Tamanho do texto

Carro elétrico mais vendido do mundo poderá ser dirigido pelos visitantes, que poderão avaliá-lo antes de chegar às lojas, em 2019

Nissan Leaf é uma das maiores novidades elétricas do Salão do Automóvel 2018, que inclusive será vendido por aqui
Divulgação
Nissan Leaf é uma das maiores novidades elétricas do Salão do Automóvel 2018, que inclusive será vendido por aqui

O novo Leaf será um dos destaques da Nissan no Salão do Automóvel 2018, que acontecerá entre os dias 8 e 18 de novembro. O carro estará exposto tanto no estande da marca quanto poderá ser dirigido em dois locais diferentes durante o evento. Como parte de uma série de ações especiais de diversas fabricantes, a Nissan terá um espaço próprio para o primeiro contato do público com o elétrico mais vendido do mundo.

LEIA MAIS: VW confirma: terá picape conceitual, nova rival da Toro, no Salão do Automóvel

O Nissan Leaf será também um dos modelos disponíveis no espaço New Mobility, ao lado de diversos outros carros elétricos e híbridos de diversas fabricantes no Salão do Automóvel 2018 . Isso demonstra que, mesmo com certo atraso, o Brasil começa a entrar no novo momento dos eletrificados, com promessas de amplo crescimento de opções nos próximos anos vindo de diversas fabricantes. E tudo isso gratuitamente, os gastos param no custo do ingresso para o Salão.

Fruto de uma plataforma própria, o Nissan Leaf é o elétrico mais vendido do mundo.
Enquanto sua geração anterior ficou restrita a pequenas frotas em projetos especiais, como táxis no Rio de Janeiro, a nova será vendida no Brasil em 2019, inclusive com sistemas de condução semi-autônoma e capacidade de rodar até 400 km antes de qualquer recarga.

LEIA MAIS: Salão do Automóvel fará a estreia do novo Audi A7 Sportback no Brasil

Como é o elétrico do Salão do Automóvel 2018

A nova geração do Nissan Leaf estreou em outubro do ano passado, com mais autonomia e tecnologias, como o sistema de assistência ao condutor ProPILOT, e o ProPILOT Park, para estacionamentos. Começa oferecido com uma bateria de 40 kWh, proporcionando autonomia de 240 km. Em seguida, há também a opção de 60 kWh, que chega aos 320 km de capacidade e, por fim, a mais nova geração de baterias, que chega aos 400 km. Sua potência fica na casa dos 149 cv, com 32,6 kgfm.

“A mesma tecnologia que existe fora do Brasil precisa estar em nosso País”, diz Marco Silva, presidente da Nissan. “Acreditamos que eletrificação veio para ficar, e o Brasil não pode ficar excluído do que está acontecendo no resto do mundo. O Nissan Leaf realmente tem potencial em nosso mercado, e nós não queremos que ele seja apenas um carro de nicho”.

LEIA MAIS: Aceleramos o raro Fiat Coupé no Autódromo de Interlagos. Assista ao vídeo

Entretanto, o caminho continua nebuloso para tal possibilidade. Com o IPI atual, o Leaf custaria mais de R$ 200 mil, mas essa não é a intenção da Nissan. Se o programa de incentivos fiscais a novas tecnologias — o Rota 2030 — for aprovado, devemos esperar que sairá por algo em torno dos R$ 150 mil. “Nós defendemos a redução da alíquota do Rota 2030. Sucesso no Salão do Automóvel 2018 o Leaf promete, mas para que o elétrico mais vendido do mundo seja um produto competitivo no mercado brasileiro, o IPI precisa ser de, no máximo, 7%”, diz o presidente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.