Tamanho do texto

Um pequeno trecho de meu novo livro sobre o Jornalismo Automotivo, que será lançado neste dia 18, em São Paulo

Por um lado, o automóvel mexe com a imaginação. Do outro, o jornalismo automotivo  passa por uma revolução
Divulgação
Por um lado, o automóvel mexe com a imaginação. Do outro, o jornalismo automotivo passa por uma revolução

Não seria adequado falar de tecnologia, jornalismo, globalização e modernidade sem citar o capitalismo. "A natureza fortemente competitiva e expansionista do empreendimento capitalista implica que a inovação tecnológica tende a ser constante e difusa", afirma Giddens. Mais ainda quando temos a intenção de investigar o jornalismo automotivo.

LEIA MAIS: 5 carros que eu não compraria de jeito nenhum. Confira a lista completa

Por que o automóvel? Devido ao forte simbolismo que esse produto possui na sociedade industrial, por ter sido (em termos históricos) a mais importante mercadoria fabricada em linha de produção e por representar como poucos um referencial do status de seus proprietários perante a sociedade de consumo, que, para Zygmunt Bauman, "só pode ser uma sociedade do excesso e da extravagância – e, portanto, da redundância e do desperdício pródigo". Por último, porém tão importante quanto os demais motivos citados, porque o jornalismo automotivo praticado no Brasil, desde a chegada da web 2.0, oferece muitos elementos para análise do fenômeno do derretimento das mídias tradicionais, enquanto as novas mídias digitais avançam rapidamente em "território inimigo" com seu exército formado por sites, blogs, smartphones, tablets, podcasts e vídeos.

Em seu estudo sobre o sistema dos objetos, Jean Baudrillard diz que o campo privado da habitação reúne quase todos os objetos cotidianos da vida humana, mas faz uma ressalva: "O sistema todavia não se esgota no interior doméstico. Comporta um elemento exterior que constitui por si só uma dimensão do sistema: o automóvel". Isso porque as características e a usabilidade de um carro resumem as posições e os significados do interior de uma casa. "O automóvel lhes acrescenta uma dimensão de poderio, uma transcendência que lhe faltava", observa Baudrillard.

Liberdade e necessidades

O automóvel é um objeto sublime. E tem a capacidade de transformar o espaço-tempo de uma maneira única
Divulgação
O automóvel é um objeto sublime. E tem a capacidade de transformar o espaço-tempo de uma maneira única

Possuir um carro é como possuir um passaporte para a liberdade. Se o deslocamento é "uma necessidade" do ser humano e a velocidade representa "um prazer", a posse de um automóvel é quase um diploma de cidadania. "A carta de motorista é a credencial desta nobreza mobiliária cujos costados são a compreensão e a velocidade máxima", diz Baudrillard. Por isso, o automóvel movimenta uma das mais poderosas indústrias do mundo contemporâneo, mexe com o imaginário e é foco da atenção de bilhões de pessoas, que, por necessidade ou empatia, consomem diariamente todo tipo de informação sobre ele.

LEIA MAIS: Por que o Compass é o carro mais desejado do Brasil

Baudrillard não chega ao ponto de ver no automóvel a versão moderna da fusão da inteligência humana e de forças animais, mas admite: "Ele é um objeto sublime". Isso porque esse adorado objeto tem a capacidade de transformar o espaço-tempo. "O movimento por si só constitui certa felicidade mas a euforia mecanicista da velocidade vem a ser outra coisa: é fundada, no imaginário, sobre o milagre do deslocamento." (Baudrillard)

Embora seja um ícone do capitalismo e fundamental para o deslocamento dos indivíduos que movimentam a economia, o automóvel só tem o papel que tem porque a sociedade o fez assim. Ninguém nasce precisando de um carro. Não existem necessidades materiais que sejam naturais para o ser humano. "Toda sociedade cria um conjunto de necessidades para seus membros e lhes ensina que a vida não vale a pena ser vivida a não ser que estas necessidades sejam bem ou mal satisfeitas." (Castoriadis) Devido a essa dependência artificial, as pessoas passaram a ser bombardeadas com publicidade e se sentem "obrigadas" a comprar alguma coisa que as satisfaçam.

O objeto me ama

Consumidores enxergam nas marcas famosas uma espécie de porto seguro em seu mundo consumista
Divulgação
Consumidores enxergam nas marcas famosas uma espécie de porto seguro em seu mundo consumista

Os consumidores, dessa forma, enxergam nas marcas famosas uma espécie de porto seguro em seu mundo consumista, no qual toma-se decisões diariamente sobre qual produto deve ser comprado. O que era uma exibição de status passou a ser uma tomada de decisão. Em consequência disso, vive-se constantemente em risco de errar na escolha. “O risco aprofunda a dependência dos especialistas", diz Beck. Afinal, com tantas marcas expostas, qual delas é a melhor? Por que Adidas e não Nike? Por que Volkswagen e não Fiat? Por que Louis Vuitton e não Prada? Por que Coca-cola e não Pepsi? Por que, por que, por que? Para responder a todas essas perguntas, aprofundou-se a dependência dos chamados sistemas especialistas. (Giddens) "Se o objeto me ama (e ele me ama através da publicidade), estou salvo”, resume Baudrillard.

LEIA MAIS: Guerra dos SUVs não é para qualquer um. Saiba mais detalhes

No Brasil, desde que o presidente Fernando Collor abriu o mercado automotivo (e vários outros) para importações, em 1990, os consumidores passaram a ter acesso a uma variedade incrível de automóveis. Assim, clientes que eram favas contadas para os vendedores de carros, passaram a experimentar outras marcas. A partir daí, os comportamentos cada vez mais imprevisíveis dos consumidores de automóveis levaram as montadoras a serem cada vez mais ágeis na apresentação de novidades. "Jamais os consumidores se mostraram tão desconfiados, voláteis, infiéis às marcas", constata Lipovetsky. Vivemos uma era de "amores e desamores em matéria de marcas". Afinal, como lembra Scott Lash, o consumidor vive rodeado não apenas por coisas, mas também por fantasias. E o automóvel, como mostrou Baudrillard, tem essa característica de mexer com o imaginário.

Nota do Autor: o livro “Revolução no Jornalismo Automotivo ” tem 168 páginas e é dirigido para pesquisadores do setor e pessoas interessadas em conhecer os meandros desse braço do jornalismo especializado. Se quiser comprar, escreva para pixmidia@gmail.com. O preço é de R$ 42, já contando as despesas de envio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.