Tamanho do texto

Modelo tem visual caprichado e consegue ter certa agilidade no dia a dia, mas não empolga como um esportivo de verdade. Confira a avaliacão

Fiat Uno Sporting tem estilo que agrada aos olhos. E se sai melhor com câmbio manual  do que com o automatizado
Carlos Guimarães/iG
Fiat Uno Sporting tem estilo que agrada aos olhos. E se sai melhor com câmbio manual do que com o automatizado

A vida do Fiat Uno não anda nada fácil no mercado. Está na lanterna do ranking dos hatches de entrada, com menos da metade das vendas do líder do segmento, o Ford Ka, que teve 20.864 unidades vendidas no primeiro trimestre, ante 7.518 do modelo da marca italiana. E isso se mantém mesmo depois das novidades adotadas em setembro último, o que incluiu novos motores Firefly, retoques no desenho e até controle de estabilidade como opcional. Será que resta alguma esperança de recuperação? Só o tempo dirá. De qualquer forma, a versão Sporting, com câmbio manual, que avaliamos, é uma das mais interessantes da linha.

LEIA MAIS: Fiat despenca em vendas. Sem Toro e Strada, fica atrás de Toyota e Ford

Ok, vai ser difícil alguém se interessar por um Fiat Uno tão equipado quanto esse que aparece nas fotos. Sem opcionais, sai por R$ 51.080. Com o Kit Tech (R$ 3.832), que inclui os controles de estabilidade e tração, além de sensores no para-choque traseiro para ajudar a estacionar, vidros traseiros elétricos e controle de descida em rampas o valor do carro sobe para R$ 54.912. E atinge R$ 55.833 com o Kit Confort (R$ 921) que vem com apoio de braço dianteiro central, banco do motorista com regulagem de altura e encosto traseiro.

Mas não há como negar  que o pessoal da Fiat conseguiu deixar o hatch atraente. As mudanças em relação às demais versões têm entre os destaques os para-choques redesenhados e com estilo mais arrojado, principalmente na parte da traseira  Há duas saídas de ar falsas nas laterais, uma espécie de extrator de ar e escapamento duplo, no centro. A frente também foi bem elaborada, com grade do tipo colméia e frisos vermelhos decorativos, entre outros detalhes como os faróis com lentes escurecidas. As rodas de aro 15 poderiam até ser um pouco maiores, mas também são estilosas.

Por dentro, a lista de detalhes que chamam atenção continua com itens como  cluster  com iluminação branca com ponteiros vermelhos, apliques no painel que imitam fibra de carbono e maçanetas das portas vermelhas. Mas a maneira como que as informações do visor de 3,5 polegadas são visualizadas poderia ser mais prática.  Não há dados sobre consumo médio nem instantâneo. E os destaques são para itens de menos importância,  como tempo que o motor está ligado, econômetro e temperatura externa. 

Ágil, mas sem empolgar

Na traseira, o para-choque tem desenho mais arrojado na versão com apelo esportivo, entre os detalhes exclusivos
Carlos Guimarães/iG
Na traseira, o para-choque tem desenho mais arrojado na versão com apelo esportivo, entre os detalhes exclusivos

E se o carro pode empolgar alguns pela aparência, não fará o mesmo na hora de acelerar. O motor 1.3 Fire Fly evoluiu em relação ao antiquado Fire Evo 1.4, mas ainda não tem fôlego digno de um esportivo. Rende 109 cv e 14,2 kgfm a 3.500 rpm, o que é suficiente para conseguir certa agilidade, mas não há como se empolgar. Até porque, o câmbio manual de cinco marchas poderia ter engates mais fáceis e precisos, principalmente em trocas rápidas.

LEIA MAIS: Fiat Mobi automatizado é prático e torna-se um dos 1.0 mais econômicos

Com uma relação entre peso e potência de razoáveis 9,68 kg/cv não há como esperar um desempenho de tirar o fôlego. Além disso, é preciso ter certa cautela nas ultrapassagens e nas curvas, já que a  suspensão continua mais voltada à absorção da irregularidades do piso, permitindo que a carroceria se incline mais que o ideal. Entretanto, a direção tem assistência elétrica em conta o botão que facilita as manobras na cidade, tornando o carro bem confortável nesse aspecto.

 O espaço interno continua adequado à proposta do carro. Pode levar até quatro adultos sem aperto, assim como suas respectivas bagagens no porta-malas de 280 litros. Além disso, as saídas do ar condicionado maiores também fazem parte dos pontos positivos do carro, já que o interior atinge rapidamente a temperatura desejada. Em contrapartida, os comandos do volante requerem um certo tempo de adaptação para serem manuseados sem confusão. Ou seja, faltou uma lógica mais intuitiva. 

LEIA MAIS:  Fiat Mobi chega ao México mais em conta que no Brasil e com 7 anos de garantia

A versão Sporting do Fiat Uno pode ter visual divertido, descolado e até arrojado, tanto por dentro quanto por fora. Com o novo motor 1.3 Firefly e câmbio manual de cinco marchas, o Uno consegue ter certa agilidade no dia a dia, mas nada que se pareça com um esportivo de verdade. Por outro lado, entre os hatches de entrada, ainda não há boas opções com apelo esportivo, pelo menos até a chegada da versão de produção do Gol GT, prevista para o fim do ano, com motor 1.0 turbo, de 125 cv.  

Ficha Técnica

Preço: R$ 51.080 (sem opcionais)

Motor: 1.3, quatro cilindros, flex

Potência: 109 cv (E) / 101 (G) a 6.200 rpm

Torque: 14,2 kgfm (E) / 13,7 (G) a 3.500 rpm

Transmissão: Manual, cinco marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Pneus: 185/60 R15

Dimensões: 3,82 m (comprimento) / 1,67 m (largura) / 1,49 m (altura), 2,38 m (entre-eixos)

Tanque : 48 litros

Consumo: 12,9 km/l (cidade) /14 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 9,8 segundos

Vel. Max: 177 km/h 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.