era na disputa do nicho dos sedãs médios. A partir de agora a ideia de eletrificação passa a ser mais “popularizada” e certamente teremos novidades nesse sentido nos próximos anos.

LEIA MAIS:  Opala Diplomata: exemplar zerado de 1992 traz apenas 70 mil km

Mas agora voltamos aos anos 90. Quando a segunda geração do Vectra  chegou ao mercado significou uma verdadeira revolução no segmento. O estilo europeu moderno da Opel , com um design bastante fluido, caiu como uma luva dentro de algo que as pessoas estavam buscando. Resultado: o carro foi um sucesso de vendas.

Detalhes do Chevrolet Vetcra CD 2.2 16V

O exemplar da matéria é um CD ano 1999. Ele traz um belo pacote de acessórios. Além do câmbio automático de quatro marchas, o destaque vai para os comandos do áudio no volante, algo comum hoje em dia, mas uma novidade na época, e o teto-solar, um charme à parte em qualquer sedã.

Sob o capô inicialmente a versão CD trazia o motor de 2 litros e 16V, substituído mais tarde por uma cilindrada maior, de 2,2 litros. Com isso temos 138 cv à disposição para viagens sossegadas com boa velocidade de cruzeiro. Entre outros itens, o carro também tinha duplo airbag,freios ABS e suspensão traseira multibraço.

LEIA MAIS: Opala recebe veneno atual para chegar aos 250 cv de potência

A trajetória do modelo no Brasil começou com a primeira  geração , que teve a missão de substituir o Monza, a segunda e depois foi descontinuado com a chegada de outro modelo e, mais tarde, o Cruze. Porém o Chevrolet Vectra segue como um dos grandes sonhos de consumo da Chevrolet nos anos 90. Até a próxima semana!