Tamanho do texto

A versão Hatchback do Yaris aparece no ranking da Fenabrave na mesma categoria do Honda Fit, ou seja, “monocab”

Toyota Yaris: por uma questão estratégica, a fabricante o classifica como monovolume e não hatchback
Divulgação
Toyota Yaris: por uma questão estratégica, a fabricante o classifica como monovolume e não hatchback

Alguém na Toyota teve a ideia de classificar o Yaris Hatchback como “monocab” no ranking da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). “Monocab” significa que o carro é um monovolume ou minivan, como se diz popularmente.

LEIA MAIS: Toyota Yaris: o que ele tem de melhor que Etios e Corolla?

Tudo isso para o Yaris concorrer diretamente num ranking que tem o Honda Fit como líder disparado, com 83% das vendas dessa subcategoria. Essa é uma das bobagens que, muitas vezes, as montadoras cometem em busca de uma falsa notícia que pode lhes render maior visibilidade no noticiário.

Toyota Yaris da primeira geração: ou isso é um hatch ou não sabemos mais que nome dar aos carros
Divulgação
Toyota Yaris da primeira geração: ou isso é um hatch ou não sabemos mais que nome dar aos carros

É um erro da Toyota classificar o Yaris Hatchback como “monocab”. Ora, o nome já diz tudo: trata-se de um hatch, um carro de dois-volumes, e não de um monovolume. Se não foi a Toyota quem tomou essa iniciativa, ela erra em permitir que a Fenabrave o faça. Porém, embora isso já tenha ocorrido em outras ocasiões, com outros carros de outras marcas, não é razoável supor que alguém dentro da Fenabrave tenha tido espontaneamente a ideia de classificar um carro chamado Yaris Hatchback como “monocab”.

Claro que é mais fácil para o Yaris se destacar somente contra o Fit. Afinal, para se ter uma ideia, os concorrentes do Honda nessa subcategoria são os Fiat Doblò e Idea e os Mercedes Classe A e Classe B. Ou seja: é um nicho que praticamente não existe. O correto seria o Yaris encarar de frente carros como Volkswagen Polo, Fiat Argo, Chevrolet Onix e Hyundai HB20. Porém, essa é a categoria dos dois carros mais vendidos do Brasil (Onix e HB20), o que torna mais difícil dizer que é o líder numa eventual peça publicitária.

LEIA MAIS: Por que a Toyota vende menos carros do que o Brasil quer?

Essas vicissitudes das gentes do marketing sempre estão presentes no mercado. Recentemente, a Ford decidiu rebatizar o Focus Sedan de Focus Fastback. Provocou uma pequena polêmica entre jornalistas especializados durante alguns dias, mas não fez nem cócegas no interesse do público consumidor. O carro continuou com vendas ruins e voltou a se chamar Focus Sedan. Agora, ao contrário, a Ford acertou ao rebatizar o Ka+ de Ka Sedan. Por que não fazer sempre o mais simples?

Distorcendo os fatos

Toyota Yaris não é o o primeiro carro a ser classificado fora da categoria da qual realmente faz parte. Há outros exemplos
Divulgação
Toyota Yaris não é o o primeiro carro a ser classificado fora da categoria da qual realmente faz parte. Há outros exemplos

Na tentativa de conseguir notícias positivas, alguns profissionais do marketing distorcem os fatos. Faz um certo tempo, a associação de revendedores Hyundai publicou uma nota dizendo que o HB20 era a família de carros mais vendida do Brasil, pois somava os emplacamentos do HB20 (hatch) e do HB20S (sedã). Entrei em contato com o assessor de imprensa responsável pela notícia para dizer que a informação dele estava errada e que a correta estava publicada numa coluna minha na revista Motor Show, falando que a família de carros mais vendida era a dos Chevrolet Onix/Prisma.

Bem, ele não concordou com meus argumentos, embora eu tenha explicado que o Onix e o Prisma eram o mesmo carro, porém com a traseira e os nomes diferentes. Ele disse que mesmo assim discordava do meu ponto de vista e encerrou a conversa afirmando que para a associação dos revendedores Hyundai o que valia eram carros com o mesmo nome. Então tá. Mas o público não é bobo, não se engana facilmente (embora a nota sobre a família HB20 tenha sido publicada por alguns jornalistas).

LEIA MAIS: Toyota Yaris é a aposta da montadora. Peca em detalhes, mas tem a sua solidez

Honda Fit da primeira geração, ao contrário do Yaris, esse sim nasceu como um monovolume, classificação que mantém até hoje
Divulgação
Honda Fit da primeira geração, ao contrário do Yaris, esse sim nasceu como um monovolume, classificação que mantém até hoje

É possível que os responsáveis pelo marketing da Toyota tenham deixado passar essa bobagem e corrijam a situação na Fenabrave. Vamos acompanhar no próximo informe. Se, entretanto, insistir nisso, será uma pena, pois o Yaris é um carro que pode construir uma reputação própria, assim como fizeram o Corolla e o Etios, dois carros da marca japonesa. É mais fácil dizer que o Yaris Hatchback extrapola suas características originais de hatchback e avança até no segmento do Fit do que chamá-lo de monovolume, pois isso exige contorcionismo teórico.

Aliás, se formos realmente rigorosos, talvez até a presença do Honda Fit como “monocab” e do Chevrolet Spin como “grancab” sejam exageradas. Entretanto, o Fit (ou Jazz em alguns mercados) nasceu como um autêntico monovolume, ao contrário do Yaris. Se hoje lembra mais um hatch, pelo menos tem o argumento histórico a seu favor. Já o Spin, parece mais uma perua elevada, assim como o VW SpaceFox.

Finalmente, se alguém surgir com o argumento de que internamente a Toyota “sempre considerou” o Yaris um monovolume, por favor, que mudem o nome do carro e não usem mais “ Yaris Hatchback”. 

Devido à repercussão desse artigo, a Toyota me ligou no dia 26/07/2018 e disse que foi investigar o porquê da classificação do Yaris como “monocab”. Segundo a assessoria da Toyota, houve uma falha de comunicação entre a Abradit (Associação Brasileira dos Distribuidores Toyota) e a Fenabrave na indicação da categoria para inserção do Yaris Hatchback. A assessoria disse ainda que não se trata de estratégia de marketing e que já solicitou à Fenabrave a mudança do Yaris Hatchback para a categoria Hatch Pequeno (a mesma do VW Polo, Chevrolet Onix etc.). Nesse caso, damos parabéns à Toyota por agir rápido e pedir a correção na Fenabrave.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.