Tamanho do texto

Frente redesenhada e nova central multimídia são as principais novidades. Mas será o suficiente para enfrentar seus concorrentes de peso?

Citroën C4 Lounge: mudanças deixaram o carro mais elegante e  moderno, mas sem incomodar os principais rivais
Divulgação
Citroën C4 Lounge: mudanças deixaram o carro mais elegante e moderno, mas sem incomodar os principais rivais

A Citroën renova o sedã C4 Lounge de olho em uma fatia um pouco maior do segmento de sedãs médios. Mas, apesar do carro ter suas qualidades, as mudanças não se mostraram suficientes para desbancar a concorrência. A nova frente de aspecto moderno, com faróis de LED impressiona, bem como o desenho das novas rodas de aro 17 e as lanternas reestilizadas. De fato, o carro ficou mais elegante que a versão anterior.

LEIA MAIS: Citroën confirma que fabricará C4 Cactus no Brasil a partir do segundo semestre

Porém, a questão do preço é fundamental para o Citroën C4 Lounge para continuar sendo procurado nas lojas. O topo de linha (Shine) sai por R$ 102.790, o que é um pouco mais em conta que Toyota Corolla XEi (R$ 105.690), Honda Civic EXL (R$ 106.200) e Chevrolet Cruze LTZ (R$ 109.790). E a lista de equipamentos vem bem recheada e inclui teto-solar elétrico e seis airbags.  Entretanto, a versão mais interessante é a intermediária Feel, de R$ 93.920, que vem com os itens essenciais de conforto por cerca de R$ 3 mil a menos que Civic Sport (R$ 96.400) e Cruze LT (R$ 96.790).

Na questão do preço, o sedã da marca francesa se sai bem, mas vamos aos outros quesitos. Começando pelas mudanças na central multimídia. Não há como negar que tem evoluído nos últimos tempos, com gráficos de melhor resolução e maior facilidade de conexão com celulares Android ou iOS. Mas precisa ser ainda mais prática no dia a dia. Poderia ter funcionamento mais intuitivo e preciso. Além disso, por dentro, a sensação de " déjà vu " é inevitável.

Estão ali detalhes já conhecidos, como o grande volante de quatro raios, que precisaria ter melhor empunhadura e evoluir em ergonomia, já que concentra vários comandos juntos e requer certa adaptação para acioná-los sem se confundir. Contudo, o que incomoda mais ao dirigir é o novo cluster , agora totalmente digital, mas pouco eficiente. Para começar, o contagiros praticamente sumiu. Virou uma barrinha quase imperceptivel, ainda mais quando bate sol no painel. 

LEIA MAIS: Citroën Aircross evolui com novo câmbio automático de seis marchas

Por outro lado, o que não falta é conforto a bordo. Os bancos são bem estruturados e acomodam bem o corpo. Na frente, há apoio de braço e o espaço para que vai sentado atrás é suficiente para levar três ocupantes sem aperto. Bom também é que há  uma extensão da saída de ar que ajuda a manter o ambiente numa temperatura agradável.  Ponto positivo tanmbém para o porta-malas de 450 litros, com “pescoços de ganso” inofensivos, uma vez que não correm o risco de amassarem a bagagem.

Como anda o sedã

Por dentro, a central multimídia evoluiu, mas o novo cluster poderia ser mais caprichado ao mostrar informações do carro
Divulgação
Por dentro, a central multimídia evoluiu, mas o novo cluster poderia ser mais caprichado ao mostrar informações do carro

Falando ainda dos pontos já conhecidos do C4 Lounge, tanto a parte mecânica quanto estrutural são um prato cheio. Simplesmente porque nada mudou em relação à linha 2017. O motor THP Flex gera bons 173 cv com apenas e etanol no tanque e nada desprezíveis 24,5 kgfm de torque a 1.400 rpm, mas dá para sentir claramente certa demora nas respostas ao pisar no acelerador (“turbo lag”) nas primeiras marcações do contagiros, o que prejudica nas saídas de sinal. Porém, depois que o carro embala, ganha fôlego, o que ajuda nas ultrapassagens. Além disso, ao acelerar com o carro em movimento, ouve-se o sibilar a turbina, o que mostra uma certa falta de refinamento, assim como no sistema de direção. 

A assistência é eletro-hidráulica e não é tão confortável nas manobras de estacionamento quanto deveria.  Junto com o volante grande e com empuhadura  abaixo do ideal, tire qualquer pretensão da sua cabeça de ter um sedã com apelo esportivo se escolher o Citroën. O câmbio automático, de seis marchas, da japonesa Aisin, funciona bem, mas o ajuste é mais voltado para o conforto e não há hastes atrás do volante para trocas sequenciais, o que é feito apenas pela própria alavanca no console central.

LEIA MAIS: Aceleramos o Citroën C3 com motor 1.2, o 2º carro flex mais econômico do Brasil

Belas rodas de aro 17 ajudam no desenho atraente do sedã, mas acabam prejudicando um pouco com os pneus de perfil baixo
Divulgação
Belas rodas de aro 17 ajudam no desenho atraente do sedã, mas acabam prejudicando um pouco com os pneus de perfil baixo

O acerto da suspensão também prioriza a absorção das irregularidades do piso, embora as rodas de aro 17 montadas em pneus 225/45R acabem sofrendo um pouco no asfalto crocante que temos em boa parte das vias no Brasil. Ainda bem que no pacote de equipamentos está incluído o controle eletrônico de estabilidade (ESP), que evita derrapagens indesejáveis, caso passem ligeiramente do limite de aderência do carro nas curvas.

Quanto ao consumo, o C4 Lounge fica dentro de um patamar aceitável no segmento. De acordo com os números de Inmetro, faz 7,1 km/l na cidade e 9 km/l na estrada com apenas etanol no tanque, números que passam para 10,5 km/l e 13,2 km/l com gasolina, respectivamente.

Conclusão

Embora tenha recebido retoques no desenho e nova central multimídia, entre as principais novidades, o Citroën  C4 Lounge ainda não evoluiu o suficiente para incomodar os líderes de vendas do segmento, Toyota Corolla e Honda Civic.  O sedã da marca francesa atrai pelo custo-benefício da versão intermediária e por causa do bom nível de conforto que proporciona.

Ficha Técnica - Citroën C4 Lounge Shine

Preço: a partir de R$ 102.790

Motor:  1.6, quatro cilindros, turbo,flex

Potência:  173 cv (E) / 166 cv (G) a 6.000 rpm

Torque:  24,5 kgfm a 2.500 rpm

Transmissão:  Automático, seis marchas , tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / Eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) e sólidos (traseiros)

Pneus:  225/45 R17

Dimensões: 4,62 m (comprimento) / 1,79 m (largura) / 1,51 m (altura), 2,71 m (entre-eixos)

Tanque: 60 litros

Porta-malas: 450 litros 

Consumo etanol: 7,1 km/l (cidade) / 9 km/l (estrada)

Consumo gasolina: 10,5 km/l (cidade) / 13,2 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 9,4 segundos 

Velocidade máxima: 225 km/h 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.