Tamanho do texto

Rally dos Sertões foi um dos laboratórios da Mitsubishi no desenvolvimento da nova versão da picape, que recebe novidades na linha 2019

Mitsubishi L200 Sport HPE-S: nova versão topo de linha não fez cerimônia em se sujar ao passar por obstáculos
Cauê Lira/iG Carros
Mitsubishi L200 Sport HPE-S: nova versão topo de linha não fez cerimônia em se sujar ao passar por obstáculos

Os fãs da L200 gostam de chamá-la de “bruta”. Esse apelido pegou, e até mesmo nos corredores da fábrica da Mitsubishi, em Catalão (GO). Tradição é o que não falta no Brasil. Afinal, a marca dos três diamantes tem um legado forte marcado como entranhas de pneus graúdos no solo árido do Rally dos Sertões. E a reportagem de iG Carros pode ter um pouco dessa experiência, justamente a bordo da nova Mitsubishi L200 Triton Sport.

LEIA MAIS: Fiat Toro Blackjack: o lado sombrio da força

A seca que vai de maio a setembro já começa a afetar o centro-oeste brasileiro. Nas estradas de terra batida, os carros levantam poeira que tingem as folhas da vegetação de chapada com tom avermelhado. É interessante entender que Catalão (GO) possui o terceiro maior PIB industrial de Goiás, onde a agropecuária é uma das principais atividades. Esse é justamente o nosso cenário para cortar as fazendas de milho e gado com a Mitsubishi L200 HPE-S.

Elas estão sempre presentes, seja pela facilidade de compra - uma vez que a Mitsubishi é a maior empresa estabelecida na cidade - ou o uso no campo. No início do ano, nossa redação teve uma oportunidade parecida. Fomos aos confins da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, em uma expedição de quatro dias com a Nissan Frontier SE.  As duas marcas japonesas com forte legado, e que simplesmente não se importam em lançar modelos flex. No centro-oeste do Brasil, o cheiro é de diesel.

LEIA MAIS: Nissan Frontier SE: desbravamos a Chapada dos Guimarães com a nova picape

No curto trecho de estrada nos arredores da fábrica da Mitsubishi, percebo como a L200 tem boa vocação para o asfalto. Entretanto, a suspensão mais rígida acaba comprometendo o conforto interno. Apesar do bom isolamento acústico, qualquer irregularidade do solo é sentida com facilidade. Nesse ponto, a Nissan Frontier está muito mais próxima de um automóvel urbano que a L200.

Picape é valente para passar por terrenos acidentados com ajuda do sistema de tração 4x4 controlado eletronicamente
Tom Papp
Picape é valente para passar por terrenos acidentados com ajuda do sistema de tração 4x4 controlado eletronicamente

Um desvio discreto nos tira da rota pavimentada. A partir dali, cortaríamos o aglomerado de fazendas de milho e territórios de pequenos pecuaristas recheados de zebus corpulentos. Já havia sido avisado de que o trajeto reservava algumas surpresas interessantes, às quais não me esforcei para antecipar. Pé embaixo, e a bruta levanta a poeira fina do cerrado com suas extremidades emborrachadas 265/70 R16.

Aqui vale a menção de que todos os modelos da L200 Triton Sport são equipados com o moderno motor 2.4 turbodiesel, de alumínio, com 190 cv de potência e 43,9 kgfm de torque, capaz de fazer  9,9 km/l na cidade e 11,8 km/l na estrada, conforme dados do Inmetro.

De acordo com os engenheiros da marca, a turbina de geometria variável permite que o motor da bruta entregue alto torque a baixas rotações e muita potência em regimes elevados, sem abrir mão da confiabilidade do condutor. Com isso em mente, sinto liberdade para abusar um pouco mais ao longo da estrada de terra. Enquanto adentramos as entranhas da via irregular, a terra batida vai dando lugar ao terreno arenoso espesso.

É incrível como a L200 mostra disposição para acelerar, enfrentando valas e buracos com veemência. O controle de estabilidade e tração mal assume as rédeas, fazendo apenas algumas correções quase imperceptíveis - caso você não esteja atento ao painel. Com as valas em rampa que fazem o carro saltar, cheguei a tirar as quatro rodas do chão. Basta manter o volante reto e esperar pelo impacto.

Bruta em todos os sentidos

Há uma linha tênue entre uma picape que seja estável e segura, e ainda possua um bom raio de giro para melhorar sua manobrabilidade. Com chassi curto, o raio de giro está na casa dos 5,9 metros. De acordo com a Mitsubishi, o chassi não poderia ser maior para não dar um aspecto de “caminhão” para a L200. O conforto interno precisava ocupar o topo da lista de prioridades da marca, e isso foi cumprido com sucesso.

Ela tem exatos 3 metros de entre-eixos e bom espaço interno. A linha J - que divide a estrutura central da caçamba, garante conforto para os ocupantes do banco traseiro. Eles são inclinados em 25°, abraçando bem as costas de quem for sentado ali. O ocupante do meio, entretanto, terá dificuldades por conta da altura do túnel central. Melhor seria levar dois adultos e uma criança. Na parte de conforto, além de conectividade Android Auto e Apple CarPlay, você poderá conectar seu celular à central multimídia de sete polegadas, via Wi-Fi.

Os engenheiros da Mitsubishi também gostam de falar sobre como a L200 se dá bem com a água. De acordo com a marca, a picape pode enfrentar até 60 cm de água - considere que as ondas causadas pelo movimento podem chegar a 1 metro. Outro tópico interessante é o efeito “splash” no dissipador de água. A L200 passa por pequenos riachos sem arremessar água sobre o parabrisa dianteiro. Quem já fez trilha com um Troller, por exemplo, sabe que o jipinho atira água com força contra a dianteira. Nesse ponto, interrompemos a trilha para dar um banho na bruta, e o resultado você confere no vídeo abaixo.

A L200 tem quatro modos de tração: 4x2, 4x4 convencional, 4x4 com bloqueio do diferencial central e 4x4 reduzida. As trocas podem ser feitas facilmente por meio do seletor no console central. A bruta também integra o bloqueio do diferencial do eixo traseiro. A picape é a única a trazer hastes atrás do volante, para permitir as mudanças de marcha sequenciais. Pasme, elas foram inspiradas no Lancer Evo, mas não são de alumínio.

São muitas as siglas. a L200 Triton traz controle de estabilidade e tração nas versões HPE e HPE-S. Com o solo mais arenoso, os pneus escorregam com facilidade por conta do piso de baixa aderência. O comando freia as rodas que estão derrapando e entrega torque às outras. Pisos escorregadios jamais serão um problema, mesmo que você tenha um trailer acoplado. O TSA (Trailer Stability Assist) garantirá seguranças em serpenteamentos.

LEIA MAIS: Depois da guerra dos SUVs, vem aí: a batalha das picapes

A Mitsubishi L200 Sport HPE-S custa R$ 174.990, sendo aproximadamente R$ 8 mil mais cara que a versão topo de linha da Frontier. Fica evidente sua vocação e robustez para o trabalho no campo. Por conta da suspensão mais rígida, as imperfeições do asfalto são transmitidas para a cabine, mas nada que irá comprometer sua dirigibilidade nas estradas de terra.

Ficha técnica

Mitsubishi L200 Sport HPE-S
Preço: R$ 174.990
Motor: 2.4 turbodiesel, em alumínio,
Potência: 190 cv
Torque: 43,9 kgfm 
Suspensão: independente, braços sobrepostos (dianteira), eixo rígido (traseira)
Freios: disco ventilado (dianteira), tambor (traseira)
Pneus: 265/70 R16
Caçamba: 1046 litros
Tanque: 75 litros
Consumo: 9,9 km/l (cidade), 11,8 km/l (estrada)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.