Tamanho do texto

Entenda por que o VW Gol consegue ser um dos carros mais vendidos, porém pouco procurado pelo público

Volkswagen Gol: apesar da ótima posição no geral, é apenas o 15º carro mais procurado pelos consumidores
Divulgação
Volkswagen Gol: apesar da ótima posição no geral, é apenas o 15º carro mais procurado pelos consumidores

A história do Volkswagen Gol daria uma tese de doutorado. Poucos carros têm uma trajetória tão rica em altos e baixos, decisões e indecisões como o hatch de entrada da Volkswagen. Como sabemos, o Gol surgiu como substituto do Fusca, em 1980, e seria um retumbante fracasso se não trocasse o motor a ar por um refrigerado a água.

LEIA MAIS: VW Gol 1.6 automático mostra que é econômico na cidade

Assim, o Gol conseguiu ser campeão de vendas durante 27 anos consecutivos. Depois caiu, à espera de uma nova geração, que não veio. Mas, mesmo assim, ocupa o quarto lugar em vendas ao mesmo tempo em que ninguém mais quer saber dele.

Ok, concordo que a palavra “ninguém” é um tanto exagerada, serve como uma expressão idiomática muito usada no Brasil quando queremos dizer que poucos se interessam por alguma coisa que antes movia multidões. Ninguém quer saber disso, ninguém quer saber daquilo não significa que nenhuma pessoa tenha interesse, mas sim uma quantidade bem menor do que a fama do objeto sugere.

Pois bem: tudo isso para dizer que o Volkswagen Gol ocupa o quarto lugar em vendas em 2018, com 70,3 mil emplacamentos, atrás apenas do Chevrolet Onix (190,8 mil), Hyundai HB20 (96,5 mil) e Ford Ka (94,7 mil). Porém, seu resultado de vendas no varejo, aquelas vendas realizadas nas concessionárias para o cidadão comum, é pífio.

LEIA: VW Gol e Voyage ganham novo câmbio automático e motor 1.6 16V

O Gol ocupa apenas a 15ª posição na tabela de classificação, com esquálidos 23,6 mil licenciamentos. Nos bons tempos, o Gol vendia mais do que isso num único mês! E o mercado era muito menor (porém, havia poucos rivais competitivos).

É importante que o consumidor saiba analisar o ranking de vendas para saber se um determinado carro é tão popular quanto parece. O segredo do Gol está nas vendas diretas, ou seja, nos negócios feitos no atacado para empresas que possuem frotas –como locadoras, prefeituras, telefônicas etc. O Gol se tornou um bom negócio para essas empresas, por causa dos descontos dados pela Volkswagen, mas não consegue repetir o sucesso quando vai para a guerra do varejo.

Gol e Compass destoam no top 10

Jeep Compass: assim como o Gol, destoa no top 10, pois cai para o 14º lugar no varejo e perde para o Honda HR-V
Divulgação
Jeep Compass: assim como o Gol, destoa no top 10, pois cai para o 14º lugar no varejo e perde para o Honda HR-V

Não é só o VW Gol que revela desequilíbrio entre as vendas diretas e as vendas no varejo. O Jeep Compass está em situação parecida. No ranking total, o Compass aparece em nono lugar, com 55,5 mil vendas, o que lhe confere o título de SUV mais vendido do Brasil. Porém, quando olhamos apenas as vendas nas concessionárias, o Compass despenca para uma posição acima do Gol, a 14ª, com 23,8 mil vendas.

Dessa forma, ele perde o posto de SUV preferido dos consumidores para o Honda HR-V, que é o sexto carro mais vendido nas concessionárias, com robustos 41,4 mil negócios. É quase o dobro do que vende o Compass.

Honda HR-V: ele não tem a mesma força do Compass nas vendas diretas, mas vende quase o dobro para o cidadão comum.
Divulgação
Honda HR-V: ele não tem a mesma força do Compass nas vendas diretas, mas vende quase o dobro para o cidadão comum.

Não dá para afirmar com certeza o que é melhor para as montadoras, pois as vendas diretas não incluem as margens das concessionárias e têm mais descontos, porém os negócios são quase sempre feitos em lote.

Da mesma forma, se um carro está sendo bastante adquirido por locadoras, é sinal de que os consumidores desejam dirigir esse modelo, mas nem sempre ele é acessível. Nesse ponto, o caso do Compass é mais fácil de explicar do que o do Gol. Afinal, convenhamos, ninguém está louco de vontade de dirigir um hatch de entrada, mas os SUVs realmente estão nos sonhos dos consumidores.

LEIA MAIS: Jeep Compass Limited 2019:  SUV líder de vendas no Brasil evolui

Tudo leva a crer que a baixa preferência pelo Gol no varejo e seu ótimo desempenho nas vendas diretas seja mesmo construído por empresas de serviço que compram carros básicos para seus motoristas. Nesse caso, a longa fama de robustez e fácil manutenção do Gol ajuda. Até porque quem compra o carro normalmente não o dirige.

Outra curiosidade é que, ao despencar junto com o Compass para a segunda página do ranking, o Gol abriu espaço para seu quase falecido irmão, o Fox , ocupar uma honrosa décima posição.

Fox: mesmo desprezado pela Volkswagen, o carro que quase foi morto pelo Polo é o décimo mais vendido nas concessionárias.
Divulgação
Fox: mesmo desprezado pela Volkswagen, o carro que quase foi morto pelo Polo é o décimo mais vendido nas concessionárias.

O ranking dos 10 carros mais vendidos nas concessionárias, para os consumidores comuns, tem a seguinte ordem: 1º Chevrolet Onix (111.344); 2º Hyundai HB20 (76.976); 3º Ford Ka (54.110); 4º Volkswagen Polo (51.545); 5º Renault Kwid (49.336); 6º Honda HR-V (41.376); 7º Fiat Argo (38.591); 8º Toyota Corolla (37.348); 9º Chevrolet Prisma (36.274); 10º Volkswagen Fox (28.727).

O ranking dos 10 carros mais vendidos no geral tem a seguinte ordem: 1º Chevrolet Onix (190.816); 2º Hyundai HB20 (96.511); 3º Ford Ka (94.752); 4º Volkswagen Gol (70.340); 5º Chevrolet Prisma (64.993); 6º Volkswagen Polo (63.556); 7º Renault Kwid (59.670); 8º Fiat Argo (58.977); 9º Jeep Compass (55.522); 10º Toyota Corolla (53.880). Todos os números foram fornecidos pela Fenabrave e correspondem ao fechamento de vendas de novembro.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.