Tamanho do texto

Versão da CG ficaria mais cara com a chegada do que seria a sua linha 2019, já que seria obrigada por lei a receber os freios combinados

Honda CG 125 é lendária não só por ser o veículo mais produzido do Brasil, como pela sua robustez e simplicidade
Divulgação
Honda CG 125 é lendária não só por ser o veículo mais produzido do Brasil, como pela sua robustez e simplicidade

Você sabe qual é o veículo mais vendido do Brasil na história? Esse título pertence à motocicleta Honda CG 125, a campeã de vendas das motos por sua popularidade e manutenção fácil e barata. Com cerca de 7 milhões de unidades vendidas no mercado brasileiro — ante 6,6 milhões do Gol — em 42 anos (só perde para a VW Kombi, que foi produzida por 63 anos), a motocicleta acaba de sair de linha.

LEIA MAIS: Honda CG 125 completa 40 anos no Brasil: Carrossel do Progresso

Apesar de ter feito muito sucesso durante a sua existência, a Honda CG 125 acabou evoluindo pouco durante os últimos anos e perdeu espaço para a versão CG 150, lançada em 2003, que virou CG 160 em 2016. A reportagem de iG Carros consultou a assessoria de imprensa da  Honda, que nos explicou que, apesar da 125 ser ainda mais em conta, ela seria obrigada, por lei, a receber os freios combinados que já equipam a 160, o que a encareceria quase ao nível da “irmã” mais forte, e assim a inviabilizaria no mercado.

Ainda segundo a marca, no ano passado, as vendas da 125 representaram menos de 10% da família CG. A popularização de scooters e a alta demanda da CG 160 também prejudicaram o desempenho comercial da 125. Entretanto, vale lembrar que a moto foi extremamente importante na história da Honda, motivando, inclusive, a construção da fábrica da marca na Zona Franca de Manaus, em 1976.

LEIA MAIS: Honda CG 160 Titan, 40 anos depois

A CG 125 foi, ainda, a primeira motocicleta no mundo com motor álcool, lançada em 1981 — mesmo que a atual seja apenas gasolina e a 160 flex. Apesar do fim da produção, o modelo continua disponível nas lojas e será vendido até acabarem os estoques. Ambas fora de linha, as restantes da versão Fan custam R$ 7.161, enquanto as Cargo saem por R$ 7.165.

Honda CG 160 e as novidades da linha 2019

Honda CG 160, na linha 2019, chega para oferecer, como sempre, custo-benefício atrativo e confiabilidade
Divulgação
Honda CG 160, na linha 2019, chega para oferecer, como sempre, custo-benefício atrativo e confiabilidade

A linha 2019 da Honda CG foi lançada recentemente com novas cores e grafismos entre as novidades. Além disso, a moto mais vendida do Brasil também passa a contar com rodas de liga-leve nas versões 160 Fan e 160 Cargo. Aliás, há três novas cores da linha 2019 da Honda CG : vermelho e azul perolizado, e prata metálico, além de outros grafismos, incorporando uma faixa de tanque na parte superior central. Enquanto isso, a CG 160 Fan 2019 traz também três opções de cores: o tradicional preto, um novo vermelho e a nova opção cinza metálico, todas complementadas por detalhes gráficos atualizados e pelas novas rodas de liga-leve, com o mesmo design da Titan.

LEIA MAIS: Yamaha Factor 150, um pouco mais de potência. Confira a avaliação

Substituta na liderança das vendas há alguns anos da Honda CG 125, a 160 possui participação no mercado quase absoluta
Divulgação
Substituta na liderança das vendas há alguns anos da Honda CG 125, a 160 possui participação no mercado quase absoluta

Já a CG 160 Start também recebe a nova tonalidade de vermelho e mantém a opção em preto. Outra delas, a CG 160 Cargo, permanece disponível em opção única no novo modelo, na cor branca. O motor delas é um monocilíndrico, de 4 tempos, que rende 15,1 cv e 1,54 kgfm, com câmbio de 5 marchas e embreagem banhada à óleo. Vale lembrar que, assim como foi incluído a partir de linha 2018, a Honda CG 2019 se mantém com suspensão dianteira SFF (Separated Function Fork) — derivada das máquinas usadas nas competições off-road no motocross, enduro e rally — que fez as Honda CG 125 e 160 ficarem mais resistentes e com melhor dirigibilidade, de acordo com as informações da fabricante.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.